Menu
2019-11-06T12:39:33-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Na Câmara

Campos Neto: plano é tirar o governo de cena e colocar o setor privado no lugar

Queda do juro longo, reflexo da credibilidade da política econômica, permite fazer uma reinvenção do Estado brasileiro com dinheiro privado

6 de novembro de 2019
10:09 - atualizado às 12:39
Roberto Campos Neto BC
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência na CFT da Câmara dos Deputados - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Segundo o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, a queda das taxas de juros de longo prazo é o movimento mais importante da economia, pois agora temos a possibilidade de fazer uma reinvenção do Estado brasileiro com dinheiro privado.

O presidente participa de audiência na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, onde explicou aos deputados que a taxa de retorno de projetos de infraestrutura gira entre 8,5% a 9%. Se a curva de juros de longo prazo está acima disso, não é possível financiar esses projetos com dinheiro privado.

Quando o juro longo era alto, disse ele, vivíamos em um ciclo negativo, com o governo tendo de financiar projetos, elevando a preocupação com a saúde fiscal, que resultava, novamente, em juro altos. Agora, esse ciclo foi quebrado.

Ainda de acordo com Campos Neto, estamos em um momento de crescimento mais lento, mas como ele tem e terá maior participação do setor privado, será um crescimento com melhor qualidade e maior eficiência.

Selic

Sobre a condução da política monetária, Campos Neto apenas repetiu a mensagem de que o cenário prescreve taxa de juros estimulativa e que a consolidação de um cenário benéfico para a inflação permitirá um ajuste adicional na Selic. Ampliando a transparência, disse ele, o Copom disse que esse ajuste deve ser de igual magnitude do corte anterior, de meio ponto percentual.

Sobre inflação, o presidente disse que ela está "baixa, controlada e rodando abaixo da meta". Além disso, as expectativas dos agentes de mercado estão todas ancoradas nas metas para os próximos anos.

Essa queda da inflação, reconheceu Campos Neto, é um fenômeno amplo no mundo e "isso nos permite fazer movimento de queda de juros mais eficiente"

Ainda de acordo com o presidente, a queda de juros está fazendo as pessoas a repensarem seus investimentos, com maior demanda por investimentos em bolsa e debêntures, por exemplo.

"Para o rentista, que vive de financiar o governo, está mais difícil", disse, complementando que a ideia é essa mesmo, reduzir cada vez mais a necessidade de financiar o governo, para que outros projetos tenham recursos.

Autonomia

Para defender o projeto de autonomia do Banco Central, Campos Neto apresentou um gráfico sobre o caso argentino e como a intervenção no BC de lá foi o “começo do fim”.

Perguntas e respostas

Campos Neto fez uma longa apresentação, de cerca de um hora. Nas perguntas, sem novidades, questionamentos sobre juros bancários, concentração, compulsórios (um deputado quer usar para construção civil) e reservas internacionais.

Sobre compulsórios, parcela de recursos que os bancos deixam depositadas no BC, Campos Neto explicou que não basta liberara esse recursos, temos de ter condições de mercado para que o dinheiro vire crédito.

No ano, o BC fez duas reduções que resultaram em R$ 20 bilhões liberados, mas apenas R$ 5 bilhões viram crédito, os R$ 15 bilhões estão em outras operações, como as compromissadas. Além disso, Campos Neto falou que o BC não pode, simplesmente pegar o dinheiro dos compulsórios, são recursos das instituições e seus correntistas.

No segundo bloco, Campos Neto fez um afago aos congressistas, dizendo que quem possibilitou juro abaixo de dois dígitos foram os deputados. "Se não tivesse votado teto de gastos e reforma da previdência não teria condições. Parabenizo a Casa bastante reformista", disse.

Na sequência, Campos Neto disse que quanto mais disciplinado fiscalmente, mais investimentos, mais credibilidade e mais fácil será essa reinvenção com o mundo privado.

"Ter tudo no mundo público nos custou muito caro. As empresas tinham uma agenda voltada a estar em Brasília, para ter negócios com o governo. O chefe das empresas deveria ser o consumidor", disse.

Ao comentar sobre câmbio, Campos Neto, explicou que para o BC o que importa é como a taxa de câmbio influencia o canal das expectativas. Neste ano, ressaltou o presidente, tivemos um fato praticamente inédito, com o dólar subindo e a inflação caindo. Além disso, tivemos queda no risco-país.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Agenda de resultados

Em clima de Carnaval, Ambev divulga balanço anual nesta semana; veja o que esperar dos números

Cervejaria tem tudo para entregar resultados mais positivos em 2019, após sofrer com números fracos e a maior concorrência nos últimos anos

Acesso liberado

Os segredos da bolsa: ações para não ficar de ressaca na quarta-feira de cinzas

Enquanto a bolsa está fechada para o Carnaval, fique atento ao desempenho dos ADRs de companhias brasileiras nos EUA — eles darão uma pista importante sobre como será a reabertura das negociações por aqui, na quarta-feira

Clima tenso na política

Bolsonaro ainda não respondeu carta dos governadores, diz Doria

Mandatários estaduais acusam o presidente de dar declarações que ferem a democracia brasileira

Planejando o futuro

3 erros que você deve evitar ao planejar seus investimentos para aposentadoria

Fique de olho pois nesse longo caminho existem algumas ciladas que muita gente acaba caindo

Os movimentos do magnata

Warren Buffett vendeu mais de US$ 800 milhões em ações da Apple no último trimestre. Mas o que isso significa?

Conheça algumas razões para que esse volume de ações da Apple tenha saído das mãos de um dos maiores investidores do mundo

Oportunidade como poucas

‘Brasil tem potencial para ser líder em finanças verdes’, afirma presidente do UBS

Sylvia Coutinho afirma que o país pode conseguir atrair investimentos externos se souber aproveitar essa oportunidade

Produção de biogás

O ‘pré-sal caipira’: a energia que vem da criação de porcos

Dejetos dos suínos se tornaram matéria-prima para a produção de biogás

Climão no governo

Bolsonaro afirma que ‘implodiu’ Inmetro por ‘excesso de zelo’ em regra para táxis

Conflito acabou levando para a demissão da presidente do órgão, Angela Flores

IPOs no radar

Com impulso de médias empresas, bolsa pode movimentar R$ 200 bilhões

Marcas conhecidas e empresas regionais estão buscando assessoria financeira ou até já protocolaram pedido para o IPO

Epidemia mundial

Número de infectados por coronavírus no mundo passa de 78,5 mil

Do total, 77.027 foram diagnosticados somente na China

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements