Menu
2019-08-14T15:04:06-03:00
Estadão Conteúdo
diretor do BNP Paribas

‘Brasileiro quer ampliar escopo de investimentos’

Opções como o COE dão acesso a ativos no exterior, mas estrutura complexa pode elevar custos de aplicações

10 de junho de 2019
10:35 - atualizado às 15:04
Investimentos
Investimentos - Imagem: Mind and I/Shutterstock

Produto similar às notas estruturadas, populares nos Estados Unidos e na Europa, o Certificado de Operações Estruturadas (COE) ganhou no Brasil a pecha de ser um produto caro por causa dos custos que embute. Trata-se de um ativo estruturado com base em cenários selecionados conforme o perfil do investidor: combina características de renda fixa e variável, podendo ser atrelado a câmbio, inflação, ações e ativos internacionais. "Você tem uma fórmula que diz o que ganhará", explica Benjamin Kieffer, diretor do BNP Paribas, banco que é um dos principais emissores globais desses ativos.

O executivo francês, que hoje trabalha na criação de um investimento com desempenho atrelado a empresas de capital fechado no Vale do Silício, destaca que os custos dos COEs vêm da própria confecção do produto. "Há mais custos do que apenas comprar uma ação. Usamos derivativos complexos." Leia os principais trechos da entrevista.

O brasileiro está mais interessado em investir lá fora?

Os investidores tentam aplicar globalmente para ter novas fontes de retorno e de diversificação. No Brasil, há investidores tentando ampliar o escopo de seus investimentos. Nossa colaboração com a Forge, especializada em acesso a companhias privadas do setor de tecnologia, é para permitir que nossos clientes cheguem a um novo mercado. Ele é fácil de acessar se você mora em São Francisco e tem conexões com o Vale do Silício. Mas, se você não mora nos Estados Unidos, é mais difícil. Muitas companhias não abrem mais o capital.

Por que elas preferem continuar privadas?

Primeiro porque hoje há muito capital que pode ser levantado sem ir a público. Segundo, por causa da regulação. Em vários países, a legislação permitiu que empresas tivessem mais acionistas sem serem públicas. E alguns fundadores sentem que a necessidade constante de lucrar pode não estar alinhada à estratégia de crescimento, que o momento de lucrar pode ter de esperar. Em 2018, houve três vezes mais dólares levantados nos EUA em operações privadas do que com IPOs (aberturas de capital). Quando falamos dos unicórnios (companhias de mais de US$ 1 bilhão) no mercado fechado, elas somam US$ 1,2 trilhão.

Como o investidor pode acessar essas empresas?

Há o investidor sofisticado, que conhece as companhias e pode investir diretamente nelas. Estamos construindo um produto que daria acesso a uma cesta com essas companhias de maneira diversificada, a qualquer investidor.

O tamanho do mercado de derivativos daqui ajuda?

O que é importante para fabricar o produto é a liquidez. É verdade que o mercado futuro de ações é mais líquido aqui e isso ajuda. Pelo fato de criarmos produtos personalizados, às vezes o que precisamos transacionar não existe. Era difícil negociar, por exemplo, opções de longo prazo no Brasil. Como há demanda, um banco começa a tomar risco para ajudar o cliente e outros seguem, criando liquidez. Estivemos nessa liderança. Já criamos produtos difíceis de proteger, tomamos algum risco para depois ir ao mercado para compensá-lo.

Como o COE compete com opções mais baratas?

Não diria que tem taxas mais altas, mas a estrutura é diferente. Se você pegar um fundo, terá de pagar taxa de administração. Para criar esse produto, juntamos algumas peças e na fórmula em si não há taxas. No modelo das corretoras, elas ganham comissões. Diria que talvez haja mais custos para criar o produto, porque usamos derivativos complexos. Então há mais custos do que apenas comprar uma ação. Mas você ganha o que vê no início do investimento.

Há perspectiva de baixar os custos?

Quanto mais líquido for o mercado em que o produto está baseado, menor será o custo. Fabricantes de produtos financeiros, como o BNP, têm de ter cuidado para escolher as peças mais eficientes e compatíveis. Nosso trabalho é entregar ao investidor o que ele procura. O investidor ou distribuidor pode escolher as condições que preferir. Por exemplo, mais e mais investidores querem ter um investimento com responsabilidade social. Tipicamente pode haver menos liquidez em índices desse tipo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

FOI BOM

Gerdau registra maior Ebitda desde 2008 no 3º trimestre

Aumento das vendas no mercado interno e depreciação do real ante o dólar puxa desempenho da siderúrgica para cima

Mercados hoje

Dólar supera os R$ 5,70 e Ibovespa tem queda de 2% com cautela no exterior e Copom no radar

O avanço da covid-19 no exterior mina qualquer chance de recuperação dos mercados internacionais. A agenda doméstica cheia também pressiona os negócios

Disputa parece longe do fim

Ser Educacional não desiste e recorre de decisão que invalida acordo com Laureate

A companhia afirma se manter certa de seus direitos e diz que tomará todas as medidas cabíves para manter o acordo inicial válido

ATENÇÃO, ACIONISTA

Petrobras altera política de remuneração para pagar dividendos mesmo em caso de prejuízo

Administração poderá propor o repasse de proventos, mesmo sem a apuração de lucro, caso se verificar redução da dívida líquida nos 12 meses anteriores

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

11 notícias para começar o dia bem informado

Começo esta newsletter sem delongas: fique ligado hoje no Seu Dinheiro, pois será um dia importante para os mercados. Os investidores aguardam com expectativa números que serão conhecidos após o fechamento do pregão. Estou falando da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a taxa básica de juros, a Selic, e também dos balanços de […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies