Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-10T13:50:00-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Em Nova York

Campos Neto: BC tem que manter excelente condução da política monetária

Presidente participa de evento em Nova York e reforça importância das reformas e redução das incertezas para aumento do crescimento

10 de abril de 2019
11:37 - atualizado às 13:50
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central no governo Bolsonaro
Com a proximidade da decisão do Copom, ibovespa recua e opera no vermelho hoje - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, participou de evento com investidores em Nova York, onde reforçou que o trabalho do BC é manter a inflação baixa e estável, mantendo a excelente condução da política monetária, além de continuar melhorando a sua comunicação.

O BC divulgou a apresentação de Campos Neto com os principais tópicos abordados pelo presidente. Depois divulgou seu discurso, que servirá de base para os demais eventos que o presidente terá nos EUA, até o dia 14.

No discurso, Campos Neto voltou a enfatizar as vantagens da cautela, serenidade e perseverança na condução da política monetária. Também repetiu que é importante observar o comportamento da economia brasileira ao longo do tempo, com menor grau de incerteza e livre dos efeitos dos diversos choques vistos no ano passado. E que esta avaliação demanda tempo e não deverá ser concluída a curto prazo.

Na apresentação e também no discurso, o presidente reforça pontos já abordados. O cenário global permanece desafiador, a inflação segue ao redor das metas, com expectativas ancoradas, a economia tem um processo gradual de recuperação e a Selic está em seus mínimos históricos.

Além disso, Campos Neto afirma que o Brasil tem de seguir no caminho das reformas, notadamente as de natureza fiscal, e demais ajustes na economia.

O presidente também reforçou que a instituição vai trabalhar pela autonomia formal do BC, algo que vai contribuir para reduzir os prêmios de risco. A autonomia do BC estava entre as metas de 100 dias do governo, mas deve ser atingida no curto prazo, pois o projeto de lei tratamento do tema ainda não foi encaminhado.

Uma parte da apresentação é dedicada a apontar os fatores que levam ao crescimento econômico. Segundo Campos Neto, esse é um trabalho do governo e da sociedade. Além disso, a redução de incertezas e melhora da confiança são “condições necessárias” para uma recuperação sustentada.

Também foram listadas a reforma da Previdência, e reformas para aumento da produtividade, como a tributária, além de abertura comercial e melhora no ambiente de negócios.

No lado externo, o presidente citou os riscos de desaceleração da economia mundial e aqueles associados aos processos de normalização das políticas monetárias em economias avançadas (referência aos EUA e União Europeia).

Ainda assim, Campos Neto reforçou que o país tem capacidade de lidar com eventual revés no quadro internacional, pois tem uma robusta posição no balanço de pagamentos, expectativas de inflação ancoradas e perspectivas de recuperação econômica.

Campo Neto também dedicou parte de sua apresentação para a Agenda BC mais, reforçando o foco em todos os investidores, pequenos, grandes, locais e externos. Ainda de acordo com o presidente, o BC tem de trabalhar para reduzir o custo da intermediação financeira, elevando a eficiência e a competição no sistema financeiro.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional

SALTO COM FINANÇAS

Itaú (ITUB4) escala 53 posições em ranking e se torna único brasileiro entre 500 marcas globais mais valiosas; veja lista completa

Além de figurar entre as marcas mais valiosas, o Itaú conquistou uma posição na lista dos 250 principais CEOs ou “guardiões de marca”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies