Menu
2020-03-12T09:41:18-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
De olho nos balanços

BR Distribuidora, Azul e CVC divulgam balanços na semana; confira o que esperar

Na sétima semana de divulgação de resultados anuais, a BR Distribuidora demonstra o estado consolidado de seus negócios como, enfim, uma empresa privatizada

9 de março de 2020
6:00 - atualizado às 9:41
balanços
Imagem: Shutterstock

A disseminação do coronavírus e seus impactos sobre a economia global seguem concentrando as atenções do mercado financeiro. Mas a agenda de divulgação dos balanços das empresas de capital aberto não para e também movimenta os negócios nesta semana.

Entre as empresas cujas ações fazem parte do Ibovespa, um dos destaques é a agora privatizada BR Distribuidora, que divulga o balanço na quarta-feira, após o fechamento dos mercados.

No dia seguinte, será a vez da Azul revelar os números de seu “ano de ouro”, antes do início dos negócios na B3. Os resultados da empresa aérea, contudo, devem movimentar pouco os negócios com as ações, que sentem os efeitos da forte alta do dólar e do surto do coronavírus.

A operadora de viagens CVC é outra empresa a sofrer no atual cenário de mercado. Mas a companhia tem problemas próprios para resolver depois da admissão de erros nos balanços. A empresa também reporta seus números na quinta-feira, mas após o pregão.

Confira abaixo as outras 5 companhias que divulgarão seus resultados:

O ano da privatização

Como já dissemos, a BR Distribuidora é a protagonista desta bateria de balanços. A distribuidora deverá registrar queda de 25,8% no lucro líquido ajustado de 2019, de acordo com projeções dos analistas compiladas pela Bloomberg.

Mas o grande destaque da distribuidora de combustíveis no ano passado não veio dos balanços, mas da venda das ações que pertenciam à Petrobras em uma oferta na bolsa que, na prática, resultou na privatização da companhia.

Com a venda dos papéis, a Petrobras reduziu participação no capital da BR Distribuidora de 71% para 37,5%. A operação pulverizou o controle acionário, inaugurando um modelo nunca antes visto no mercado brasileiro: o de empresa privada com capital dividido tendo uma estatal, a Petrobras no caso, como sócio maior.

De qualquer forma, o presidente da petroleira, Roberto Castello Branco, já disse que a ideia é fazer uma nova oferta pública dos papéis ainda detidos pela petroleira.

Em 2019, a BR teve ainda outras novidades. Assinou acordo de viabilidade de parceria com a Lojas Americanas na BR Mania, expandiu-se tanto no setor de biocombustíveis, ao lançar um produto de etanol aditivado, e criou uma solução de pagamentos, ao fazer um cartão voltado principalmente a motorista de cargas autônomos, tendo em vista as oscilações no preço do óleo diesel.

Além disso, o presidente da empresa, Rafael Grisolia, disse em agosto que a BR pretende criar uma empresa no segmento de etanol.

Projeções para a BR Distribuidora em 2019:

  • Lucro líquido: R$ 2,363 bilhões ( ↓ 25,8%)
  • Ebitda: R$ 2,702 bilhões ( ↑ 5,6%)
  • Receita líquida: R$ 95,643 bilhões ( ↓ -2,2%)

(Quase) tudo Azul

Chegou a hora de mostrar se ficou tudo azul nos negócios da companhia aérea durante o chamado "ano de ouro" da empresa. Uma das grandes notícias de 2019 para a Azul foi a inclusão de seus papéis na composição da carteira do Ibovespa, em maio.

A aérea saiu beneficiada da falência da Avianca, cujos slots foram abocanhados no aeroporto de Congonhas. A Azul recebeu 15 horários de pousos e decolagens com a redistribuição dos slots. Além disso, passou a operar na ponte aérea Rio de Janeiro-São Paulo, referido como o "filé mignon" da aviação brasileira.

A projeção dos analistas é que o lucro líquido ajustado da companhia tenha crescido mais de 50% e o Ebitda triplicado no último ano.

Apesar da evolução dos números, as ações da Azul devem seguir à mercê dos desdobramentos da epidemia de coronavírus. Os papéis acumulam forte queda de 33,63% neste ano.

Projeções para a Azul em 2019:

  • Lucro líquido: R$ 638,400 milhões ( ↑ 51,9%)
  • Ebitda: R$ 3,618 bilhões ( ↑ 219,2%)
  • Receita líquida: R$ 11,551 bilhões ( ↑ 25,5%)

Uma viagem turbulenta

Uma empresa cujo estado dos negócios interessa muito aos investidores neste momento é a CVC Brasil, que sofreu muito nos últimos dias. E não foi só culpa do coronavírus.

A empresa divulgou na semana passada a existência de distorções contábeis em seus balanços entre os anos 2015 e 2019. Os erros podem ter um impacto de cerca de R$ 250 milhões sobre a linha das receitas líquidas — ou cerca de 4% do total apurado no período.

Na semana retrasada, o papel da companhia já tinha se desvalorizado 30%, em meio à disseminação do vírus. Isto porque, com a dimensão global do surto, a preocupação de investidores é que haja uma queda na demanda por viagens, sem mencionar o dólar cotado a níveis recordes.

Em 2019, a falência da Avianca também pesou no balanço da empresa de viagens. No 3º trimestre, a CVC teve que despender R$ 45 milhões para lidar com os cancelamentos de voos da companhia aérea que quebrou no ano passado. No geral, os analistas projetam redução no lucro, Ebitda e receita líquida da CVC na comparação com 2018.

Além de mais explicações sobre os problemas no balanço, os investidores esperam pela participação nas teleconferências de resultado de Leonel Andrade, ex-presidente da Smiles e que acaba de assumir o comando da companhia.

Projeções para a CVC em 2019:

  • Lucro líquido: R$ 258 milhões ( ↓ 11,7%)
  • Ebitda: R$ 651,143 milhões ( ↓ 9,8%)
  • Receita líquida: R$ 1,730 bilhão ( ↑ 2,2%)

Confira as estimativas para as outras empresas que registram seus balanços nesta semana:

This image has an empty alt attribute; its file name is Capturar.jpg
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Turbulência

Latam reduz prejuízo em 79% e anota perda de US$ 430,8 milhões no 1º trimestre

A receita operacional total da aérea foi de US$ 913,1 milhões no primeiro trimestre, queda de 61,2% sobre o mesmo período de 2020

Bitcoin popular

Goldman Sachs e Citibank anunciam novos investimentos em bitcoin

A ideia é tentar oferecer a maior variedade de serviços e evitar as oscilações, típicas e comuns no mundo das criptomoedas

Movimentação societária

CCR em disparada: por que a saída da Andrade Gutierrez do bloco de controle ajuda as ações?

As ações ON da CCR lideram os ganhos no Ibovespa após a Andrade Gutierrez receber proposta para a venda de sua fatia na companhia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies