Menu
2020-08-05T18:48:29-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Mínima histórica

Banco Central reduz Selic para 2% ao ano e sinaliza fim do ciclo de cortes de juros

Essa foi a nona (e última?) redução consecutiva no atual ciclo de queda da Selic, que começou em julho do ano passado

5 de agosto de 2020
18:20 - atualizado às 18:48
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC)
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC) - Imagem: Pedro França/Agência Senado

O Banco Central confirmou a expectativa da maior parte do mercado e reduziu a taxa básica de juros (Selic) em 0,25 ponto percentual, para 2% ao ano. O corte renova a mínima histórica dos juros no país.

Essa foi a nona (e última?) redução consecutiva no atual ciclo de queda da Selic, que começou em julho do ano passado. No comunicado que acompanha a decisão, tomada por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) sinalizou o fim dos cortes de juros.

“Devido a questões prudenciais e de estabilidade financeira, o espaço remanescente para utilização da política monetária, se houver, deve ser pequeno”, informou.

O Copom não deixou, contudo, a porta totalmente fechada para novas reduções na Selic. Mas disse que qualquer corte adicional, caso seja feito, ocorrerá com “gradualismo adicional” e dependerá da percepção sobre a trajetória fiscal, assim como de novas informações que alterem a atual avaliação sobre a inflação prospectiva.

No comunicado que acompanha a decisão, o Copom também informa que não antevê reduções no grau de estímulo monetário. Ou seja, não há a expectativa de alta de juros no horizonte.

Mas o BC pode rever essa visão se as expectativas de inflação, assim como as projeções de inflação de seu cenário básico, se aproximarem da meta de inflação para o horizonte relevante de política monetária, que atualmente inclui o ano-calendário de 2021 e, em grau menor, o de 2022.

Com a redução de hoje, a taxa de juros real (descontada a inflação) passa a ser negativa tanto se considerarmos a inflação passada — de 2,13% no acumulado dos últimos 12 meses até junho — como a projetada, que está em 2,97%, de acordo com o último boletim Focus.

A reunião de hoje acabou atrasando para além das 18h, horário em que o BC costuma divulgar o resultado.

Cenário do Copom

BC aponta que a pandemia da covid-19 continua provocando a maior retração econômica global desde a Grande Depressão. “Nesse contexto, apesar de alguns sinais promissores de retomada da atividade nas principais economias e de alguma moderação na volatilidade dos ativos financeiros, o ambiente para as economias emergentes segue desafiador.”

No cenário doméstico, os indicadores recentes sugerem uma recuperação parcial, segundo o Copom, que vê os setores mais diretamente afetados pelo distanciamento social ainda deprimidos, apesar da recomposição da renda gerada pelos programas de governo.

“Prospectivamente, a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual, sobretudo para o período a partir do final deste ano, concomitantemente ao esperado arrefecimento dos efeitos dos auxílios emergenciais.”

Sobre a inflação, o Copom avalia que os indicadores permanecem abaixo dos níveis compatíveis com o cumprimento da meta para a inflação no horizonte relevante para a política monetária.

No cenário com taxa de juros constante a 2,25% ao ano e taxa de câmbio constante a R$ 5,20, as projeções de inflação situam-se em torno de 1,9% para 2020, 3,0% para 2021 e 3,7% para 2022, ainda de acordo com o BC.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Recuperação à vista?

EUA pisam fundo na vacinação e economia responde com ritmo moderado entre fevereiro e abril

Confira os destaques do Livro Bege para o período de imunização acelerada e fortalecimento dos gastos dos consumidores

Crescimento gringo

BofA passa a recomendar compra de ação da MRV, otimista com atuação da empresa nos EUA

Banco incorporou avaliação da AHS à sua análise e considera que potencial de crescimento da empresa ainda não está precificado

Ninguém escapa

Cenário turbulento afeta até mesmo os IPOs da saúde, um dos setores preferidos dos investidores

Empresas com ofertas ambiciosas tiveram de reduzir suas estimativas de preços ou adiar datas para seguir com as operações

Disparada

No embalo do recorde do bitcoin, ações da Coinbase disparam mais de 70% na estreia na Nasdaq

O CEO da empresa, Brian Armstrong, comentou mais cedo sobre a abertura de capital da Coinbase ao portal CNBC

Fura-teto?

Criticado, governo vai rever PEC que livra obras do teto

O texto não caiu bem entre economistas, parlamentares e membros do próprio governo federal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies