Menu
2020-01-14T13:31:32-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela Universidade de Federal do Paraná (UFPR). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros veículos.
recomendação

Citigroup eleva preço-alvo da Marfrig e recomenda compra das ações

Saída do BNDES, forte demanda nos EUA e aquisição de participação em outra empresa feita pela Marfrig foram os fatores que fizeram os analistas reavaliarem os papéis da companhia

14 de janeiro de 2020
13:05 - atualizado às 13:31
marfrig

A ação da gigante de alimentos Marfrig pode subir 26% em 12 meses e chegar a R$ 14, segundo os analistas do Citi Research, uma divisão de análise do Citigroup. Em relatório divulgado a clientes, eles recomendam a compra do papel da empresa.

Por volta das 12h, os papéis da Marfrig (MRFG3) avançavam 3%, cotados a R$ 11,38 - entre as maiores altas do Ibovespa nesta terça-feira (14). Nos últimos 12 meses a valorização das ações é da ordem de 98%.

Os analistas do Citi reavaliaram os papéis da Marfrig devido a três acontecimentos recentes:

  1. O ciclo favorável da demanda de carne bovina nos Estados Unidos.
  2. A aquisição feita pela empresa de 31% da americana National Beef - uma das líderes globais no segmento de proteína animal. Para os especialistas, a compra permite maior geração de caixa para a companhia.
  3. A venda da participação do BNDES na empresa. Em dezembro, a Marfrig movimentou R$ 3 bilhões na bolsa - a maior parte dos recursos (R$ 2,1 bilhões) se referia à venda de ações do banco público.

A negociação marcou o fim de uma era para a empresa, que cresceu nos últimos anos apoiada principalmente no financiamento do governo federal.

A Marfrig chegou a fazer 40 aquisições em cerca de 5 anos entre o fim dos anos 2000 e o início de 2010 em uma estratégia de crescimento rápido. Esse movimento elevou o endividamento da empresa, que teve que se desfazer de parte dos ativos comprados nos anos seguintes.

O movimento de saída do BNDES é visto pelo Citi como um sinal de comprometimento financeiro da companhia.

Bem posicionada, mas com menos rentabilidade

Os especialistas do Citigroup dizem acreditar que a Marfrig está estrategicamente bem posicionada no mercado norte-americano. Mas não é a única. Eles citam as projeções de outra multinacional, a Tyson Foods, que projeta um aumento de 2% na oferta de gado.

"As empresas estão confiantes de que o rebanho continuará aumentar em 2020 e que as margens devem continuar a atingir o pico."

Apesar da perspectiva positiva, os analistas dizem achar difícil para a Marfrig manter o mesmo nível de rentabilidade de 2019, que contou com fatores inesperados. "Nos EUA, também esperamos que o consumo doméstico permaneça sólido devido à força do mercado de trabalho", acrescentam.

Quanto ao mercado no Brasil, os analistas lembram que os preços dispararam 22,5% no quarto trimestre, chegando a US$ 4,78/Kg. A China continua sendo o principal importador de carne bovina brasileira, 50% - e a impulsionadora dos preços.

"Observamos que a Marfrig foi um dos principais beneficiários da decisão da China de licenciar novas plantas no Brasil", diz os analistas. A empresa obteve quatro novas plantas para exportar para a região, dobrando sua capacidade.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements