Menu
2019-10-14T14:55:20-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Cenário

Itaú trabalha com Selic de 4% em 2020

Banco revisou projeção de juro básico de 5% para 4,5% em 2019 e trabalha com câmbio a R$ 3,90 neste ano e R$ 4,25 em 2020

14 de outubro de 2019
10:57 - atualizado às 14:55
Montagem de meteoro no espaço em direção para baixo com o texto juros em cima; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A equipe de macroeconomia do Itaú Unibanco, liderada pelo economista Mario Mesquita, passou a trabalhar com Selic de 4,5% no fim de 2019 e de 4% em 2020, contra estimativas anteriores de 5% para o custo do dinheiro.

Em relatório, o banco afirma que os principais fatores que justificam uma política monetária ainda mais flexível já existem há algum tempo. São eles: inflação baixa, expectativas ancoradas, ampla folga econômica e consolidação fiscal. A mediana do mercado captada pelo Focus mostra juro básico em 4,75% no fim de 2019 e de 2020.

O banco pondera que o caminho para cortes adicionais foi mais claramente desbloqueado pela trégua comercial, que provavelmente resultará em menor volatilidade de ativos de risco, como o real.

Antes de seguirmos adiante, temos falado que esse cenário de juro baixo vai exigir cada vez mais dedicação dos investidores para rentabilizar seus recursos. Deixo umas dicas de leitura sobre investimentos com Selic nesses patamares. Há dicas para investidores conservadores e para os de perfil mais arrojado. Também deixo como sugestão o nosso e-book sobre investimentos em bolsa de valores.

De volta ao relatório, reflexo desse juro mais baixo, as estimativas para a taxa de câmbio saíram de R$ 3,80 para 3,90 agora em 2019 e de R$ 4 para R$ 4,25 em 2020.

Esse juro mais baixo também terá impacto sobre o desempenho da economia. O Produto Interno Bruto (PIB) deve ter crescimento de 2,2% em 2020, acima da projeção anterior de 1,7%. Neste ano, o crescimento deve ser de 1%, ante 0,8% estimados anteriormente.

Juro baixo, crescimento melhor e inflação comportada. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) projetado para 2019 é de 3,3% (3,4% anteriormente), contra uma meta de 4,25%. Para 2020, breve elevação para 3,7% (3,5% anteriormente), ante meta de 4%.

Rumos aos 4%

Além de um novo corte de meio ponto percentual no encontro de 31 de outubro do Comitê de Política Monetária (Copom), o banco passou a estimar nova redução de mesma magnitude em dezembro, seguida por dois cortes de 0,25 ponto em fevereiro e março de 2020.

No lado da inflação, o banco fala em leituras “bem-comportadas” do IPCA. Na atividade, os dados ensaiam uma recuperação mais consistente. Mas num contexto de capacidade ociosa ainda muito elevada, “melhoras nesse front ainda não representam risco relevante de pressão inflacionária no horizonte relevante de política monetária”.

Do lado externo, o Itaú avalia que o ambiente se tornou mais favorável. Os avanços recentes nas negociações entre China e EUA reduzem, ainda que não eliminem, a incerteza sobre o cenário externo.

Além disso, a desaceleração da economia americana aumenta a perspectiva de cortes de juros por parte do Federal Reserve (Fed), banco central americano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

o pior já passou?

Depois do fundo do poço, venda de veículos novos sobe 11,6% em maio

Na comparação com maio do ano passado as vendas ainda despencam, com retração de 74,6%

em meio à pandemia

Governo busca destravar crédito a pequenas e médias empresas

Além de ampliar o escopo do financiamento de salários, cuja oferta de recursos ficou bem abaixo do esperado, avança na regulamentação da linha que terá garantia do fundo de aval do BNDES

EM MEIO À PANDEMIA

Bolsonaro paga recorde de emendas parlamentares

O montante efetivamente pago também foi o maior para um único mês ao longo dos últimos anos, R$ 4 bilhões.

EFEITO CORONAVÍRUS

Alta do dólar pressiona dívida e derruba lucro das empresas em 70% no trimestre

A disparada do dólar, que ganhou força a partir do fim do carnaval, foi suficiente para azedar o resultado das operações.

ENERGIA

Aneel autoriza postergação de entrega de obras de transmissão por 4 meses

O órgão regulador também suspendeu processos de autorização de obras não urgentes.

exile on wall strett

A festa junina que podemos ter

O que você observa do mercado hoje? Querendo ou não, gostando ou não, é um mercado leve, comprador, sem vendedor marginal, migrando para ativos de risco.

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Alívio intenso

Ibovespa sobe aos 90 mil pontos e dólar cai a R$ 5,23 com menor aversão ao risco

O Ibovespa continua recuperando o terreno perdido, impulsionado pelo clima de menor aversão ao risco no mundo. No câmbio, o dólar à vista cai forte e chega às mínimas desde 17 de abril

no twitter

Grupo divulga dados pessoais que seriam de Bolsonaro, família e aliados

Um perfil publicou imagens que alega retratarem a lista de bens declarados pelo presidente, com valor idêntico à declaração apresentada ao TSE

INVESTIGAÇÃO POLÍTICA

‘Presidente esqueceu de combinar comigo’, diz Aras sobre suposto arquivamento

Cabe a Aras decidir se denuncia ou não Bolsonaro, o que poderia resultar no afastamento do presidente do cargo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements