Menu
2019-05-16T19:18:56-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Os custos que você deve evitar de qualquer maneira na hora de investir

Muitas instituições financeiras querem te cobrar essas taxas, mas você pode fugir delas! Neste vídeo, eu te conto como

17 de maio de 2019
5:30 - atualizado às 19:18

Manter os custos baixos na hora de investir é fundamental para ter um bom desempenho no longo prazo. Afinal, em tempos de retornos mais minguados, são os investimentos com menor custo-benefício que vão ter perdas menores ou ganhos maiores.

Existem algumas taxas cobradas sobre investimentos que são perfeitamente evitáveis pelo investidor pessoa física, e no vídeo a seguir eu listo aquelas que você não deveria pagar de jeito nenhum:

Veja a transcrição do vídeo sobre os custos que você deve evitar ao investir

De todos os fatores que você pode controlar ao investir, retorno certamente não é um deles. Mas tem um que é bem fácil: custo. E quanto menores os custos das suas aplicações financeiras, menos a sua rentabilidade é sacrificada. Por outro lado, custos altos podem comer até mesmo retornos formidáveis. Aí não tem produto ou gestor que faça milagre! Nesse vídeo eu vou falar sobre os custos que você deve evitar de qualquer maneira na hora de investir.

Primeiro, taxa de administração pra investir no Tesouro Direto. Hoje em dia é fácil evitar essa taxa, ainda cobrada por algumas corretoras. Mas várias dessas instituições financeiras, inclusive os grandes bancos, já zeraram as suas taxas para investir no programa. Assim, o investidor só paga a taxa de custódia obrigatória de 0,25% ao ano.

Em segundo lugar, taxa de administração alta em fundo muito conservador ou passivo. Fundo de baixo risco que tem retorno colado ao CDI não pode ser caro. Em tempos de Selic baixa, acho que 0,3% ao ano é uma espécie de limite, e mesmo assim já tem fundo desse tipo que nem taxa cobra. Então aqueles fundos DI que cobram dois, três, quatro por cento de taxa de administração são completamente fora de questão!

Para fundos de ações passivos, vale o mesmo raciocínio. Se o fundo se limita a replicar o desempenho de um índice de ações e cobra caro por isso, fique longe. Para isso, melhor comprar um ETF na bolsa. Esses fundos negociados em bolsa seguem, com grande aderência, índices como o Ibovespa e os IBr-X, e as suas taxas são inferiores 1% ao ano. Mesmo fora da bolsa já existe fundo passivo de ações que cobra até menos que os ETFs equivalentes.

Terceiro, taxa de carregamento em plano de previdência privada. Muitos planos ainda cobram essa taxa, seja na hora da aplicação, do resgate, nas duas situações ou então na portabilidade. Ela é descontada diretamente do valor que você investiu, mas nunca dos rendimentos.

De qualquer maneira, ela reduz o retorno do plano. Hoje em dia, não tem mais por que você se submeter a isso. Não faltam planos de previdência de grandes seguradoras, distribuídos em plataformas de investimento e que não cobram carregamento. Fuja dessa taxa de qualquer maneira!

Quarto, taxa de custódia para investir na bolsa. Muitas corretoras já isentam os clientes de taxa de custódia para investimentos em renda variável, como ações e fundos imobiliários. Ou então oferecem a isenção para um ou outro ativo, dependendo do perfil do investidor. Evitar esse custo é fundamental para quem investe para o longo prazo ou para geração de renda, porque a taxa de custódia é cobrada mensalmente enquanto você permanecer no investimento. Então, se você for investir em bolsa, lembre-se de pesquisar corretoras que não cobrem essa taxa.

Por fim, existem custos que não são exatamente o fim do mundo, e nem sempre dá pra fugir deles. Mas em certos casos, eles são evitáveis. Eu estou falando do imposto de renda e do IOF, o imposto sobre operações financeiras.

O IOF é cobrado sobre o retorno de diversas aplicações financeiras quando o resgate ou a venda ocorre num prazo inferior a 30 dias de investimento. A menos que se trate de uma aplicação para fluxo de caixa ou reserva de emergência, é bom evitar esse tipo de movimentação de curtíssimo prazo, pois o custo com esse tributo é bem salgado.

Já no caso do imposto de renda, existem diversos casos de isenção: de aplicações de renda fixa, como LCI, LCA e debêntures incentivadas, ao rendimento com fundos imobiliários e o lucro com ações e imóveis em certas situações, que eu já abordei aqui nesse vídeo.

Gostou do conteúdo do vídeo? Então assina o nosso canal de YouTube e clica no sininho pra receber as notificações. Aproveita e deixa as suas dúvidas e ideias para outros vídeos nos comentários.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements