Menu
2020-01-28T17:43:51-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Câmbio

A alta do dólar preocupa? Com a palavra, o presidente do Banco Central

Campos Neto disse que o BC avalia constantemente se a alta do dólar retarda as decisões de investimento ou contamina as perspectivas de inflação

28 de janeiro de 2020
11:53 - atualizado às 17:43
20/08/2019 Cerimônia de Lançamento do IPCA para Crédito Imobi
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. - Imagem: Alan Santos/PR

Como o Banco Central observa a variação do dólar e quando decide atuar no mercado de câmbio? Roberto Campos Neto, o presidente da autoridade monetária, respondeu a essas questões ao participar na manhã de hoje de um evento promovido pelo Credit Suisse, em São Paulo.

Em um regime de câmbio flutuante, Campos Neto disse que o BC avalia constantemente se a alta do dólar influencia as variáveis de risco, seja retardando as decisões de investimento ou contaminando as perspectivas de inflação. E acrescentou que nenhum dos casos ocorreu na valorização recente da moeda norte-americana.

“Esse movimento de câmbio é muito diferente do que se viu no passado”, afirmou à plateia formada por investidores e executivos de empresas.

A pressão de compra de dólar nos últimos meses ocorreu principalmente por demanda de empresas brasileiras que aproveitaram a queda de juros no Brasil para pré-pagar dívidas em moeda estrangeira, segundo Campos Neto.

Ele disse que a alta não contaminou as expectativas de inflação, tanto que as curvas de juros de médio prazo caíram no período em que o dólar se valorizou.

Durante todo esse período, o BC só precisou intervir uma vez quando observou que a alta do dólar poderia influenciar as variáveis de risco, segundo Campos Neto.

A queda do diferencial de juros entre Brasil e Estados Unidos levou parte do mercado a especular que os investidores estariam vendendo real como hedge (proteção) contra uma piora nas economias emergentes, o que também estaria ajudando a pressionar o câmbio.

Mas Campos Neto disse que não observou esse movimento. “Se isso tivesse ocorrido, a demanda por dólar estaria no [mercado] de swap, e não no spot [à vista].” Confira também a nossa cobertura completa de mercados hoje.

Pedaço menor de torta maior

O presidente do Banco Central também falou de competição bancária e das medidas adotadas para reduzir a concentração no mercado brasileiro.

De todas as antigas barreiras de entrada que os bancos tradicionais tinham no passado e caíram ou foram reduzidas com o avanço da tecnologia, a informação sobre os clientes ainda persiste, segundo Campos Neto.

Por isso ele destacou a importância da agenda de open banking, que permitirá a qualquer instituição ter acesso aos dados dos clientes dos bancos, desde que com autorização deles.

Esse processo deve levar a um aumento da bancarização no país e um menor custo de intermediação financeira. “No final, a minha visão é que os bancos devem ter um pedaço menor de uma torta muito maior”, afirmou Campos Neto.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

13 notícias para você começar o dia bem informado

2019 poderia ter sido um dos melhores anos da história da Vale, especialmente pela alta de mais de 30% no preço do minério de ferro. A tragédia de Brumadinho mudou severamente esse quadro e levou a empresa a um prejuízo de US$ 1,7 bilhão no ano todo, conforme números divulgados ontem à noite. A sexta-feira […]

do setor imobiliário para a bolsa

Incorporadora One e construtora Pacaembu pedem registro de IPO

Empresas esperam recursos para pré-pagamento de empréstimos, expansão e reforço de capital de giro

sinal verde

Anac autoriza Virgin Atlantic, do bilionário Richard Branson, a operar no Brasil

Segundo o órgão regulador, a empresa manifestou interesse em voar, a partir de março deste ano, entre as cidades de Londres e São Paulo.

Esquenta dos mercados

Tensão renovada nos mercados com disseminação do coronavírus para fora da China

Com coronavírus no radar, os investidores brasileiros devem buscar cautela para se proteger do movimento dos mercados durante o feriado

comunicado oficial

Banco Central do Japão diz que é cedo para discutir medidas em resposta ao coronavírus

Coronavírus pode afetar a economia japonesa, ao desacelerar suas exportações para a China, segundo presidente da autoridade monetária

novidade do bc

BC cria linha de redesconto para participantes do PIX nos pagamentos instantâneos

Em novembro, o BC planeja colocar em funcionamento o PIX. O sistema permitirá pagamentos instantâneos – ou seja, transferências de recursos 24 horas por dia, sete dias por semana, durante todo o ano

decisão do supremo

STF mantém lei que libera renovação antecipada de concessões de ferrovias

Processo foi apresentado em 2018 pela então PGR, para quem as normas previstas na legislação ofenderiam as regras de licitações e o princípio da competitividade

de olho nas cifras

CMN aprova limite de R$ 8,4 bi de crédito por estados e municípios e estatais

Valor ficou bem abaixo do liberado em anos anteriores – em 2019 foi de R$ 24,5 bilhões em 2019 e R$ 24 bilhões em 2018

Sextou com o Ruy

Alguém te deu uma dica de investimento? Leia este texto antes de aceitar

Seja na cadeira do dentista ou no mercado financeiro, cuidado com os conflitos de interesse, que podem ser extremamente danosos para você e sua família

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements