Menu
2019-06-26T17:27:01-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Acabou a moleza

Mansueto: Ganhar 6% real com título público é anomalia do Brasil do passado

Secretário do Tesouro relaciona queda de juros com otimismo do mercado sobre reformas e se diz tomador de prefixados com taxas na casa dos 8%

26 de junho de 2019
17:27
Mansueto Almeida
Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou que a queda nas taxas de juros dos títulos públicos é um sinal claro do otimismo do mercado com a aprovação da reforma da Previdência. Mas ponderou que o cenário fiscal do país ainda é muito frágil.

“Sem reforma da Previdência, esse cenário vai embora”, disse.

Mansueto chamou atenção para a queda nas taxas dos títulos prefixados. As NTN-Fs para 2029 saíram a 7,96% no último leilão feito pelo Tesouro na semana passada, contra 8,45% no fim do mês passado e 9,01% no começo de maio.

Perguntei ao secretário se ele era comprador desses títulos nessa faixa de preço. Bem-humorado, ele disse que não tinha dinheiro, mas depois disse que aplicaria.

Na sequência, Mansueto falou que algo bem interessante está acontecendo.

“Nos acostumamos com taxas altas. Gestores e aplicadores estavam acostumados com rendimento real de 6% ou mais. E isso acontecia dois anos atrás. Agora, estamos rumando para um cenário de juro de equilíbrio caminhando para valor muito baixo”, disse.

De acordo com Mansueto, os fundos de investimento e demais aplicadores já estão procurando alternativas de rendimento e terão de buscar retorno em crédito privado, debêntures e outros instrumentos.

“Ficar tranquilo ganhando 6% real ao ano é anomalia do Brasil do passado, que não espero que volte a acontecer. Essa questão de ter segurança de título público com juro real alto só acontece em país que precisa se endividar e o mercado exigia uma taxa punitiva. Mas novamente, sem reformas, esse cenário todo vai embora”, concluiu.

Para ilustrar essa fala do secretário, replico abaixo slide da apresentação sobre a dívida pública, feita na manhã de hoje, onde podemos ver a queda no custo de captação do Tesouro.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies