Menu
2019-06-26T17:27:01-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Acabou a moleza

Mansueto: Ganhar 6% real com título público é anomalia do Brasil do passado

Secretário do Tesouro relaciona queda de juros com otimismo do mercado sobre reformas e se diz tomador de prefixados com taxas na casa dos 8%

26 de junho de 2019
17:27
Mansueto
Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida. - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou que a queda nas taxas de juros dos títulos públicos é um sinal claro do otimismo do mercado com a aprovação da reforma da Previdência. Mas ponderou que o cenário fiscal do país ainda é muito frágil.

“Sem reforma da Previdência, esse cenário vai embora”, disse.

Mansueto chamou atenção para a queda nas taxas dos títulos prefixados. As NTN-Fs para 2029 saíram a 7,96% no último leilão feito pelo Tesouro na semana passada, contra 8,45% no fim do mês passado e 9,01% no começo de maio.

Perguntei ao secretário se ele era comprador desses títulos nessa faixa de preço. Bem-humorado, ele disse que não tinha dinheiro, mas depois disse que aplicaria.

Na sequência, Mansueto falou que algo bem interessante está acontecendo.

“Nos acostumamos com taxas altas. Gestores e aplicadores estavam acostumados com rendimento real de 6% ou mais. E isso acontecia dois anos atrás. Agora, estamos rumando para um cenário de juro de equilíbrio caminhando para valor muito baixo”, disse.

De acordo com Mansueto, os fundos de investimento e demais aplicadores já estão procurando alternativas de rendimento e terão de buscar retorno em crédito privado, debêntures e outros instrumentos.

“Ficar tranquilo ganhando 6% real ao ano é anomalia do Brasil do passado, que não espero que volte a acontecer. Essa questão de ter segurança de título público com juro real alto só acontece em país que precisa se endividar e o mercado exigia uma taxa punitiva. Mas novamente, sem reformas, esse cenário todo vai embora”, concluiu.

Para ilustrar essa fala do secretário, replico abaixo slide da apresentação sobre a dívida pública, feita na manhã de hoje, onde podemos ver a queda no custo de captação do Tesouro.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements