Menu
2019-05-10T10:30:49+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

O que é essa tal de reunião do Copom e o que raios eu tenho a ver com isso?

Entenda a função do Copom, o Comitê de Política Monetária do Banco Central, e como ele pode afetar a sua vida

10 de maio de 2019
5:30 - atualizado às 10:30

Na última quarta-feira (08), o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano. Mas se você chegou agora ao mundo do economês e não faz ideia do que eu estou falando, o vídeo a seguir vai te explicar, em três minutinhos, o que é o Copom, qual a sua função, quem é essa tal de Selic e o que raios tudo isso tem a ver com a sua vida e o seu bolso.

Confira na íntegra a transcrição do texto do vídeo sobre o que é o Copom e como ele afeta a sua vida

Volta e meia você deve ouvir falar de uma tal de reunião do Copom, o Comitê de Política Monetária do Banco Central. Esse evento, que acontece a cada 45 dias, tem grande importância para a economia brasileira e os investidores. Mas você sabe por quê? Reunião do Copom: e eu com isso?

O Copom é formado pelo presidente do Banco Central e os seus diretores, que se reúnem por dois dias, a cada período de um mês e meio, para decidir sobre os rumos da taxa básica de juros, a Selic. Em outras palavras, o Copom decide se a Selic será mantida, aumentada ou cortada, de acordo com as perspectivas econômicas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A taxa Selic é o principal instrumento de política monetária do país. É por meio dela que o Banco Central controla a inflação. É que a Selic serve de parâmetro para todas as taxas de juros praticadas por aí: os empréstimos e financiamentos bancários e também aqueles feitos via mercado de capitais, na figura das aplicações de renda fixa. Isso quer dizer que a Selic serve de referência para a remuneração dos títulos públicos federais, que é a dívida do governo, e para os títulos de renda fixa privada, tanto de bancos como de empresas.

O raciocínio geral é o seguinte: qualquer transação de crédito com mais risco do que emprestar dinheiro para o governo federal tem que ter um juro maior do que a Selic. Então quando o Copom baixa a taxa básica de juros, ele abre um espaço pra que todas as taxas de juros do sistema financeiro caiam. Quando ele aumenta a taxa, os juros no geral também tendem a aumentar.

Quando temos uma expectativa de aumento inflacionário, o Bacen pode elevar a Selic para encarecer o crédito e desestimular o consumo, de forma a baixar a inflação. Do contrário, quando a alta dos preços está mais controlada, o Bacen pode optar por baixar a taxa básica de juros de forma a incentivar o consumo e os investimentos e, com isso, estimular a atividade econômica. Ou seja, a Selic também pode ser usada como ferramenta de estímulo ao crescimento.

E como isso afeta o seu bolso? Bem, de forma geral, uma Selic mais alta ou com expectativa de alta beneficia os ativos de renda fixa pós-fixada, que são aqueles com remuneração atrelada à própria Selic ou ao CDI, uma taxa que anda coladinha com a taxa básica. Já uma Selic mais baixa ou em queda tende a beneficiar a renda fixa prefixada, o mercado imobiliário e os investimentos em renda variável, como é o caso das ações.

Por isso, é interessante que o investidor esteja sempre de olho nas reuniões do Copom e também na ata do evento, divulgada uma semana depois. O texto pode dar pistas do que esperar pra próxima reunião.

Gostou do vídeo? Então se inscreve no canal do Seu Dinheiro no YouTube e clica no sininho pra receber as notificações. E pode deixar dúvidas e ideias pra outros vídeos no campo dos comentários.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

De olho nos valores

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,36% em junho em dez capitais

A pesquisa mostrou que, no mês, todas as dez capitais pesquisadas tiveram alta nos preços médios: Brasília (0,04%), Fortaleza (0,06%), Salvador (0,08%), Porto Alegre (0,16%), Rio de Janeiro (0,18%), Belo Horizonte (0,19%), Curitiba (0,19%), Goiânia (0,22%), Recife (0,38%) e São Paulo (0,68%)

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin em nova alta e S&P no sinal amarelo

Fausto Botelho está estupidamente otimista com o bitcoin, que pode ter uma nova onda de valorização. Já o S&P, principal índice americano, pode trazer um terremoto para o resto do mundo

De olho nos próximos recebidos

Preparação de atendimento pela Caixa contribuiu para adiamento de saque do FGTS

Em 2017, para que 25,9 milhões de trabalhadores retirassem R$ 44 bilhões das contas inativas (de contratos anteriores) do FGTS, a Caixa preparou um esquema de atendimento que previu a abertura das agências mais cedo e nos fins de semana no período, que foi de 10 de março a 31 de julho

Entenda o caso

Depois de fixar o preço dos papéis em R$ 1,10 no follow-on, ações da Tecnisa despencam mais de 9%

O mais provável é que a queda vertiginosa esteja associada ao fato de que o papel esteja se ajustando ao preço estipulado na oferta de ações

A hora é agora

Como consultar o seu saldo do FGTS

Medida que injeta até R$ 30 bilhões na economia deve ser anunciada na próxima semana. Saiba como consultar o seu saldo do FGTS

Novidades na prateleira

RCI Brasil, das montadoras Renault e Nissan, passa a oferecer CDB com liquidez diária e rentabilidade de 102% do CDI

A desvantagem é que o valor inicial de aplicação do investimento é um pouco alto. No caso do Banco Sofisa, por exemplo, o valor inicial de aplicação é de R$ 1. Já no Inter e no C6 Bank, a aplicação inicial é de R$ 100

Aos números

Economia com reforma da Previdência após 1º turno fica em R$ 914,3 bilhões

Impacto fiscal ao longo de 10 anos sobe a R$ 933,5 bilhões, considerando aumento CSLL sobre os bancos. MP de fraudes pode render outros R$ 200 bilhões

alteração na agenda

Anúncio sobre FGTS fica para a próxima semana, diz Onyx

Segundo o ministro, as equipes técnicas do Ministério da Economia ainda trabalham em cima dos ajustes necessários

dinheiro na mão

Economistas recomendam sacar recursos do fundo

Aprovada a medida do governo para o saque das contas do FGTS, a orientação dos especialistas é para que os trabalhadores quitem débitos ou invistam

controvérsia

Setor de construção critica liberação de saques do FGTS

Recursos para o trabalhador devem diminuir o total disponível para a construção, o que pode aumentar o déficit habitacional do País, diz vice-presidente de sindicato

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements