Menu
2019-04-05T15:46:25-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
E as reformas?

Será que o Temer e seus amigos vão travar mais uma reforma da Previdência?

Segundo o cientista político e vice-presidente da Arko Advice, Cristiano Noronha, episódio gera ruído para o governo, mas não altera perspectiva de aprovação

21 de março de 2019
15:38 - atualizado às 15:46
Michel Temer e Jair Bolsonaro
Presidente Michel Temer ao lado de presidente eleito, Jair Bolsonaro - Imagem: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

A prisão do ex-presidente Michel Temer repercute no mundo político e no mercado financeiro trazendo preocupações sobre o andamento da agenda de reformas do governo Jair Bolsonaro no Congresso. O evento é negativo, sem dúvida, mas não catastrófico.

Para o cientista político e vice-presidente da Arko Advice, Cristiano Noronha, apesar de criar um embaraço no curtíssimo prazo, o evento não altera a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência.

Noronha lembra que outros eventos de prisão de políticos relevantes como o ex-presidente Lula e o ex-deputado federal Eduardo Cunha também geraram expectativas de que a classe política poderia se rebelar, “mas nada disso aconteceu”.

Noronha e sua equipe já conversaram com diversos parlamentares depois do evento e a principal dúvida dos congressistas (e dele também) é a fundamentação da prisão não só de Temer, mas de outras pessoas envolvidas, e o motivo dessa ação estar ocorrendo agora.

Por ora, diz Noronha, com mais esse ruído, é possível que o governo tenha de aumentar sua cautela no diálogo com o Congresso, mas que esse é um evento de curto prazo.

“Gera ruído, tem consequências, mas não altera a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência”, diz Noronha.

Militares

Para Noronha, a reforma dos militares, enviada ontem ao Congresso e já criticada por conter uma reformulação de carreiras, pode ser utilizada para reforçar os argumentos daqueles que já defendiam algum tipo de compensação ou suavização para determinados grupos dentro da reforma geral.

“O texto dos militares reforça esse argumento, mas também não inviabiliza a reforma. O governo vai ter de operar para que reforma dos militares não acabe criando justificativa para desidratar a reforma geral”, diz o especialista.

Dentro desse grupo que pode usar o texto dos militares para buscar benefício próprio, segundo Noronha, está o funcionalismo público, que para travar o andamento da reforma, propaga que o projeto tira direito dos mais pobres e entrega a Previdência para os banqueiros.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

seu dinheiro na sua noite

E essa Black Friday em ano de crise, vai dar bom?

Estamos prestes a viver uma Black Friday num ano de forte crise, em que as pessoas ficaram confinadas em casa. Definitivamente não é o melhor dos cenários para uma data tão voltada para o consumo. Por outro lado, foi na internet que a Black Friday ganhou força no Brasil, e o e-commerce deu um enorme […]

alta de 32% no ano

Parte da desvalorização maior do real se deve à dívida, diz presidente do BC

Roberto Campos Neto lembrou que o encerramento do ano é, tradicionalmente, um período de mais remessas de recursos ao exterior

fim do dia

O rali continua: Ibovespa deixa Wall Street de lado e sobe quase 20% em novembro

Ações de CVC e siderúrgicas lideram alta do índice. Dólar cai com fluxo e divulgação do dado das contas externas e juros recuam de olho em fiscal

Em pleno calendário eleitoral

Senado aprova mudanças na Lei de Falências

O projeto amplia o financiamento a empresas em recuperação judicial, permite o parcelamento e o desconto para pagamento de dívidas tributárias e possibilita aos credores apresentar plano de recuperação da empresa

Olha o Gol

Boeing 737-8 Max é autorizado a retornar operações no Brasil pela Anac

A informação é vista com bons olhos pela Gol, que é a única credenciada a operar o modelo no Brasil.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies