Menu
2020-06-01T08:51:47-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Ano turbulento

Embraer tem prejuízo de R$ 1,276 bilhão no 1º trimestre e vê sua receita encolher quase 8%

A Embraer reportou um prejuízo bilionário no primeiro trimestre deste ano, impactada por um aumento nas despesas. A receita e o desempenho operacional pioraram, pintando um quadro desfavorável para a companhia brasileira

1 de junho de 2020
7:37 - atualizado às 8:51
Embraer
Imagem: Shutterstock

O ano de 2020 tem sido duro para a Embraer: na bolsa, suas ações amargam baixa de mais de 60% do começo de janeiro para cá, impactadas pelo surto de coronavírus; no lado corporativo, o tão celebrado acordo com a Boeing ruiu aos 45 do segundo tempo; e, no lado financeiro, a empresa reportou há pouco uma perda bilionária no primeiro trimestre.

A fabricante de aeronaves teve um prejuízo líquido de R$ 1,276 bilhão nos primeiros três meses deste ano — uma cifra muito maior que a registrada há um ano, quando as perdas foram de R$ 155,9 milhões.

Mesmo em termos ajustados, a Embraer teve um prejuízo bastante significativo: excluindo-se o Imposto de Renda e contribuição social diferidos e outros itens especiais — como os relacionados à Covid-19 —, as perdas da companhia aumentaram 88,6% na base anual, para R$ 433,6 milhões.

Em termos de receita líquida, a situação não foi muito mais animadora: a Embraer fechou o primeiro trimestre com R$ 2,874 bilhões, cifra 7,91% menor que a registrada nos três primeiros meses de 2019. O resultado operacional (Ebit) ficou negativo em R$ 209,1 milhões — há um ano, estava negativo em R$ 53,7 milhões.

O Ebitda — isto é, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — chegou a R$ 47,6 milhões, recuando 60,4 milhões na mesma base de comparação. Com isso, as margens da Embraer pioraram bastante em um ano: a margem Ebit, agora, está negativa em 7,3%, enquanto a margem Ebitda caiu de 3,9% para 1,7%.

Entendendo os números

Por que a Embraer teve um desempenho tão fraco no trimestre? Bem, em primeiro lugar, é preciso entender exatamente o que influenciou a empresa nos primeiros três meses do ano.

A começar pela receita: a aviação comercial — exatamente o segmento que era alvo da parceira com a Boeing — teve uma queda expressiva de participação: agora os setores de defesa e de serviços são mais importantes, em termos de vendas líquidas.

Indo aos números: as receitas no setor de aviação comercial somaram R$ 637,1 milhões no primeiro trimestre, uma queda de 40,2% na base anual — a aviação executiva teve receita de R$ 587,6 milhões (+30,7% em um ano) e o segmento de defesa e segurança respondeu por R$ 676,4 milhões (-0,5%). A linha de serviços e suporte totalizou R$ 966,6 milhões (+5%).

Boa parte desse efeito negativo sentido pela aviação comercial se deve ao menor número de entregas: apenas cinco aviões — no quarto trimestre de 2019, foram 35 aeronaves; no primeiro trimestre do ano passado, foram 11.

Além disso, chama a atenção o mix particularmente fraco visto entre janeiro e março de 2020: dos cinco aviões entregues, três são do tipo Embraer 175 — um modelo mais antigo e de menor valor. Os outros dois foram da geração E2, mais moderna e valiosa.

Malabarismo

A Embraer também fez alguma ginástica na maneira como lança seus despesas: a linha dos custos dos produtos vendidos e serviços prestados, por exemplo, caiu 18,4% em um ano, para R$ 2,039 bilhões — uma redução mais expressiva que a da receita líquida.

Assim, o lucro bruto da companhia chegou a R$ 835,4 milhões, alta de 34,3% na base anual — o que, consequentemente, provocou um avanço na margem bruta, que passou de 19,9% para 29,1%. Ótimo, não?

Bem, é preciso ter um pouco de calma antes de comemorar esse dado. A Embraer colocou boa parte de seus funcionários em licença remunerada em janeiro, num processo relacionado à segregação do negócio de aviação comercial. Em março, houve uma nova parada, desta vez por causadas paralisações das atividades em função da Covid-19.

Só que essas licenças remuneradas, obviamente, implicam em custos para a companhia. E tais custos foram lançados apenas mais para frente no balanço, na parte de despesas operacionais — e, assim, não impactaram a margem bruta.

Um segundo impacto bastante expressivo para os resultados da Embraer diz respeito aos custos com Imposto de Renda e contribuição social, que totalizou R$ 784,4 milhões no primeiro trimestre deste ano — nos primeiros três meses de 2019, o IR representou um ganho de R$ 18,9 milhões. A companhia, no entanto, não dá grandes detalhes a respeito da dinâmica por trás desse crescimento tão intenso nessa linha.

Ex-amigos

A respeito do término com a Boeing, a companhia brasileira voltou a afirmar que os americanos "rescindiram indevidamente" o acordo firmado entre as partes, alegando um suposto não atendimento de condições prévias para a conclusão da parceria por parte da Embraer.

Em uma curta mensagem aos acionistas, a fabricante nacional diz apenas ter cumprido integralmente com todas as suas obrigações contratuais, citando ainda o acionamento de procedimentos de arbitragem internacional caso julgue necessário:

"[A companhia] está buscando todas as medidas cabíveis contra a Boeing como reparação dos danos sofridos pela Embraer em razão da rescisão indevida e das violações do MTA e do Contrato de Contribuição"

Queima de caixa

Em termos de endividamento, a Embraer fechou o mês de março com R$ 6,923 bilhões de dívida líquida, cifra 180% maior que os R$ 2,468 bilhões registrados ao fim de 2019. Boa parte desse salto se deve à gestão de caixa: nos primeiros três meses desse ano, a empresa usou R$ 2,898 bilhões; no quarto trimestre de 2019, houve geração de R$ 3,042 bilhões.

De certa forma, é um efeito esperado: os primeiros três meses do ano costumam ser sazonalmente mais fracos para a Embraer, enquanto os três últimos sempre são mais fortes. Apesar disso, a companhia ainda possui uma posição elevada de caixa e equivalentes: ao todo, são R$ 12,447 bilhões.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Novo nome no MEC

Bolsonaro anuncia pastor Milton Ribeiro como novo ministro da Educação

Decreto presidencial nomeou professor para o cargo nesta sexta-feira

Investimento para o cliente

Corretora Warren recebe aporte de R$ 120 milhões para investimento em plataformas digitais

Fintech visa multiplicar por cinco patrimônio sob gestão até o fim de 2021 e aumentar alcance da marca: ‘Nossa meta é seguir investindo em tecnologia’

Chegou lá

E o Ibovespa, quem diria, voltou aos 100 mil pontos. O que isso significa?

Depois de mais de quatro meses, o Ibovespa finalmente reconquistou o patamar dos três dígitos. Algumas boas notícias da economia doméstica ajudam a explicar o otimismo na semana, mas há mais fatores que influenciaram esse movimento

Crise se afastando?

Barômetros globais sinalizam retomada gradual da economia mundial, diz FGV

Melhoras ainda estão condicionadas a um ‘grau elevado’ de incerteza diante da pandemia, pondera pesquisador

desconfiança justa?

Amazon pede que funcionários excluam TikTok por questões de ‘segurança’

Segundo uma captura de tela obtida pelo The New York Times, a empresa de e-commerce enviou um e-mail solicitando a exclusão do app

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements