Menu
2020-02-22T12:26:44-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
China em foco

BC da China considera mais medidas para aliviar o impacto do coronavírus na economia

22 de fevereiro de 2020
12:26
Coronavírus
Em meio à percepção de que o surto de coronavírus poderá provocar uma desaceleração na atividade da China, o banco central do país estuda possíveis iniciativas para estimular a economia localImagem: Shutterstock

A China considera medidas adicionais de flexibilização de políticas para ajudar a aliviar o impacto do novo coronavírus em sua economia, incluindo um ajuste das taxas de depósito de referência, disse Liu Guoqiang, vice-presidente do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês).

A China planeja liberar mais liquidez para o sistema financeiro, seguindo seu ajuste anual dos critérios que permitiriam mais bancos se qualificarem para taxas mais baixas de compulsório bancário, a parte dos depósitos que os bancos precisam reservar como reservas, afirmou Guoqiang em documento publicado no site do banco central neste sábado.

As taxas de depósito de referência também serão ajustadas em um momento apropriado, dependendo dos fundamentos econômicos da China, como crescimento econômico e inflação, disse o vice-presidente.

O banco central cortou pela última vez as taxas de depósito de referência no final de 2015. Ele se baseou em uma nova taxa de empréstimos de referência, renovada no ano passado, para reduzir os custos de financiamento para as empresas.

A nova epidemia de coronavírus pode causar algumas interrupções nos níveis de preços, que exigem muita atenção do banco central, disse a autoridade. No geral, demanda e oferta permanecem estáveis e não há base para inflação ou deflação a longo prazo, disse ele.

Segundo Guoqiang, as autoridades não recorrerão a estímulos "semelhantes a inundações", embora pretendam evitar uma contração no crédito, pois isso seria agravado pela desaceleração econômica da China.

De acordo com autoridades chinesas, os choques da epidemia devem durar pouco, mas os economistas dizem que os danos à economia podem ser muito mais amplos e mais profundos do que os causados pela epidemia respiratória aguda grave (SARS), há quase 20 anos.

Tentativas

Nesta semana, o PBoC já reduziu a taxa de empréstimos de um ano, de 4,15% em janeiro para 4,05% em fevereiro. O movimento já era esperado por analistas e é considerado uma reação da autoridade monetária chinesa aos efeitos econômicos da crise do coronavírus.

A China também baixou a sua taxa de empréstimos de cinco anos, de 4,80% em janeiro para 4,75% em fevereiro, consolidando cortes de juros em taxas tanto de curto quanto de longo prazo.

As autoridades chinesas também prometeram oferecer mais assistência tecnológica, legal e financeira para ajudar as empresas do país a retomar as operações, em meio à epidemia da doença.

Os dados mais atualizados já dão conta de mais de 2,3 mil mortos e quase 78 mil contaminados pelo coronavírus no mundo. A maior parte dos óbitos foi registrada na China continental, mas também há falecimentos confirmados no Japão, Irã, França, Itália, Coreia do Sul, Flilipinas e Taiwan.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O varejo ferve

Renner mira compra da Dafiti com recursos da oferta de ações

Varejista anunciou captação de até R$ 6,5 bilhões na bolsa e pode usar os recursos para fazer uma proposta pelo e-commerce de moda

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Mercado de capitais

FGTS embolsa quase R$ 900 milhões com venda de ações da Alupar em oferta

O fundo que reúne o dinheiro dos trabalhadores com carteira assinada tinha uma participação de 12% no capital do grupo de geração e transmissão de energia

O melhor do Seu Dinheiro

Tiradentes e as bolhas financeiras, o balanço da Netflix e outros destaques do dia

Joaquim José da Silva Xavier percebeu que alguma coisa estava fora da ordem ali pelos idos de 1789. A extração de ouro estava em franco declínio, mas a Coroa portuguesa não parava de exigir o quinto sobre tudo o que saía das Minas Gerais. Mais ou menos na mesma época, ideias surgidas na Europa que pregavam […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies