Menu
2020-09-09T12:07:08-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
setor em expansão

Após ‘pacotão’ de aquisições, Credit Suisse vê potencial de alta para Hapvida e Notre Dame Intermédica

O banco vê potencial de alta para as ações das duas companhias, mas a geração de valor resultante das aquisições é vista com cautela

9 de setembro de 2020
11:54 - atualizado às 12:07
hapvida e intermedica

As empresas do setor de saúde - liderados pela Hapvida (HAPV3) e pelo Grupo Notre Dame Intermédica (GNDI3) - têm mantido o noticiário de fusões e aquisições aquecido nos últimos meses. Focadas na expansão de suas marcas pelo país, as companhias têm investido pesado na estratégia.

No mês passado, a Intermédica anunciou a compra da Medisanitas Brasil, a terceira aquisição da companhia no estado de Minas Gerais, por R$ 1 bilhão. Nesta terça-feira, foi a vez da Hapvida anunciar um 'pacote' bilionário de aquisições, incluindo a compra do Grupo Promed, por R$ 1,5 bilhão, o arrendamento do Hospital Materno Infantil Sinhá Junqueira, em Ribeirão Preto, e a aquisição da carteira de clientes da Samedh.

Esses são apenas alguns dos negócios fechados nos últimos meses. Baseado nas aquisições recentes, o Credit Suisse decidiu elevar o preço-alvo dos papéis das companhias.

Em relatório assinado pelo analista Mauricio Cepeda, o banco informou que mantém a sua indicação de compra (outperform) para as ações da Hapvida, elevando o preço-alvo de R$ 72 para R$ 76 - 12% acima da cotação do fechamento de ontem. Já no caso do Grupo Intermédica, a recomendação se manteve 'neutra', mas o preço-alvo passou de R$ 71 para R$ 76 - 2,3% acima do fechamento da quarta-feira.

Segundo o analista, as duas empresas estão aliando sua expansão orgânica pelo território com a estratégia de aquisições de pequenos concorrentes com potencial regional. Para o banco, essas aquisições estão sendo feitas a um preço atrativo levando em conta os múltiplos pagos pelas empresas e os de negociação na bolsa - de 14 a 22 vezes o valor da empresa/Ebitda para a Hapvida e de 14 a 22 vezes para o Grupo Intermédica.

No entanto, além dos ativos fixos, essas aquisições também geram um acumulado de ativos inatingivéis, onde não é possível aplicar uma amortização, com uma redução só sendo possível através da aplicação de testes de impairment. Para Cepeda, a velocidade de geração de caixa operacional tem sido menor do que o de ativos inatingíveis. "Esse comportamento altera o potencial de geração de valor ao longo do tempo, pressionando o crescimento futuro".

Para Cepeda, as aquisições recentes são atrativas no longo prazo, mas o potencial de geração de valor é visto com cautela, já que ainda existe um período de transição em que a geração de valor está ameaçado.

Bandeira amarela

O documento ressalta também que existem diferenças entre as aquisições feitas pelas duas empresas já que a agregação de valor só ocorre com a adição de hospitais estruturados, um tíquete médio maior e o crescimento da carteira de clientes. Caso um hospital, por exemplo, tenha um número de leitos reduzidos, a empresa terá que desembolsar mais capital.

Para Cepede, as aquisições recentes feitas pela Intermédica incluem ativos com uma estrutura hospitalar limitada. Além disso, a companhia também adquiriu carteiras com tíquetes médios menores e com forte predominância de planos individuais, ao contrário da Hapvida.

Mesmo com a elevação do preço-alvo, o Credit Suisse vê a estrutura das aquisições recentes da Intermédica com cautela, colocando uma 'bandeira amarela' na tese de investimentos da companhia.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

seu dinheiro na sua noite

B3 Fashion Week

A semana de moda da bolsa brasileira está pegando fogo! Flashes por todos os lados, comentários entusiasmados, queixos caídos a cada novo desfile. As grandes marcas não pouparam esforços para a coleção outono/inverno — e, como era de se esperar, um intenso burburinho toma conta dos bastidores. Essa sexta-feira foi particularmente animada, com a Renner […]

Moradia classe A

Pandemia, juros baixos e dólar caro: combo impulsiona o mercado de imóveis de luxo

Uma combinação que prejudicou boa parte das empresas brasileiras acabou beneficiando o segmento imobiliário de alto padrão

fechamento da semana

Brasília impede Ibovespa de decolar, mas saldo da semana ainda é positivo; dólar vai a R$ 5,58

No Brasil, o que garantiu um bom desempenho do Ibovespa foi a alta das commodities e a recuperação econômica de Estados Unidos e China.

em encontro com investidores

Arthur Lira sinaliza que Orçamento será resolvido ‘sem rupturas’

Presidente da Câmara mencionou ainda o posterior encaminhamento da reforma administrativa e ainda o início das discussões sobre a privatização da Eletrobras

Conheça as novatas

A hora da biotecnologia: empresas do setor disparam até 78% após IPOs na Nasdaq

Três estreantes do segmento atraíram a atenção dos investidores e chegaram com tudo à bolsa norte-americana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies