Menu
2020-01-14T17:37:09-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Bolsa e dólar hoje

Ibovespa aprofunda perdas após piora de Nova York; dólar opera em queda

Ibovespa perdeu os 117 mil pontos depois que notícia da Bloomberg deu conta de que tarifas dos EUA sobre os produtos chineses irão se manter até depois das eleições americanas em novembro

14 de janeiro de 2020
11:49 - atualizado às 17:37
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa passou a cair mais forte nesta terça-feira (14) depois que as bolsas de Nova York viraram novamente para o vermelho. Por volta das 16h15, o principal índice da bolsa brasileira recuava 0,61%, aos 116.609,75, perdendo os 117 mil pontos reconquistados ontem.

O índice passou o dia apresentando uma leve queda, mesmo depois que as bolsas americanas viraram para o positivo. No entanto, uma notícia da "Bloomberg" tornou a derrubar os índices lá fora. Segundo a emissora, as tarifas impostas pelos Estados Unidos à China serão mantidas até depois das eleições americanas, mesmo com a assinatura do acordo comercial entre os dois países nesta quarta-feira (15).

Há pouco, o Dow Jones subia 0,16%, mas o S&P 500 recuava 0,08% e o Nasdaq perdia 0,10%. O mercado hoje opera em certo compasso de espera pela assinatura do acordo de primeira fase entre chineses e americanos amanhã.

Hoje também começou a temporada de balanços do quarto trimestre de 2019 nos Estados Unidos, com a divulgação dos números do J.P. Morgan, Citigroup e Wells Fargo.

Há pouco, as ações do J.P. Morgan subiam 1,60%, e os papéis do Citigroup tinham alta de 2,24% depois que ambas as instituições financeiras divulgaram números positivamente surpreendentes de lucro e receita. Já o resultado do Wells Fargo decepcionou, levando as ações a caírem 4,80% no mesmo horário.

O dólar à vista opera em queda de 0,27% a R$ 4,1307, depois de ter operado a maior parte do dia na estabilidade.

Os juros futuros acompanham o dólar e também recuam. O DI com vencimento para 2021 cai 1,00%, para 4,445%. Já o DI para 2023 recua 1,22%, para 5,66%. O DI com vencimento para 2027 tem queda de 0,88%, para 6,76%.

De olho nos dados econômicos

Antes de o pregão abrir, os índices futuros de Nova York reagiam de maneira positiva ao dado de inflação divulgado nos Estados Unidos mais cedo, reduzindo perdas anteriores mais profundas. Já os juros de longo prazo dos títulos do Tesouro americano recuavam.

O índice de preços ao consumidor americano (CPI, na sigla em inglês) foi de 0,2% em dezembro, ante uma expectativa de 0,3%, segundo as projeções reunidas pelo "Broadcast", serviço de notícias em tempo real do "Estadão".

O dado abaixo do esperado indica que a economia dos EUA ainda não está tão aquecida assim, o que poderia exigir novos cortes de juros, dando força aos ativos de risco. O mercado, no entanto, ainda precifica manutenção dos juros pelo Federal Reserve (Fed), o banco central americano.

Por aqui, o Ibovespa chegou a subir pela manhã antes da abertura de Nova York, depois que o Ministério da Economia divulgou suas previsões de crescimento econômico e inflação para 2020.

Os investidores se animaram com a fala do secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, que disse que a equipe econômica está atenta ao equilíbrio das contas da União e de Estados e municípios. Segundo ele, em janeiro, o governo continuará discutindo a PEC do pacto federativo.

O Ministério da Economia elevou sua previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano de 2,32%, para 2,40%. A estimativa para a inflação também subiu. Para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a projeção do governo é de que feche o ano em 3,62%, ante estimativa anterior de 3,53%.

Pela manhã, o IBGE também divulgou sua pesquisa para o setor de serviços, que teve retração de 0,1% no mês de novembro, ante outubro, conforme já esperado pelo mercado. Ainda assim, o setor apresenta uma alta de 1,8% em 12 meses, considerado positivo pelo IBGE.

Passada a tensão entre Estados Unidos e Irã, e com assinatura de acordo comercial entre EUA e China nesta semana, o mercado anda especialmente atento a dados econômicos no Brasil e lá fora.

A inflação de 2019 acima da meta e o desempenho industrial abaixo do esperado divulgados na semana passada desanimaram os investidores por aqui em relação à nossa recuperação econômica.

Maiores altas

A Via Varejo (VVAR3) tem a maior alta do pregão desta terça-feira, com valorização de 3,54% às 16h20, em continuidade ao movimento de alta visto ontem, quando a ação subiu mais de 8%.

Segundo relatório da XP Investimentos, uma possível explicação para esse movimento de compra das ações da varejista é a divulgação de uma recompra de R$ 4,5 milhões em papéis por parte da diretoria da própria companhia em dezembro.

As ações do frigorífico Marfrig (MRFG3), por sua vez, avançavam 1,72% no mesmo horário, depois que o Citi elevou a recomendação dos papéis de neutro para compra. A instituição financeira também elevou o preço-alvo de R$ 11,50 para R$ 14.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Pressão para todo lado

Comissão inicia discussões sobre a Reforma Administrativa; relator afirma que Bolsonaro precisa manifestar seu apoio

A comissão especial formada na Câmara dá hoje o pontapé inicial na discussão da reforma administrativa. A primeira reunião é cercada de forte pressão para definir a lista das categorias de Estado a serem incluídas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC). O crescimento desse movimento é uma das preocupações do relator do projeto, deputado […]

Matéria-prima salgada

Commodities vão inflacionar o mercado de carros, diz presidente de consórcio que reúne Fiat, Jeep, Peugeot e Citroën

Além da pandemia e da falta de chips, o executivo vê com preocupação o movimento inflacionário das commodities usadas pelo setor

MERCADOS HOJE

Dólar fica abaixo dos R$ 5 pela primeira vez em um ano; confira as razões para a queda da moeda

Entrada de fluxo estrangeiro no país é acompanhada de alguns critérios técnicos e uma melhora na percepção de risco.

Ampliando investimentos

GM amplia em 75% investimentos em carros elétricos e automáticos até 2025

A projeção da empresa é de que seu Ebit fique entre US$ 8,5 bilhões e US$ 9,5 bilhões na primeira metade do ano

Análise do presidente

Para Bolsonaro, derrubada ou perda da validade da MP da Eletrobras provocará caos

A MP não tem consenso entre líderes e corre o risco de ser derrubada ou ter a votação adiada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies