Menu
2020-12-15T18:55:00-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
meio ambiente

Acordo de Paris é requisito para pacto Mercosul-UE, diz Comissão Europeia

Desmatamento é um dos entraves para concretização de tratado de livre-comércio envolvendo 25% da economia mundial

15 de dezembro de 2020
13:16 - atualizado às 18:55
Desmatamento desflorestamento
Imagem: Shutterstock

Se o governo brasileiro quiser ver o pacto comercial entre o Mercosul e a União Europeia (UE) ser sacramentado, será preciso dar atenção à questão climática.

Em comunicado após reunião ministerial informal com os representantes do bloco sul-americano, ocorrida na segunda-feira, a Comissão Europeia informou que o respeito ao Acordo de Paris, que estabelece metas para a emissão de carbono e de desenvolvimento sustentável, está entre os requisitos chave para estabelecer a criação de um tratado de livre comércio.

Estiveram reunidos ontem o vice-presidente executivo da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, o Alto Representante da União Europeia Josep Borell, bem como ministros da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, entre eles o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo.

Segundo a declaração, "os dois lados, UE e Mercosul, expressaram a convicção de que a cooperação para estabelecer condições ideais para entrada no acordo irá aumentar o potencial para contribuição nos objetivos compartilhados de desenvolvimento sustentável, observando os princípios e guias para a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável".

"O processo e as ações de aumento no diálogo de políticas públicas devem focar, em particular, nas áreas de preocupação pública do acordo, inclusive no desmatamento", completou o texto.

Tema espinhoso

O Mercosul e a UE assinaram, no ano passado, um acordo para criar uma área de livre comércio entre os dois blocos. Se concretizado, ele vai unir o equivalente a 25% da economia mundial, produzindo um mercado de 780 milhões de pessoas.

No entanto, o tema ambiental tem sido um dos principais entraves para o fechamento do tratado. No momento em que as queimadas na floresta amazônica estavam em seu ponto alto, em agosto, o governo da França anunciou que se opunha ao acordo de livre comércio. A Finlândia, que acumula a presidência rotativa da UE, chegou a pedir o veto à compra de carne bovina brasileira.

Em junho, a maioria dos deputados do parlamento da Holanda aprovou uma moção contra a ratificação do acordo comercial com o Mercosul, citando a questão ambiental.

Não ajuda nada o caso brasileiro o anúncio feito pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na terça-feira passada (8), de que o Brasil vai zerar as emissões de gases do efeito estufa até 2060, dez anos depois do anunciado pela maioria das nações.

As novas propostas preveem ainda que o País pode chegar a 2030 emitindo 400 milhões de toneladas desses gases a mais do que o objetivo original, de acordo com a ONG Observatório do Clima.

* Com informações da Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Mercado aquecido

O minério de ferro virou pedra preciosa — e Vale e siderúrgicas são joias na bolsa

O minério de ferro sobe forte desde 2020 e já vale mais de US$ 200 a tonelada. Um cenário animador para Vale, Gerdau, CSN e Usiminas

Segue na gaveta

Após defender proposta do governo, Guedes afirma não estar surpreso com falta de avanço da reforma administrativa na pandemia

O ministro também criticou a estabilidade após pouco tempo de serviço público, um dos alvos da proposta de reforma do governo

INVESTIMENTOS

ETF de criptomoedas: conheça o HASH11, a oportunidade de comprar bitcoin e outras 5 criptos na bolsa com um clique

Com esse fundo, é possível ter exposição a criptoativos de maneira simples, segura e regulada. Em entrevista ao podcast RadioCash, executivos da gestora brasileira Hashdex explicam quais os riscos e oportunidades do ETF e desse criptomercado, confira:

Na CCJ da Câmara

Reforma administrativa é bastante moderada e foi fruto de muita conversa, diz Guedes

Depois de muito tempo engavetada, a proposta de reforma administrativa foi enviada ao Congresso no começo de setembro do ano passado e não tem impacto na estabilidade e nos salários dos atuais funcionários públicos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies