🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
segredos da bolsa

Início da temporada de balanços e crise política no Brasil devem movimentar Ibovespa esta semana

Também devem ficar no radar a divulgação do Livro Bege e falas dos dirigentes do Fed ao longo dos próximos dias

Renan Sousa
Renan Sousa
12 de julho de 2021
8:02
Corrida de rua bolsa fôlego curto
O fôlego curto da semana começa sem a negociação dos Treasuries nos EUA, e deve movimentar o Ibovespa hoje - Imagem: Shutterstock

É dada a largada em mais uma semana! Após os índices de Nova York renovarem suas máximas históricas na semana passada, as principais bolsas do mundo agora esperam um outro sinal vindo dos Estados Unidos: a temporada de balanços.

A partir de terça-feira (13), os investidores devem conferir os resultados de grandes instituições, como JP Morgan, Bank of America, Goldman Sachs entre outros. Os investidores devem ficar de olho também nas falas dos dirigentes do Federal Reserve ao longo da semana.

Por falar no Banco Central americano, na quarta-feira (14) deve ser divulgado o Livro Bege dos Estados Unidos, que traz perspectivas para a economia do país. A retomada econômica controlada é motivo de preocupação, com as perspectivas de disparada da inflação virando a esquina. 

O Federal Reserve deve esperar maiores dados do emprego para decidir sobre sua política monetária, em especial a taxa de juros. A instituição pretende retomar o ciclo de altas a partir de 2023, mas os planos podem ser frustrados pelo momento de alta dos preços. 

E o Brasil deve sentir todos esses movimentos do exterior, mas o cenário interno pode pesar no Ibovespa e desagradar a bolsa brasileira. Na semana passada, tanto o dólar quanto o índice brasileiro sentiram o peso da crise política, que ganhou um novo capítulo durante o feriado.

Confira o que mais é destaque nesta segunda-feira (12):

Crise política

Durante o feriado que encurtou as negociações na bolsa brasileira, a crise política envolvendo o governo federal ganhou força. O presidente da República, Jair Bolsonaro, voltou a ameaçar as eleições se não houver voto impresso, o que foi rebatido pelo ministro do Supremo Tribunal Eleitoral (STE), Luis Alberto Barroso. 

Ele garantiu que haverá eleições, apesar da fala do presidente. Além disso, a CPI da Covid deve lidar com um cabo de guerra quase literal. Enquanto a Comissão pressiona o presidente, a ala militar se vê insatisfeita com os rumos da CPI e os constantes ataques aos militares que fazem parte da cúpula do governo federal.

A cereja do bolo da crise política fica para os dados do Datafolha divulgados durante o final de semana. Eles apontam que o presidente da República é desacreditado por boa parte do eleitorado brasileiro e é um dos candidatos menos bem vistos para a próxima eleição em 2022.

O principal adversário político de Bolsonaro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, aparece à frente nas pesquisas, com uma margem bem acima da do atual presidente. Lula lidera em todas as simulações de disputa de segundo turno e ganha por 58% a 31% de Bolsonaro.

Problemas com a reforma

Para além da crise política, a reforma tributária também está desagradando as grandes empresas, que aproveitam a fragilidade do governo para pressionar quanto ao novo texto. 

Em reunião ontem com pesos pesados do PIB brasileiro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, acenou em retirar o que os empresários definiram como "maldades" da Receita Federal da proposta apresentada para reformular o Imposto de Renda.

A taxação de lucros e dividendos colocou o ministro na fogueira, junto com grandes empresas e bons pagadores de dividendos. Guedes acenou com a possibilidade de reduzir de 34% para 20% a tributação total que existe hoje sobre o lucro das empresas.

Bolsas pelo mundo

Durante a manhã desta segunda-feira (12), os principais índices asiáticos encerraram o pregão em alta generalizada, após os recordes em Wall Street animarem os negócios na semana passada. Apesar disso, as preocupações com a variante delta do coronavírus seguem pressionando os índices internacionais.

Na contramão, as bolsas da Europa recuam, à espera do início da temporada de balanços dos Estados Unidos. O Velho Continente está em um forte movimento de realização de lucros após as altas registradas na semana passada. 

Por fim, os futuros de Nova York operam de maneira mista antes do início da temporada de balanços. 

Agenda semanal

Segunda-feira (12)

  • Banco Central: Boletim Focus semanal (8h25)
  • Economia: Balança comercial semanal

Terça-feira (13)

  • China: Balança comercial de junho (00h)
  • Estados Unidos: Balanço da PepsiCo (7h), JP Morgan (8h) e Goldman Sachs (8h30)
  • IBGE: Pesquisa mensal de serviços de maio (9h)
  • Estados Unidos: CPI e Núcleo do CPI (9h30)

Quarta-feira (14)

  • Estados Unidos: Balanço da BlackRock e Wells Fargo (antes da abertura)
  • Brasil: Índice IBC-Br de atividade econômica de maio (9h)
  • Estados Unidos: Presidente do Fed, Jerome Powell, apresenta relatório de política monerária (13h)
  • Estados Unidos: Divulgação do Livro Bege (15h)

Quinta-feira (15)

  • Estados Unidos: Balanço do Morgan Stanley (antes da abertura)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio-desemprego (9h30)
  • Estados Unidos: Produção industrial de junho (10h15)
  • Estados Unidos: Presidente dos EUA, Joe Biden, e chanceler da Alemanha, Angela Merkel, realizam reunião na Casa Branca (sem horário)
  • Áustria: Opep divulga relatório mensal sobre mercados de petróleo (sem horário)

Sexta-feira (16)

  • Brasil: IGP- de julho e IPC-S semanal (8h)
  • Estados Unidos: Vendas no varejo de junho (9h30)

Compartilhe

A CULPA É DA INFLAÇÃO?

Brasil perde duas posições em ranking de competitividade, mas pode recuperar terreno com 5 medidas; veja quais

15 de junho de 2022 - 17:13

O Brasil voltou a ficar na zona de rebaixamento do ranking de competitividade mundial; o país ocupa a 59ª posição entre 63 países

FIQUE DE OLHO

Agenda de indicadores: Com o mundo de olho na inflação, ata e discursos de presidentes de sucursais do Fed são os destaques da semana; confira

11 de fevereiro de 2022 - 16:44

Por aqui, o destaque fica por conta do monitor do PIB, que deve dar pistas importantes sobre o desempenho da economia em 2021

FIQUE DE OLHO

Agenda de indicadores: Destaque da semana, inflação pelo IPCA deve apresentar desaceleração — e a política monetária ainda tem pouco a ver com isso; entenda

4 de fevereiro de 2022 - 18:02

Segundo a LCA, o indicador deve fechar o mês em 0,60%, em desaceleração frente os 0,73% de dezembro. Esse alívio, no entanto, reflete a dinâmica dos preços no início do ano — as altas na Selic só farão efeito mais adiante

Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: aumento da tensão em Brasília deve afetar bolsa com payroll no radar

6 de agosto de 2021 - 7:57

E mais: balanços da última quinta feira que devem movimentar o Ibovespa hoje, em meio ao exterior sem direção única

Esquenta dos Mercados

Com exterior positivo, PIB do 1º tri e balança comercial devem dar tom à bolsa

1 de junho de 2021 - 8:03

Além disso, o rali das commodities continua, com o petróleo e o minério de ferro avançando acima dos 2,0%

Mercados hoje

Payroll abaixo do esperado fortalece o Ibovespa e bolsa volta aos 121 mil pontos; dólar tem nova queda firme

7 de maio de 2021 - 10:34

O payroll era o dado mais esperado do dia no exterior. Isso fez as bolsas europeias inverterem o sinal, os futuros do petróleo Brent caírem quase 1,0% e com certeza terá reflexos nos negócios ao longo do dia

no azul

Commodities devem trazer de volta superávit nas contas externas após 14 anos

18 de abril de 2021 - 17:27

Impacto das commodities nas contas externas é cada vez maior porque o peso dos produtos básicos nas exportações brasileiras é crescente

um alívio

Após 12 semanas de alta, economistas mantêm expectativa para inflação em 2021

5 de abril de 2021 - 10:14

Por outro lado, mediana das estimativas para o PIB voltou a cair, enquanto cotação do dólar alcança R$ 5,35, de acordo com Relatório Focus

exportação em alta

Balança comercial tem superávit de US$ 1,482 bilhão em março

1 de abril de 2021 - 16:35

Importação de plataformas de petróleo fez a balança comercial registrar o menor resultado para meses de março em seis anos

impacto na indústria

Brasil deixou de exportar US$ 56,2 bi em dez anos para América do Sul

28 de março de 2021 - 14:20

Participação do país nas importações dos demais países sul-americanos caiu para 10,7% em 2019, segundo CNI

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar