🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Estadão Conteúdo
no azul

Commodities devem trazer de volta superávit nas contas externas após 14 anos

Impacto das commodities nas contas externas é cada vez maior porque o peso dos produtos básicos nas exportações brasileiras é crescente

Estadão Conteúdo
18 de abril de 2021
17:27 - atualizado às 18:28
Plantação de soja no Brasil
Imagem: Shutterstock

Com um novo boom de commodities (produtos básicos, como petróleo, grãos e minério) no mercado internacional, o Brasil deve voltar a fechar as contas externas no azul após 14 anos.

De acordo com o Banco Central, depois de um rombo de US$ 12,5 bilhões no ano passado - já considerado baixo para os padrões brasileiros - a estimativa é de saldo positivo de US$ 2 bilhões em 2021, o primeiro superávit desde 2007.

A conta de transações correntes no balanço de pagamentos engloba todos os negócios do Brasil com o exterior, incluindo o saldo comercial de mercadorias e serviços, as remessas de lucros e dividendos e os juros pagos pelas empresas, além das transferências pessoais.

A última vez em que o resultado ficou no azul foi no boom global das commodities do começo do século, quando o Brasil registrou superávits por cinco anos seguidos a partir de 2003. Até o fim de 2020, o BC previa um novo déficit de US$ 19 bilhões nas contas externas para este ano. Mas, com o aumento nos preços das commodities que o Brasil produz, o BC elevou a projeção de resultado para US$ 21 bilhões, o que resultará em saldo positivo de US$ 2 bilhões.

Com as estimativas para as contas de serviços e de renda primária praticamente estáveis, a grande diferença veio na projeção para a balança comercial, que passou de superávit de US$ 53 bilhões para US$ 70 bilhões. Se o valor se confirmar, será o maior da história para o saldo comercial medido pelo BC. Pelas contas da instituição, somente as exportações devem alcançar US$ 256 bilhões este ano, superando o recorde de US$ 253,185 bilhões de 2011.

"Apesar de terem começado o ano em nível deprimido, espera-se que as exportações aumentem a partir de março, impulsionadas pelo escoamento da boa safra de soja, pelo patamar elevado para preços de commodities e pela recuperação da demanda internacional", destaca o BC no último Relatório Trimestral de Inflação (RTI).

O Ministério da Economia também espera um superávit comercial recorde em 2021, de US$ 89,4 bilhões, crescimento de 75% ante o saldo de US$ 50,9 bilhões no ano passado. Enquanto a pasta considera os valores de todos os contratos de exportações e importações, a métrica do BC inclui apenas os recursos que efetivamente saíram e entraram no País.

Alta

No mercado internacional, os preços das commodities subiram 50% no último ano, conforme o BC. No mercado brasileiro, em reais, os preços tiveram alta de 66% no mesmo período. O impacto das commodities nas contas externas é cada vez maior porque o peso dos produtos básicos nas exportações brasileiras é crescente, passando de 53% do total embarcado em 2019 para 57% no ano passado.

O presidente da Associação do Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, destaca que o crescimento nas vendas desses produtos ocorre muito mais pelo preço do que pela quantidade produzida.

"Há um aumento generalizado nos preços de todos esses produtos que o Brasil já produz em grande volume, como soja, milho, minério e petróleo. Além do aumento na demanda por países que já começaram a sair da crise, há um gargalo de falta de navios e contêineres que ajuda a pressionar os custos", diz Castro.

Para ele, diferentemente do que ocorreu na primeira década deste século, a alta nos preços das commodities não deve continuar por muitos anos: "Ainda estamos no meio da pandemia e não consigo imaginar esse movimento como uma coisa duradoura. Pode até haver alguma expansão na produção de alimentos para atender a uma demanda conjuntural decorrente de auxílios de renda, mas na metalurgia não vejo investimentos para a ampliação da capacidade que não terá demanda no futuro."

Já o economista chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, projeta um ciclo mais extenso de valorização das commodities, pelo menos enquanto durarem os grandes pacotes fiscais lançados pelas principais economias avançadas.

"No meu cenário, o boom das commodities é algo que veio de maneira mais duradoura porque o ambiente é de liquidez (quantidade grande de recursos) e com uma perspectiva longa no tempo. A União Europeia, por exemplo, já anunciou que vai manter seu pacote até 2026", conclui Sanchez.

O economista Bruno Lavieri, da 4E Consultoria, tem visão mais crítica sobre o superávit em conta corrente projetado para 2021. Para ele, apesar do desempenho das commodities, o resultado esperado faz parte de um diagnóstico ruim da economia. "É sinal de um quadro doméstico deteriorado, com câmbio fora do lugar e dificuldades para a população, o que reduz as importações", afirma.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe

A CULPA É DA INFLAÇÃO?

Brasil perde duas posições em ranking de competitividade, mas pode recuperar terreno com 5 medidas; veja quais

15 de junho de 2022 - 17:13

O Brasil voltou a ficar na zona de rebaixamento do ranking de competitividade mundial; o país ocupa a 59ª posição entre 63 países

FIQUE DE OLHO

Agenda de indicadores: Com o mundo de olho na inflação, ata e discursos de presidentes de sucursais do Fed são os destaques da semana; confira

11 de fevereiro de 2022 - 16:44

Por aqui, o destaque fica por conta do monitor do PIB, que deve dar pistas importantes sobre o desempenho da economia em 2021

FIQUE DE OLHO

Agenda de indicadores: Destaque da semana, inflação pelo IPCA deve apresentar desaceleração — e a política monetária ainda tem pouco a ver com isso; entenda

4 de fevereiro de 2022 - 18:02

Segundo a LCA, o indicador deve fechar o mês em 0,60%, em desaceleração frente os 0,73% de dezembro. Esse alívio, no entanto, reflete a dinâmica dos preços no início do ano — as altas na Selic só farão efeito mais adiante

Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: aumento da tensão em Brasília deve afetar bolsa com payroll no radar

6 de agosto de 2021 - 7:57

E mais: balanços da última quinta feira que devem movimentar o Ibovespa hoje, em meio ao exterior sem direção única

segredos da bolsa

Início da temporada de balanços e crise política no Brasil devem movimentar Ibovespa esta semana

12 de julho de 2021 - 8:02

Também devem ficar no radar a divulgação do Livro Bege e falas dos dirigentes do Fed ao longo dos próximos dias

Esquenta dos Mercados

Com exterior positivo, PIB do 1º tri e balança comercial devem dar tom à bolsa

1 de junho de 2021 - 8:03

Além disso, o rali das commodities continua, com o petróleo e o minério de ferro avançando acima dos 2,0%

Mercados hoje

Payroll abaixo do esperado fortalece o Ibovespa e bolsa volta aos 121 mil pontos; dólar tem nova queda firme

7 de maio de 2021 - 10:34

O payroll era o dado mais esperado do dia no exterior. Isso fez as bolsas europeias inverterem o sinal, os futuros do petróleo Brent caírem quase 1,0% e com certeza terá reflexos nos negócios ao longo do dia

um alívio

Após 12 semanas de alta, economistas mantêm expectativa para inflação em 2021

5 de abril de 2021 - 10:14

Por outro lado, mediana das estimativas para o PIB voltou a cair, enquanto cotação do dólar alcança R$ 5,35, de acordo com Relatório Focus

exportação em alta

Balança comercial tem superávit de US$ 1,482 bilhão em março

1 de abril de 2021 - 16:35

Importação de plataformas de petróleo fez a balança comercial registrar o menor resultado para meses de março em seis anos

impacto na indústria

Brasil deixou de exportar US$ 56,2 bi em dez anos para América do Sul

28 de março de 2021 - 14:20

Participação do país nas importações dos demais países sul-americanos caiu para 10,7% em 2019, segundo CNI

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar