Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-14T14:38:39-03:00
Estadão Conteúdo
paradona

Faturamento cresce 0,3% em junho, mas indústria fecha semestre estagnada, diz CNI

De acordo com a pesquisa, o emprego ficou estável e os outros indicadores tiveram queda. A utilização da capacidade instalada caiu 0,7 ponto porcentual na comparação com maio, atingindo 77,2% em junho.

1 de agosto de 2019
15:28 - atualizado às 14:38
indústria-brasileira
Indústria brasileira - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

O faturamento da indústria teve alta de 0,3% em junho na comparação com maio na série após ajustes sazonais. O dado consta da pesquisa Indicadores Industriais, divulgada nesta quinta-feira, 1º de agosto, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O faturamento real foi o único dos índices da pesquisa que registrou alta em junho na comparação com o mês anterior.

De acordo com a pesquisa, o emprego ficou estável e os outros indicadores tiveram queda. A utilização da capacidade instalada caiu 0,7 ponto porcentual na comparação com maio, atingindo 77,2% em junho.

O indicador das horas trabalhadas na produção também registrou queda de 0,1% em junho frente ao mês anterior. Esse é o segundo recuo consecutivo. A massa salarial dos trabalhadores da indústria teve recuo de 0,7% no mesmo período de comparação.

Semestre

A pesquisa mostra ainda que todos os indicadores, quando dessazonalizados, terminaram o primeiro semestre do ano abaixo do registrado em dezembro do ano passado. Nessa comparação, o faturamento da indústria teve queda de 5%; horas trabalhadas, 0,5%; o emprego, 0,3%; massa salarial, 3,9%; e o rendimento médico, 2,1%. A Utilização da Capacidade Instalada apresenta recuo de 0,1 ponto porcentual no semestre.

"A indústria encerra o semestre sem avanços em termos de atividade e emprego. Fica evidente que, além das medidas estruturantes, de longo prazo, necessárias para um novo ciclo de crescimento, também são urgentes e críticas medidas de curto prazo para estimular a economia", afirma o economista da CNI Marcelo Azevedo, em nota divulgada pela entidade.

Segundo ele, a redução de 0,5 ponto porcentual na taxa Selic foi um primeiro passo nesse sentido, mas o economista afirma haver espaço para novas quedas. "Medidas que facilitem e reduzam o custo do financiamento também seriam muito importantes", afirma.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

seu dinheiro na sua noite

Quebrando recordes na corrida dos ETFs

A pira foi acesa em Tóquio: os Jogos Olímpicos estão oficialmente abertos — e eu estou empolgadíssimo. Não sei vocês, mas eu adoro as Olimpíadas, principalmente os esportes não muito convencionais. Claro, é legal assistir futebol, vôlei e basquete, mas eu gosto mesmo é de ver as modalidades que nunca passam na TV. Duelo de […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação salgada pressiona juros, mas dados americanos amenizam alta do dólar — já a bolsa não escapou da queda

Em semana recheada de ruídos políticos e incertezas, o Ibovespa acumulou uma queda de 0,72%. Já o dólar à vista subiu 1,86%, a R$ 5,2105

de olho no ir

Alta da arrecadação não dá ‘total liberdade’ para reduzir impostos, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt considerou também que a reforma do IR ainda está em aberto, com muito para se discutir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies