Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-07-12T14:02:06-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Selic cai 0,25 ou meio ponto percentual no dia 31?

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, diz que avanço nas reformas, obviamente, faz com que cenário fique mais benigno para a inflação

12 de julho de 2019
11:18 - atualizado às 14:02
Roberto Campos neto
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central - Imagem: Raphael Ribeiro/BCB

Ao que parece, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, acenou uma mudança para melhor no balanço de riscos para a inflação ao falar sobre a aprovação em primeiro turno da reforma da Previdência. Com isso, o corte da Selic do dia 31 vira quase certeza, só não se sabe se 0,25 ponto ou meio ponto percentual.

Na divulgação do Relatório de Inflação, Campos Neto e o diretor de Política Econômica, Carlos Viana, deixaram claro que não havia relação mecânica e direta das etapas de aprovação da reforma da Previdência com a retomada dos cortes na Selic, que está em 6,5% desde março do ano passado.

Já ontem, em entrevista à “GloboNews”, Campos Neto disse que os vetores acompanhados pelo BC melhoraram, incluindo a reforma, que era o fator preponderante. “Como nós tínhamos três fatores e dois melhoraram sensivelmente, nós passamos então a dizer que o fator preponderante ficou com as reformas. Então, nessa linha, obviamente um avanço nas reformas faz com que o cenário fique mais benigno para a inflação no futuro”, disse.

Segundo o presidente, o BC já tinha reconhecido a melhora no vetor externo, apesar do risco de menor crescimento mundial, e um aumento da capacidade ociosa e interrupção do crescimento doméstico, um “termo forte”, segundo ele.

Na entrevista, Campos Neto também voltou a reforçar que não troca inflação por crescimento de curto prazo e que entende que a taxa de juros atual estimula o crescimento. O quão estimulativa é um debate que será feito quando acontecer a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

No mercado as taxas de juros futuras, que são as que realmente importam para investimentos e para o setor produtivo, já embutem uma Selic menor. O trabalho do BC seria sancionar essa redução, que acontece sem que vejamos um descolamento das expectativas de inflação para cima. Sinal de que o BC tem credibilidade junto ao mercado.

Em todo caso, o Copom se reúne no dia 31 e Campos Neto tem até lá para fazer eventual correção de comunicação. Esse encontro também contará com voto da nova diretora de Assuntos Internacionais, Fernanda Feitosa Nechio.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Petrobras privatizada vira possibilidade, Itaú revisa projeções para o Brasil e outros destaques

A proximidade do ano eleitoral não aprofunda apenas as discussões sobre o aumento de gastos do governo com medidas assistencialistas, como o Auxílio Brasil e o auxílio aos caminhoneiros, confirmados na semana passada após uma manobra no teto de gastos. Com outubro engatando a reta final, restam poucas folhas no calendário de 2021 e oportunidades […]

privatização no radar

Petrobras (PETR4) pede que governo explique estudo para venda de ações; papéis dispararam mais de 6% com rumores sobre privatização

Mais cedo, Bolsonaro reafirmou que a privatização “entrou no radar” do governo, mas destacou que o processo é uma “complicação enorme” e não deve sair tão cedo

FECHAMENTO DO DIA

Petrobras na mira da privatização ajuda Ibovespa a recuperar parte das perdas recentes e bolsa sobe 2%; dólar cai a R$ 5,56

Os investidores começam a semana ainda digerindo a confirmação do rompimento do teto de gastos, mas como a situação deixou de ser especulativa, abriu espaço para uma recuperação puxada pela Petrobras

FINANCIAL PAPERS

Polêmica com vazamentos não afeta balanço do Facebook (FBOK34) e ações avançam em NY

Mais cedo, o noticiário sobre a empresa era dominado por notícias menos favoráveis com a divulgação dos “The Facebook Papers”

Vídeo

All time high do Bitcoin: como fica o mercado de criptos com a principal moeda em alta?

Analista de criptomercado comenta sobre a situação atual desse cenário

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies