Menu
2020-03-12T13:15:01-03:00
Estadão Conteúdo
Futuro nebuloso

Indústria inicia ano com melhora, mas coronavírus dificulta previsões, diz CNI

Números não podem mais ser considerados tendência diante da volatilidade que toma conta dos mercados, em razão da pandemia do novo coronavírus

12 de março de 2020
13:14 - atualizado às 13:15
Trabalhador da indústria
Trabalhador da indústria - Imagem: Shutterstock

Os indicadores industriais de janeiro apontavam melhora da atividade, após dois meses de resultados majoritariamente negativos. Segundo Indicadores Industriais da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgados nesta quinta-feira, 12, no primeiro mês do ano, todos os índices que medem a atividade registraram recuperação, com destaque para a elevação do faturamento real em 1,5%.

Os números, no entanto, não podem mais ser considerados uma tendência diante da volatilidade que toma conta dos mercados internacionais, provocada principalmente pela pandemia do novo coronavírus.

O economista da CNI Marcelo Azevedo afirmou ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) que ainda é prematuro para fazer novas previsões e que não dá para apontar a intensidade e duração do impacto da pandemia na atividade.

"Não é só o efeito do coronavírus, mas tudo o que está sendo feito em todos os países para lidar com o problema. Esses efeitos vão se somando e não só na indústria", afirmou Azevedo, lembrando ainda da queda do preço do petróleo no mercado internacional e da medida anunciada na quarta-feira pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de restrição dos voos da Europa para aquele país. Segundo ele, ainda é difícil mensurar esses efeitos na produção e a CNI está monitorando e analisando os números para rever suas projeções.

No final do ano passado, a entidade havia projetado uma alta para o PIB industrial de 2,8% neste ano e de 2,5% para o PIB brasileiro. Azevedo disse que essa expectativa deve ser revista, mas que a CNI ainda monitora para ver qual o melhor momento para atualizar os números. No ano passado, segundo os números divulgados pelo IBGE, o PIB industrial cresceu apenas 0,5%.

Os Indicadores Industriais apontam que as horas trabalhadas na produção cresceram 1% em janeiro frente a dezembro de 2019, já considerando a correção sazonal e a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) atingiu 78%, uma alta de 0,4 ponto porcentual na comparação com o último mês do ano passado.

Os demais indicadores, emprego, massa salarial e rendimento médio real, registraram crescimentos mais modestos. O faturamento de janeiro também foi 3,2% superior ao registrado no mesmo mês de 2019.

"Todo esse movimento acontece numa hora delicada para a indústria, que vinha numa trajetória de recuperação. Janeiro talvez pudesse colocar a indústria num novo patamar. Estávamos nos aproximando de um momento em que se esperava recuperação do emprego e investimento no setor", disse Azevedo, ponderando que o momento agora é de acompanhar os efeitos da crise para poder avaliar melhor se essa trajetória será adiada ou não.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Tombo grande

Elon Musk perde US$ 27 bilhões em uma semana após tombo da Tesla

Mesmo com o tompo gigantesco, Musk segue como segundo homem mais rico do mundo, atrás apenas de Jeff Bezos, o fundador da Amazon

Expansão

3R Petroleum fecha parceria com DBO para aquisições de campos offshore

Com a parceria, a DBO se tornará acionista minoritária da OP, que seguirá sob controle da 3R

Boletim médico

Covid-19: mortes ultrapassam 264 mil e casos chegam a quase 11 milhões

Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite deste sábado (6)

ESTRADA DO FUTURO

A mentira envolvendo o Clubhouse e o Tinder que rendeu 400% de valorização

Os mercados estão longe de serem perfeitos, e hoje vou te contar uma história real que envolve duas das empresas mais quentes no setor de mídias sociais: o “Clubhouse” e o “Tinder”.

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies