Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-25T22:07:35-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
de olho na política monetária

China reduz taxa de juros de empréstimos, em reação ao coronavírus

Redução de empréstimos de um ano foi de 4,15% em janeiro para 4,05% em fevereiro

20 de fevereiro de 2020
7:15 - atualizado às 22:07
china juros
Imagem: Shutterstock

O Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) anunciou nesta quinta-feira (20) (pelo horário local), a redução da taxa de empréstimos de um ano de 4,15% em janeiro para 4,05% em fevereiro.

O movimento já era esperado por analistas e é considerado uma reação da autoridade monetária chinesa aos efeitos econômicos da crise do coronavírus.

A China também baixou a sua taxa de empréstimos de cinco anos, de 4,80% em janeiro para 4,75% em fevereiro, consolidando cortes de juros em taxas tanto de curto quanto de longo prazo.

Autoridades chinesas planejam aumentar o apoio de crédito a empresas afetadas pela epidemia do coronavírus, disse o banco central em um relatório trimestral de formulação de políticas divulgado nesta quarta-feira.

Em janeiro

Os bancos da China liberaram um valor recorde de novos empréstimos em janeiro, em linha com a promessa do governo de ajudar empresas em dificuldades em meio à epidemia de coronavírus.

Dados do PBoC mostraram hoje que os bancos do país concederam 3,34 trilhões de yuans (US$ 477,3 bilhões) em empréstimos no mês passado, cifra que superou o recorde anterior de 3,23 trilhões de yuans, estabelecido em janeiro de 2019.

O resultado de janeiro ficou acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam 3,022 trilhões de yuans em novos empréstimos.

O financiamento social total, uma medida mais ampla do crédito na economia chinesa, somou 5,07 trilhões de yuans em janeiro, montante também inédito.

Já a base monetária da China (M2) teve acréscimo anual de 8,4% em janeiro, mas economistas projetavam avanço maior, de 8,7%. Fonte: Dow Jones Newswires.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies