Menu
Richard Camargo
Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)
Richard Camargo
Formado em Economia pela Universidade de São Paulo, Richard trabalhou por 5 anos na área tecnológica até chegar na Empiricus.
Dados da Bolsa por TradingView
2020-08-28T13:39:04-03:00
CONSTRUINDO SEU PATRIMÔNIO

Previdência Privada: é ou não é investimento?

Pode ser tanto um excelente investimento, como um péssimo produto financeiro…

30 de agosto de 2020
5:50 - atualizado às 13:39
aposentadoria idoso previdência
Imagem: Shutterstock

Olá, seja bem-vindo ao nosso papo de domingo sobre Aposentadoria FIRE® (Financial Independence, Retire Early). 

Na semana passada, comecei uma série de colunas que pretendo estender nos próximos dois domingos, sobre produtos financeiros muitas vezes confundidos com investimentos, ou investimentos que são confundidos com produtos financeiros. 

Confuso? 

Já vai ficar claro…

No último domingo falei sobre o Seguro de Vida, um produto financeiro muito bom, mas que não é um investimento.

Hoje, vou explicar tudo o que você precisa saber sobre Previdência Privada, que pode ser tanto um excelente investimento, como um péssimo produto financeiro…

A Previdência da “Firma”

A previdência privada em parceria com o empregador é o contato mais comum que a maioria de nós tem com o produto.

Em geral, um plano de previdência com o empregador vem no modelo de coparticipação. 

Você coloca de 1% a 3% do seu salário na previdência e o empregador dobra o valor que você investiu. 

Muita gente (tipo, muita gente mesmo) me pergunta se esse é um bom investimento. 

Independente da composição do fundo de previdência (pois é isso que são as previdências privadas, fundos de investimento…) a combinação de poderes entre você e o empregador é muito forte!

Ao dobrar seu aporte, seu empregador te concede uma valorização de 100% do capital investido. 

A previdência da firma é um excelente investimento, mas que carrega um GRANDE RISCO. 

Um risco em boa parte fora do seu controle.

Sempre existem condições para acessar a parcela depositada pelo empregador. Essas condições estão geralmente vinculadas à sua permanência na empresa. 

Se você sair num determinado intervalo de tempo (geralmente entre 5 e 10 anos), ou mesmo for demitido, esqueça a parcela do empregador. 

Neste caso, você acessa apenas o seu aporte, que terá sido rentabilizado (ou não) pelos investimentos do fundo de previdência. 

Em geral, a composição desses fundos que chegam ao segmento corporativo são desastrosas, muitas vezes com performances que sequer superam a inflação do período. 

Logo, a única atratividade costuma ser mesmo o depósito do empregador.

Mas e aí, o que fazer então? 

Impossível decidir sem assumir riscos. Se você acredita que ficará na empresa até o período em que poderá acessar os aportes do empregador, tome o risco. 

Do contrário, recorra a uma previdência privada particular. 

A Previdência Privada Independente da “Firma”

Muita gente (novamente, muita gente mesmo) acha que a previdência só existe no âmbito da Firma. 

Nada disso. 

Você pode fazer quantas previdências privadas quiser, através de corretoras, seguradoras, gestoras de recursos…

E aí, o que interessa nessa previdência - e fará dela um investimento bom ou ruim - são dois fatores: 

  1. A estrutura tributária que você escolher;
  2. E  a qualidade da gestão feita pelo fundo de previdência. 

Quanto ao primeiro tópico, são duas decisões a serem tomadas: primeiro, se optamos por um PGBL ou VGBL; depois, se optamos por uma tributação progressiva ou regressiva. 

A resposta para ambas as perguntas varia de caso a caso, mas a regra de bolso é a seguinte: 

Se a sua declaração anual do imposto de renda é simplificada (ou seja, você já recebe uma dedução de 20% da base tributável), então opte pela categoria VGBL

Isso porque as previdências da modalidade PGBL permitem a dedução fiscal em até 12% da sua renda tributável anual. 

Para que o PGBL faça sentido econômico, é preciso que você faça a declaração completa, e que caso não tenha nenhuma outra despesa dedutível fora a previdência, esses 12% devem ser superiores ao teto de R$ 16.754,34 do IRPF (do contrário, faria mais sentido simplesmente uma declaração simplificada).

Quanto à tabela - progressiva ou regressiva - seu horizonte de investimento é quem vai decidir. 

Se você optar pela tabela regressiva, terá um incentivo tributário para permanecer o máximo de tempo possível com a previdência. 

Por exemplo, um aporte será tributado em apenas 10% dos rendimentos para investimentos que durarem mais de 10 anos, porém será tributado em 35% caso o investimento dure menos de 2 anos. 

Em resumo:

  • Se você vai investir para o longo prazo, tabela regressiva. 
  • Se vai investir para o curto prazo, tabela progressiva.

E quanto à gestão? 

O retorno da sua previdência será tão bom quanto o for a capacidade dos gestores que você escolher para gerirem seus investimentos. 

É um trabalho de escolher o melhor fundo, que alia a relação risco e retorno que te deixa mais confortável para o longo prazo. 

Se você for ultraconservador com essa grana, pode escolher uma previdência 100% focada em renda fixa, com um mix de crédito público e privado. 

Se estiver disposto a buscar bons retornos, pode escolher um previdência em formato de fundo multimercados, ou um fundo de fundos (os famosos FoFs) que aliem diferentes estratégias. 

Se você for um investidor super arrojado, pode encarar uma previdência com 100% de alocação em ações (importante: fundos de ações para previdência são restritos a investidores qualificados, uma amarra regulatória).

Todos esses casos são possíveis, mas você estará sempre sentado no lugar do carona, nunca ao volante ditando o caminho da sua própria aposentadoria. 

E se eu quiser buscar a aposentadoria por conta própria?

Aí você terá a opção de misturar tudo que eu disse acima, da maneira que melhor lhe convir. 

Eu costumo segmentar os projetos de aposentadoria em três “caixinhas”:

  1. Construção de Patrimônio
  2. Geração de Renda
  3. Proteção de Patrimônio

Necessariamente, a equação do seu patrimônio pessoal versus o seu projeto de aposentadoria se enquadra em alguma dessas três estratégias gerais. 

Seja qual for o seu objetivo, eu, o Rodolfo Amstalden e a Maria Clara trazemos recomendações de investimento sob medida para o seu perfil em nosso Empiricus FIRE®.

De startups de tecnologia com alto potencial de valorização aos casos mais coxinhas e seguros com potencial de geração de renda recorrente. 

O Empiricus FIRE® nasceu para te ajudar a tomar as rédeas do seu projeto de aposentadoria, e decidir por conta própria a melhor hora de pisar no acelerador e a melhor hora de parar para um cafézinho. 

Se você tiver interesse, veja aqui mais informações sobre como construir sua Aposentadoria em Dobro sozinho.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

NA DÚVIDA, ADIA

No restabelecimento da presença obrigatória em Brasília, governo fica sem quorum e retira PEC dos Precatórios

Nova tentativa de votação é esperada para hoje, mas o temor de que não haja deputados em quantidade suficiente para a aprovação persiste

Aquele 1%

Com juros em alta, esses títulos de renda fixa te pagam 1% ao mês, com baixíssimo risco e pouco esforço

A rentabilidade dos sonhos do brasileiro está de volta aos investimentos conservadores, e CDBs que pagam 1% ao mês ou mais já estão fáceis de encontrar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Alta da Selic, bons números da Weg, IPO do Nubank e dividendos da Gerdau: veja o que marcou o mercado hoje

Há cerca de um mês, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade não mudaria o “plano de voo” a cada novo dado da economia brasileira. Mas, veja só, a realidade obrigou a instituição a recalcular a rota: há pouco, o Copom elevou a Selic em 1,50 ponto percentual, ao […]

Referência em SP

Na corrida do setor de saúde, Rede D’Or (RDOR3) garante fôlego com a compra do Hospital Santa Isabel

O ativo está avaliado em R$ 280 milhões. Porém, conforme explica a empresa, seu endividamento líquido será deduzido na conta final da transação

Ser conservador compensa

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 7,75%

Agora até a poupança ganha da inflação projetada. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies