Menu
2019-11-12T06:33:55-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado torce por boas novas

Investidor busca por notícias que apontem para acordo comercial de fase 1 entre EUA e China, enquanto tenta se desviar da turbulência política na América Latina

12 de novembro de 2019
5:30 - atualizado às 6:33
sorte
Sinal positivo prevalece entre os ativos de risco no exterior

Os mercados internacionais amanheceram em alta nesta terça-feira, após uma sessão de ganhos na Ásia, o que sustenta o sinal positivo em Nova York e na Europa, com os investidores aguardando novidades no front comercial, enquanto monitoram o cenário político mais conturbado no Brasil e no exterior. Ainda assim, há certo nervosismo nos negócios, em meio à espera por notícias concretas sobre um acordo entre EUA e China.

As mensagens mistas vindas da Casa Branca sobre a remoção de tarifas existentes contra produtos chineses deixam dúvidas sobre quando e onde Washington e Pequim irão assinar a primeira fase de um acordo comercial. Mais que isso, há incertezas sobre o conteúdo do termo a ser assinado. Já em relação à Europa, parece que o presidente norte-americano Donald Trump está disposto em adiar a taxação de 25% sobre automóveis.

Em reação, as principais bolsas asiáticas fecharam a sessão em alta, na expectativa de que alguma anúncio seja feito sobre o acordo com a China, relegando mais um dia de protestos em Hong Kong. O índice Hang Seng fechou em alta de 0,4%, digerindo a notícia de que a polícia da ex-colônia britânica irá tomar medidas mais duras para controlar os protestos. Xangai subiu 0,2%, enquanto Tóquio liderou os ganhos na região e avançou 0,8%.

Em Wall Street, os índices futuros das bolsas de Nova York estão no azul, em meio à reta final da temporada de balanços e à espera de um discurso de Trump durante um evento na cidade. A expectativa é de que a fala dele dê detalhes sobre um possível encontro com o presidente chinês Xi Jinping para assinar o acordo comercial. O líder do Partido Comunista chega amanhã ao Brasil, para participar da 11ª cúpula dos países dos Brics.

Nos demais mercados, destaque para a libra esterlina, que segue pressionada pelo imbróglio político no Reino Unido em torno da saída da União Europeia (UE) e a expectativa por novas eleições no país. Já o iene avança frente ao dólar, com a moeda norte-americana monitorando o comportamento dos bônus. Nas commodities, o petróleo ensaia uma recuperação e sobe, enquanto o ouro cai.

Política em foco

Esse desempenho lá fora deve favorecer os mercados domésticos, com os investidores ainda avaliando os impacto da soltura do ex-presidente Lula.A decisão do STF reacendeu o temor de polarização política, o que pode impactar no andamento da agenda de reformas do governo no Congresso. Além da capacidade do líder petista de formar uma oposição mais organizada, os parlamentares tendem a desviar o foco para propostas (PEC) capazes de reverter a decisão da Corte Suprema sobre a prisão após condenação em segunda instância.

Porém, o tema não tem o apoio de muitos da classes política. Ainda assim, o esforço da Câmara e do Senado em discutir medidas que permitam, constitucionalmente, prisão após segunda instância tende a deixar em segundo plano o pacote de cunho fiscal elaborado pela equipe econômica do ministro Paulo Guedes.

A intenção era aprovar as reformas estruturais (tributária, administrativa e de emergência fiscal) antes das eleições municipais de 2020. Mas a mobilização da esquerda - e o contra-ataque de apoiadores do governo Bolsonaro - agora com Lula livre pode redesenhar o cenário para o pleito, lançando luz para a disputa presidencial em 2022.

Hoje, será promulgada a PEC da reforma da Previdência, em sessão solene no Congresso. Com isso, passam a valer as novas regras para aposentadoria, exceto as alíquotas de contribuição, que entram em vigor após 90 dias. Portanto, as novas cobranças serão descontadas no salários de março de 2020.

A cena política em outros países da América Latina - após a vitória da chapa de Cristina Kirchner nas eleições da Argentina; a renúncia de Evo Morales ao cargo de presidente na Bolívia e a convocação de nova Constituinte no Chile - tende a exacerbar os nervos dos investidores, com a situação na região sendo mal vista especialmente pelo estrangeiros.

Dia de agenda fraca

A agenda doméstica desta terça-feira traz como destaque o desempenho do setor de serviços em setembro, às 9h. Na safra de balanços, destaque para os resultados trimestrais de Embraer, antes da abertura. Já no exterior, o calendário norte-americano está esvaziado hoje, enquanto na Europa sai o índice ZEW de sentimento econômico, logo cedo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

olho na bolsa

Panvel anuncia oferta que pode movimentar R$ 1,2 bilhão

Empresa deve usar parte dos recursos para investir em novas lojas, tecnologia da informação e infraestrutura de logística

Especial SD

Onde investir no 2º semestre: a bolsa tem potencial para continuar se recuperando, mas há riscos no radar

Após desabar rumo aos 60 mil pontos em março, o Ibovespa se recuperou e, neste início de julho, já conseguiu retornar aos 100 mil pontos. Para analistas, a tendência continua positiva para a bolsa, embora existam incertezas importantes para o mercado de ações

SD Premium

Os segredos da bolsa: o exterior decide se o Ibovespa segue em alta ou entra em correção

O que esperar do Ibovespa após a retomada do patamar dos 100 mil pontos? No curto prazo, o exterior tende a dar as cartas para a bolsa — e a agenda econômica carregada pode trazer instabilidade

números da pandemia

Brasil chega a 72,1 mil mortes por covid-19, diz Ministério da Saúde

Foram registrados 24.831 novos casos da doença; total chegou a 1.864.681

entrevista

‘Brasil virou pária do investimento internacional’, diz Persio Arida

Um dos signatários da carta de ex-ministros da Fazenda e do BC em defesa de uma retomada econômica “verde”, ele observa que o presidente tem feito uma “política ambiental horrenda” e na contramão do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements