Menu
2020-06-26T22:54:26-03:00
crise em foco

CNI: Indústria da construção teve nova queda em maio, mas menos intensa

De acordo com a pesquisa, os empresários continuam pessimistas, mas pouco a pouco vão aumentando a confiança

23 de junho de 2020
12:13 - atualizado às 22:54
Operários em obra de construção civil
Imagem: shutterstock

A crise gerada pela pandemia do novo coronavírus segue afetando de maneira grave a indústria da construção, mas o pior momento pode ter ficado para trás. É o que aponta Sondagem Indústria da Construção divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta terça-feira.

O estudo mostra que o nível de atividade e o de emprego do setor registraram nova queda em maio. No entanto, a retração nos dois indicadores foi menos intensa do que as de abril e março. A utilização da capacidade operacional também recuperou parte do declínio acumulado nos dois meses anteriores.

Os índices de atividade e de emprego permanecem em baixa como indicam os dados abaixo dos 50 pontos da linha divisória do estudo. "O indicador de evolução do nível de atividade chegou a 37,1 pontos em maio, após aumento de 7,7 pontos em relação ao mês anterior.

O crescimento do indicador - que ainda se situa abaixo dos 50 pontos - significa uma queda menos disseminada entre as empresas. Já o índice de evolução do número de empregados registrou 37,5 pontos no mês, tendo crescido 2,8 pontos na mesma base comparação", diz o estudo.

Segundo a Sondagem, a ociosidade da construção segue elevada. A Utilização da Capacidade Operacional (UCO) atingiu 53% no mês de maio, um aumento de 3 pontos porcentuais frente a abril.

"Isto significa que pouco mais da metade da capacidade operacional da indústria da construção se encontra mobilizada. Mesmo com a ligeira melhora, o índice ainda se encontra em um baixo patamar, reflexo dos efeitos da queda de atividade", registra o levantamento. "O porcentual é 9 pontos percentuais inferior à média histórica".

"Ainda que a crise continue presente, seu pior momento foi em abril. Já há sinais de melhora em maio, como o aumento da utilização da capacidade operacional do setor", diz o gerente executivo de Economia, Renato da Fonseca.

De acordo com a pesquisa, os empresários continuam pessimistas, mas pouco a pouco vão aumentando a confiança. O índice que mede a confiança do setor alcançou 42,6 pontos nesta edição, um aumento de 5 pontos em relação ao estudo passado. Antes, o indicador já havia crescido 2,8 pontos em frente ao mês anterior. "Ainda assim, o índice permanece relativamente distante da linha divisória, o que aponta para uma falta de confiança da parte dos empresários do setor".

Os empresários seguem projetando queda da atividade, novos empreendimentos e serviços, compras de matérias-primas e número de empregados nos próximos seis meses. Além disso, a intenção de investir permanece baixa.

"Os índices de expectativas apresentaram nova melhora no mês, a segunda seguida, após a forte queda ocorrida em abril. Ainda assim, seguem abaixo da linha divisória, o que denota expectativas negativas (ou seja, perspectivas de queda de atividade, do emprego, de compras de insumos e matérias-primas e de novos serviços e empreendimentos). Em junho, os índices se encontram a 6,0 pontos da linha divisória, em média. Em abril, essa distância era, em média, de 18,8 pontos", cita o estudo.

A Sondagem Indústria da Construção consultou 433 empresas, das quais 154 de pequeno porte, 193 de médio porte e 86 de grande porte. As entrevistas foram realizadas no período de 1º a 10 de junho.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Decisão cautelar

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites que exerçam atividades ilegais

Indícios de irregularidades na veiculação de propagandas do governo federal levaram o TCU a tomar a decisão cautelar, concedida pelo ministro Vital do Rêgo

PGR

Aras recomenda a Guedes mais transparência em gastos no combate à pandemia

A pedido de procuradores do MPF-PE, o procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou recomendações para Guedes dar transparência aos gastos federais

Setor em destaque

Estatais de saneamento querem flexibilizar regras para contratar empréstimos

Com regras mais fáceis para a entrada do setor privado, as estatais de saneamento querem que a concessão de empréstimos ao segmento seja menos rigorosa

Preocupação ambiental

Para empresários, discurso do governo sobre desmatamento mudou

Após reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, empresários parecem satisfeitos quanto aos compromissos firmados pelo governo a respeito do desmatamento

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: O canto da sereia

Uma matéria alertando para os riscos do day trade foi a mais lida desta semana no Seu Dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements