Menu
2020-12-30T12:05:31-03:00
Estadão Conteúdo
INFLUÊNCIA DA VACINAÇÃO

Indicador de incerteza cai 3,5 pontos em dezembro ante novembro, diz FGV

Segundo a FGV, o recuo pode ter sido “influenciado pelo início da vacinação em vários países e do aumento das expectativas, ainda que modestas, sobre a possibilidade de uma recuperação econômica e social nos próximos meses”.

30 de dezembro de 2020
12:05
vacina covid-19
Imagem: Shutterstock

O Indicador de Incerteza da Economia Brasileira (IIE-Br) caiu 3,5 pontos na passagem de novembro para dezembro, para 142,3 pontos, informou nesta quarta-feira, 30, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Mesmo com a queda, o indicador está 27,2 pontos acima do nível de fevereiro passado, último mês antes da pandemia de covid-19 se abater sobre o mundo.

Segundo a FGV, o recuo pode ter sido "influenciado pelo início da vacinação em vários países e do aumento das expectativas, ainda que modestas, sobre a possibilidade de uma recuperação econômica e social nos próximos meses".

"O IIE-Br termina o ano de 2020 em patamar superior a 140 pontos, nível ainda bastante desfavorável, que reflete as incertezas em torno da piora sanitária no Brasil e o conturbado cenário da vacinação no país, até então. No curto prazo, não há sinalização de que o nível de incerteza retorne a patamares mais satisfatórios, devido aos enormes desafios que o Brasil ainda precisará enfrentar nos mais variados temas", diz a nota divulgada pela FGV.

Conforme a série histórica do IIE-Br, mesmo com a queda de dezembro, o indicador está apenas 5,5 pontos acima do nível máximo anterior à pandemia - quando registrou o recorde -, alcançado em setembro de 2015.

O IIE-Br é formado por dois componentes: o IIE-Br Mídia, que faz o mapeamento nos principais jornais da frequência de notícias com menção à incerteza; e o IIE-Br Expectativa, que é construído a partir das dispersões das previsões para a taxa de câmbio e para o IPCA. Já o componente de Expectativas despencou 15,8 pontos para 176,2 pontos e foi o que mais contribuiu para a queda no indicador agregado (3,3 pontos).

"Ambos os componentes não devolvem as altas dos piores momentos da pandemia. O componente de Mídia termina 2020, devolvendo 80% das altas do bimestre de março e abril, enquanto o componente de Expectativas devolve apenas 48% das altas entre março e maio e está a quase 60 pontos acima do período pré-pandemia (fevereiro de 2020)", diz a nota da FGV.

A coleta do Indicador de IIE-Br é realizada entre o dia 26 do mês anterior ao dia 25 do mês de referência.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Aceno a Biden

Na Cúpula do Clima, Bolsonaro promete zerar emissões de gases de efeito estufa até 2050

No encontro, organizado por Joe Biden, o presidente do Brasil também se comprometeu a zerar o desmatamento ilegal até 2030

Nem o agro se salva

Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) engrossa a lista de IPOs adiados em 2021

A empresa, que já havia interrompido a oferta por alguns dias em janeiro, citou a “deterioração” do mercado em seu segundo adiamento

perspectivas

Temporada de balanços 1º tri: quem deve ir bem e quem ainda está mal, segundo o BofA

Empresas começam a divulgar resultados de um período marcado por lockdowns e alta dos preços das commodities; veja o que esperar

vale o que pesa?

Oi perdeu atratividade após vender fibra ótica? BTG Pactual diz que não

Para analistas, que trabalham dentro do grupo que fez a oferta pelos ativos, as ações possuem bom potencial de alta em qualquer cenário

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies