Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-05-06T21:26:46-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Todos ligados na TV Câmara

Reforma da Previdência volta a andar no Congresso Nacional

Depois de uma semana de “descanso”, deputados retomam debates sobre o texto na Comissão Especial. Na pauta, o plano de trabalho e 100 requerimentos

7 de maio de 2019
4:55 - atualizado às 21:26
Comissão Especial Previdência
Instalação da Comissão especial da reforma da Previdência e eleição do presidente e dos vice-presidentes - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

A Comissão Especial destinada a avaliar a reforma da Previdência tem reunião na tarde desta terça-feira, 14h30. Em discussão, o plano de trabalho do presidente, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), e do relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

O mercado deve acompanhar as sessões de perto, fazendo contas e aguardando o relatório de Moreira, que vai dar uma boa ideia de qual será o tamanho da reforma, ou quanto do R$ 1,2 trilhão proposto pelo Executivo vai sobrar após as negociações políticas. O texto poderá sofrer novas modificações no plenário na Câmara.

Na semana passada, Ramos anunciou que a ideia é realizar audiências públicas com autoridades e especialistas ao longo do mês de maio e debater o conteúdo da reforma no mês de junho, já que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pretende votar o texto em julho, no plenário. A oposição já disse que quer alongar mais os debates.

O plano de trabalho será debatido hoje na Comissão Especial, que também vai avaliar os 100 requerimentos já apresentados pelos deputados. Já há convites para ouvir o ministro Paulo Guedes, por exemplo. Deverão ser ouvidas cerca de 60 pessoas, entre membros do governo, academia e de diferentes associações. A ideia inicial era fazer três sessões por semana.

No período das audiências públicas também ocorre a apresentação de emendas ao texto. Por ora, há apenas três emendas já formalizadas, uma tratando de aposentadorias rural e outras duas sobre as regras de transição para aposentadorias especiais e de professores.

Em artigo semanal publicado no jornal “Agora” do Amazonas, Ramos volta a dizer que a reforma da Previdência “é o Plano Real dessa geração”, mas pondera que é preciso um compromisso social com as pessoas mais humildes. Por isso, diz que agirá como “um guardião das aposentadorias de trabalhadoras rurais, pescadores, professores e dos benefícios de idosos e deficientes de baixa renda”.

Votos

Segundo Ramos, a votação do relatório de Samuel Moreira tem que ser coordenada com a construção de maioria no plenário. “Não adianta votar na comissão sem garantia de maioria no plenário”, disse na semana passada.

A Comissão Especial tem até 40 sessões para debater o tema. Quanto antes o texto sair de lá, é sinal de que o governo já angariou os 308 votos necessários para aprovação em plenário.

Para aprovação na Comissão Especial são necessários 25 votos dos 49 deputados que participam. Na semana passada, o governo disse já ter 19 desses votos, outros 13 condicionam a aprovação a modificações no texto.

Desidratação

Os pontos mais criticados pelos deputados envolvem as mudanças na aposentadoria rural, no BPC e no abono salarial. Juntas, essas medidas representam cerca de R$ 308 bilhões, da economia de R$ 1,2 trilhão estimada pelo governo.

O secretário Especial de Previdência, Rogério Marinho, diz que o governo vai defender a integralidade da proposta. Tanto Marcelo Ramos quanto Samuel Moreira já deram indicações de que podem procurar outras fontes de receita para os itens que venham a ser modificados.

Também há um embate entre deputados e governadores sobre a extensão das novas regras previdenciárias para os entes federados. Estudo do Ministério da Economia mostra uma economia de R$ 350 bilhões para os Estados.

Os governadores, segundo o ministro Paulo Guedes, dizem precisar da reforma e apoiam as novas regras. Mas os deputados do chamado Centrão, cobram uma defesa explícita pelos governadores, que estariam criticando a reforma em suas bases eleitorais, deixando o ônus da matéria apenas com os parlamentares.

Sem reeleição

Também na semana passada, o deputado Paulinho da Força (SD-SP) disse que o Centrão quer uma reforma que não garanta a reeleição de Bolsonaro.

A fala serve para lembrar que a lógica da política é o poder e que por mais que os deputados falem em “pensar no povo” ou em um “bem maior”, as negociações terão de envolver a divisão de poder e de eventuais dividendos eleitorais com a reforma.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Balanço do mês

Bitcoin, ouro e dólar se recuperam em julho, enquanto bolsa é um dos piores investimentos do mês

Fundos imobiliários também se saíram bem, depois que tributação dos seus rendimentos foi retirada da reforma do imposto de renda

próximos anos

Eletrobras aprova em conselho plano de negócios com desinvestimentos de R$ 41 milhões

Entre as medidas previstas está a avaliação de oportunidades para efetuar a gestão dos passivos provenientes de dívidas do Sistema Eletrobras

temporada de resultados

Lucro da Alpargatas, dona da marca Havaianas, cresce 228,7%, R$ 111 milhões

Receita líquida da companhia saltou 71,4% sobre igual intervalo de 2020, para R$ 1,095 bilhão, ao mesmo tempo em que os volumes registraram crescimento de 57%

seu dinheiro na sua noite

As corridas da bolsa e do dólar — e a frustração dos investidores na linha de chegada de julho

Nove em cada dez operadores do mercado financeiro juram, de pés juntos, que o último pregão do mês costuma ser positivo. Ora essas, é a data limite para o fechamento das lâminas de desempenho mensal dos fundos e das carteiras de investimento — e é claro que todo mundo quer estampar o melhor resultado possível. […]

decisão temporária

CVM suspende oferta de recebíveis que financiaria cooperativas do MST

Decisão da autarquia vale por 30 dias; CVM diz que a oferta não apresenta informações consideradas essenciais para os investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies