Menu
2019-11-15T13:01:46-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Como levar a inflação em conta na hora de investir

Ela pode corroer a sua rentabilidade! Saiba por que você deve tomar cuidado com a inflação na hora de investir, até mesmo quando ela está baixa

15 de novembro de 2019
5:30 - atualizado às 13:01

Ela já deixou o brasileiro de cabelo em pé no passado, mas ultimamente parece até meio esquecida. Eu estou falando da inflação, o dragão que nos atormentou nos anos 1980 e 1990, mas que hoje parece até uma lagartixa, de tão comportada. Mas alta ou baixa, a inflação sempre deve ser considerada, não só na hora de planejar os gastos, mas também na hora de investir. No vídeo a seguir, eu explico como a inflação se relaciona com os seus investimentos:

Leia a seguir a transcrição do conteúdo do vídeo sobre a inflação e os seus investimentos

A inflação é a alta generalizada e contínua dos preços numa região, num determinado período de tempo. Por causa da nossa herança inflacionária, o Brasil conta com diversos indicadores para mensurar esse fenômeno, mas o mais importante deles é o IPCA, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo. O IPCA é considerado o índice de inflação oficial.

A inflação reduz o poder de compra da moeda com o tempo e pode ser considerada uma medida de desvalorização do dinheiro. Ela está muito relacionada com o nível de atividade econômica e a lei de oferta e demanda.

Para controlar a quantidade de moeda em circulação, o nível de atividade econômica e a inflação, o Banco Central costuma mexer na taxa básica de juros, a Selic. Inflação alta pode levar o BC a elevar os juros, enquanto uma inflação mais baixa e controlada dá espaço pra redução dos juros. Eu já expliquei melhor essa dinâmica neste outro vídeo.

Como a inflação corrói o valor do dinheiro com o tempo, é fundamental escolher investimentos que sejam capazes de, pelo menos, repor essa desvalorização. Em outras palavras, eles precisam, no mínimo, preservar o poder de compra das suas reservas. Ainda que você não veja o seu saldo diminuir, se o seu rendimento for menor que a inflação, na prática isso significa que você está perdendo dinheiro. Afinal, você está perdendo poder de compra.

Mas o ideal mesmo é que a rentabilidade do investimento seja capaz de superar a inflação no prazo que você dispõe para investir. Essa rentabilidade acima da inflação, que nós chamamos de retorno real, é o que realmente faz o seu patrimônio crescer e te deixa mais rico.

Por sinal, mais importante do que olhar pra inflação e juros separadamente é olhar pro juro real da economia, a diferença entre os dois indicadores. Quanto maior o juro real, maior a diferença positiva entre juros e inflação e mais fácil é ganhar dinheiro com os investimentos tradicionais de renda fixa, já que a remuneração dessas aplicações guarda relação direta com a taxa básica de juros.

Em cenários de inflação descontrolada, com muita incerteza, uma boa pedida pode ser optar por investimentos que ofereçam proteção contra a inflação, como os títulos de renda fixa pública e privada com rentabilidade atrelada ao IPCA, além de imóveis e fundos imobiliários, cujos aluguéis são corrigidos por índices de preços.

Mas em tempos de inflação controlada, as preocupações são outras. Por exemplo, se o juro real estiver muito alto e a atividade econômica estiver muito fraca, pode ser que haja espaço para o Banco Central baixar os juros, de forma a incentivar o crescimento. Isso beneficia os investimentos que se valorizam quando os juros caem, como os ativos de risco e aqueles títulos que têm parte ou a totalidade da sua remuneração prefixada.

Já se o juro real estiver baixo e a atividade econômica estiver aquecida, pode ser que o Banco Central aumente a Selic para a inflação não disparar. Isso acaba beneficiando os investimentos que têm remuneração atrelada às taxas de juros, como o Tesouro Selic e os fundos DI.

Mas e se a inflação estiver baixa e a atividade continuar fraca? Isso é o que vem acontecendo no Brasil. Nesse caso, pode ser que a Selic continue caindo a ponto de os juros reais ficarem negativos. Isso mesmo: juro menor que a inflação, um cenário de grande estímulo econômico. Nesse caso, a renda fixa começa a perder da inflação, servindo mesmo só para reserva de emergência. De resto, o melhor é se voltar pra ativos de risco e fundos com maior capacidade de buscar retornos positivos em termos reais.

Gostou do vídeo? Então não deixe de se inscrever no canal do Seu Dinheiro no YouTube e clicar no sininho para receber as notificações. E pode deixar aqui embaixo nos comentários dúvidas e ideias para outros vídeos.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Resultados da pandemia

Pandemia do coronavírus fecha 39,4% das empresas que suspenderam atividades, diz IBGE

Entre os setores, os serviços tiveram a maior proporção de empresas encerradas em definitivo

Mercado de juro futuro

Estrangeiro diminui posição ‘comprada’ em taxa de juro futuro

Posições líquidas são reduzidas pelo segundo dia seguido, segundo a B3

Exile on Wall Street

Café da Manhã dos Campeões: vá de carona nas Big Techs

Enquanto investidores, podemos ser deixados para trás ou podemos pegar uma belíssima carona exponencial, investindo nas Big Techs.

agora vai?

Appy diz acreditar que há ambiente político para aprovação de reforma tributária

Para o economista, o mais importante seria conseguir reduzir a tributação sobre a folha de pagamento, considerada por ele “completamente injustificável”

dinheiro no caixa

Petrobras conclui venda de dez campos nos polos Pampo e Enchova para Trident

Segundo a estatal, venda vai ajudar a reduzir dívida da empresa e representa mais um passo na estratégia de focar recursos em águas profundas e ultraprofundas, em especial o pré-sal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements