Menu
2020-01-28T17:43:51-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Câmbio

A alta do dólar preocupa? Com a palavra, o presidente do Banco Central

Campos Neto disse que o BC avalia constantemente se a alta do dólar retarda as decisões de investimento ou contamina as perspectivas de inflação

28 de janeiro de 2020
11:53 - atualizado às 17:43
20/08/2019 Cerimônia de Lançamento do IPCA para Crédito Imobi
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. - Imagem: Alan Santos/PR

Como o Banco Central observa a variação do dólar e quando decide atuar no mercado de câmbio? Roberto Campos Neto, o presidente da autoridade monetária, respondeu a essas questões ao participar na manhã de hoje de um evento promovido pelo Credit Suisse, em São Paulo.

Em um regime de câmbio flutuante, Campos Neto disse que o BC avalia constantemente se a alta do dólar influencia as variáveis de risco, seja retardando as decisões de investimento ou contaminando as perspectivas de inflação. E acrescentou que nenhum dos casos ocorreu na valorização recente da moeda norte-americana.

“Esse movimento de câmbio é muito diferente do que se viu no passado”, afirmou à plateia formada por investidores e executivos de empresas.

A pressão de compra de dólar nos últimos meses ocorreu principalmente por demanda de empresas brasileiras que aproveitaram a queda de juros no Brasil para pré-pagar dívidas em moeda estrangeira, segundo Campos Neto.

Ele disse que a alta não contaminou as expectativas de inflação, tanto que as curvas de juros de médio prazo caíram no período em que o dólar se valorizou.

Durante todo esse período, o BC só precisou intervir uma vez quando observou que a alta do dólar poderia influenciar as variáveis de risco, segundo Campos Neto.

A queda do diferencial de juros entre Brasil e Estados Unidos levou parte do mercado a especular que os investidores estariam vendendo real como hedge (proteção) contra uma piora nas economias emergentes, o que também estaria ajudando a pressionar o câmbio.

Mas Campos Neto disse que não observou esse movimento. “Se isso tivesse ocorrido, a demanda por dólar estaria no [mercado] de swap, e não no spot [à vista].” Confira também a nossa cobertura completa de mercados hoje.

Pedaço menor de torta maior

O presidente do Banco Central também falou de competição bancária e das medidas adotadas para reduzir a concentração no mercado brasileiro.

De todas as antigas barreiras de entrada que os bancos tradicionais tinham no passado e caíram ou foram reduzidas com o avanço da tecnologia, a informação sobre os clientes ainda persiste, segundo Campos Neto.

Por isso ele destacou a importância da agenda de open banking, que permitirá a qualquer instituição ter acesso aos dados dos clientes dos bancos, desde que com autorização deles.

Esse processo deve levar a um aumento da bancarização no país e um menor custo de intermediação financeira. “No final, a minha visão é que os bancos devem ter um pedaço menor de uma torta muito maior”, afirmou Campos Neto.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

mp 925

Câmara conclui votação de MP da Aviação e texto segue para Senado

A proposta traz ações emergenciais ao setor de aviação civil para mitigar os efeitos da crise gerada pela pandemia

mundo aéreo

Azul vende participação de 6% na TAP para governo português, por R$ 65 milhões

A companhia aérea Azul informou nesta quarta-feira, 8, que vendeu a participação indireta de 6% que detinha na aérea portuguesa TAP, para o governo de Portugal. O valor fechado foi de R$ 65 milhões

Um milhão em três meses

Em meio à pandemia, Banco Inter alcança 6 milhões de clientes da conta digital

No mês de abril, o banco havia informado que tinha alcançado 5 milhões de clientes. Na ocasião, também disse que só no primeiro trimestre o número de novas contas bateu recorde

seu dinheiro na sua noite

Quanto vale um triz? Hoje, 231 pontos

No seu livro de crônicas “Comédias para se ler na escola”, Luis Fernando Verissimo discorre sobre os possíveis significados e origens das expressões “tintim” e “triz” – seriam unidades de medida que caíram em desuso? Subdivisões do espaço e do tempo? – e sai com a ótima tirada de que ambos pertenceriam ao obscuro mundo […]

coronavírus no país

Covid-19: Brasil tem 67,9 mil mortes e 1 milhão de curados

País acumula 1,7 milhão de casos confirmados do novo coronavírus

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements