Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-11-30T16:52:06-03:00
Estadão Conteúdo
Balanço

Setor público tem superávit primário de R$ 2,953 bilhões

O resultado primário reflete a diferença entre receitas e despesas do setor público, antes do pagamento da dívida pública

30 de novembro de 2020
11:13 - atualizado às 16:52
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real
Imagem ilustrativa - Imagem: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Mesmo sob os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus, o setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou superávit primário de R$ 2,953 bilhões em outubro, informou nesta segunda-feira, 30, o Banco Central. Esse foi o primeiro resultado positivo desde que a covid-19 chegou ao País e obrigou o governo a tomar medidas para tentar conter os efeitos econômicos da doença. Em setembro deste ano, havia sido registrado déficit de R$ 64,559 bilhões.

O resultado primário reflete a diferença entre receitas e despesas do setor público, antes do pagamento da dívida pública. Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

O resultado consolidado positivo veio melhor que a mediana das estimativas de déficit de R$ 3,20 bilhões na pesquisa Projeções Broadcast e ficou dentro do intervalo das previsões (saldo negativo de R$ 58,80 bilhões a superávit de R$ 5,60 bilhões).

Composição

O resultado fiscal de outubro foi composto por um déficit de R$ 3,210 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 5,164 bilhões no mês.

Os Estados registraram um superávit de R$ 5,007 bilhões e os municípios tiveram resultado positivo de R$ 157 milhões. As empresas estatais registraram superávit primário de R$ 998 milhões.

Acumulado do ano

As contas do setor público acumularam um déficit primário de R$ 632,973 bilhões no ano até outubro, o equivalente a 10,58% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central. Este resultado foi consequência do desempenho registrado nos últimos meses, em meio aos efeitos da pandemia do novo coronavírus na economia.

A projeção do Tesouro para o rombo fiscal do setor público consolidado em 2020 é de R$ 856,7 bilhões. O montante equivale a 11,9% do PIB. Para o Governo Central, o déficit estimado é de R$ 844,3 bilhões (11,7% do PIB).

O déficit fiscal no ano até outubro ocorreu na esteira do déficit de R$ 680,211 bilhões do Governo Central (11,37% do PIB). Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 42,284 bilhões (0,71% do PIB) no período. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 40,817 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 1,467 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 4,954 bilhões no período.

12 meses

As contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 661,798 bilhões em 12 meses até outubro, o equivalente a 9,13% do PIB, informou o Banco Central.

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em outubro pode ser atribuído ao rombo de R$ 714,488 bilhões do Governo Central (9,86% do PIB). Já os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 38,051 bilhões (0,53% do PIB) em 12 meses até outubro. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 39,674 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 1,623 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 14,639 bilhões no período.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Aquele 1%

Com juros em alta, esses títulos de renda fixa te pagam 1% ao mês, com baixíssimo risco e pouco esforço

A rentabilidade dos sonhos do brasileiro está de volta aos investimentos conservadores, e CDBs que pagam 1% ao mês ou mais já estão fáceis de encontrar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Alta da Selic, bons números da Weg, IPO do Nubank e dividendos da Gerdau: veja o que marcou o mercado hoje

Há cerca de um mês, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade não mudaria o “plano de voo” a cada novo dado da economia brasileira. Mas, veja só, a realidade obrigou a instituição a recalcular a rota: há pouco, o Copom elevou a Selic em 1,50 ponto percentual, ao […]

Referência em SP

Na corrida do setor de saúde, Rede D’Or (RDOR3) garante fôlego com a compra do Hospital Santa Isabel

O ativo está avaliado em R$ 280 milhões. Porém, conforme explica a empresa, seu endividamento líquido será deduzido na conta final da transação

Ser conservador compensa

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 7,75%

Agora até a poupança ganha da inflação projetada. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom sobre a Selic

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado do Copom a respeito da Selic; a taxa básica de juros foi elevada ao patamar de 7,75% ao ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies