Menu
2019-07-29T10:22:25-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
vem aí um novo corte?

Projeção para Selic no fim de 2019 fica em 5,5% ao ano

Taxa básica de juros tem sido mantida em 6,5% desde março do ano passado

29 de julho de 2019
8:41 - atualizado às 10:22
taxa de juros
Imagem: Shutterstock

À espera do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, o boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 29, estima a Selic (a taxa básica de juros) no fim de 2019 em 5,50% ao ano - mesma projeção da semana passada.

O Relatório de Mercado Focus trouxe também a projeção para a Selic no fim de 2020, que passou de 5,75% para 5,50 ao ano. Em 2021, a projeção ficou em 7% ao ano, assim como em 2022.

Desde março do ano passado, a taxa Selic tem sido mantida em 6,5% - seu nível mínimo histórico. Mas o Copom encontra-se há meses sob pressão dos players do mercado financeiro para realizar um corte juro - o que poderia ajudar a estimular a atividade econômica.

O BC, por outro lado, diz que a retomada da atividade não depende apenas da Selic, mas também da redução das incertezas e melhora da confiança.

Segue PIBinho

O Focus ainda trouxe a estimativa para o o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019: 0,82%, mesma projeção da semana passada. Para 2020, a estimativa dos economistas segue em 2,10%.

No fim de junho, o BC atualizou, por meio do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), sua projeção para o PIB em 2019, de alta de 2,0% para elevação de 0,8%.

No Focus desta segunda, a projeção para a crescimento da produção industrial de 2019 foi de 0,66% para 0,50%. Há um mês, estava em 0,71%. No caso de 2020, a estimativa de avanço da produção industrial seguiu em 3,00%, igual a quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2019 passou de 56,10% para 56,05%. Há um mês, estava em 56,19%. Para 2020, a expectativa seguiu em 58,30%, ante 58,55% de um mês atrás.

Déficit primário/PIB

O Focus trouxe alteração na projeção para o resultado primário do governo em 2019. A relação entre o déficit primário e o PIB este ano foi de 1,40% para 1,30%. No caso de 2020, permaneceu em 1,00%. Há um mês, os porcentuais estavam em 1,40% e 1,00%, respectivamente.

Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2019 seguiu em 6,40%, conforme as projeções dos economistas do mercado financeiro. Para 2020, seguiu em 6,05%. Há quatro semanas, estas relações estavam em 6,30% e 6,00%, nesta ordem.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

IPCA

Os economistas do mercado financeiro alteraram a previsão para o IPCA - o índice oficial de preços - em 2019. O Relatório de Mercado Focus mostra que a mediana para o IPCA este ano passou de alta de 3,78% para elevação de 3,80%. Há um mês, estava em 3,80%. A projeção para o índice em 2020 permaneceu em 3,90%. Quatro semanas atrás, estava em 3,91%.

O relatório Focus trouxe ainda a projeção para o IPCA em 2021, que seguiu em 3,75%. No caso de 2022, a expectativa foi de 3,65% para 3,50%. Há quatro semanas, essas projeções eram de 3,75% para ambos os casos.

A projeção dos economistas para a inflação está abaixo do centro da meta de 2019, de 4,25%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,75% a 5,75%).

Para 2020, a meta é de 4%, com margem de 1,5 ponto (de 2,50% a 5,50%). No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%). Já a meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (de 2,00% a 5,00%).

Câmbio e balança comercial

O relatório de mercado Focus mostrou manutenção no cenário para a moeda norte-americana em 2019. A mediana das expectativas para o câmbio no fim deste ano seguiu em R$ 3,75, ante R$ 3,80 de um mês atrás.

Para o próximo ano, a projeção para o câmbio permaneceu em R$ 3,80, igual ao verificado quatro pesquisas atrás.

Os economistas do mercado financeiro alteraram a projeção para a balança comercial em 2019 na pesquisa Focus, de superávit comercial de US$ 51,00 bilhões para superávit de US$ 52,00 bilhões. Um mês atrás, a previsão era de US$ 50,80 bilhões. Para 2020, a estimativa de superávit passou de US$ 46,50 bilhões para US$ 46,40 bilhões. Há um mês, também estava em US$ 46,40 bilhões.

Na estimativa mais recente do BC, o saldo positivo de 2019 ficará em US$ 46,0 bilhões. Esta projeção foi atualizada no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de junho.

*Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Radiocash

“Quando comecei a criar o Me Poupe, eu queria transformar finanças em mainstream”, conta Nathalia Arcuri

A plataforma de conteúdo e educação financeira tem uma CEO com uma jornada polêmica e impactante; confira no RadioCash

Economia na defesa

Privatização da Eletrobrás é ‘entrega elevadíssima’, afirma secretário de Guedes

Segundo associações do setor, o texto aprovado vai aumentar o custo da energia para consumidores em R$ 84 bilhões nas próximas décadas

Entre a cruz e a espada

Bitcoin se aproxima da “Cruz da Morte”: O que isso significa para a criptomoeda?

O bitcoin tocou essa linha imaginária no último final de semana, o que deve determinar o futuro da moeda para os próximos meses

Buscando confiança

Números de abril mostram melhora do IRB, mas queda da ação mostra que desconfiança persiste

Estratégia de rever contratos, principalmente no exterior, diminuiu as receitas fora do Brasil, mas ajudou sinistralidade e resultado final

Economia dos eua

Dirigente do Fed admite inflação alta, mas defende contínuo apoio monetário

Presidente da distrital do banco admitiu que as leituras recentes de inflação estão “altas” e devem ser monitoradas de perto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies