Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-26T10:51:00-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
ministro pistola

Guedes renova esperança com avanço de reformas e critica Maia

Ministro critica “disfuncionalidade” do sistema político por permitir que centro-esquerda domine votações, apesar da vitória da centro-direita nas eleições

26 de janeiro de 2021
10:50 - atualizado às 10:51
Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O ministro da Economia, Paulo Guedes, acredita que a agenda de reformas pode avançar agora que o governo conseguiu achar seu “eixo político”, dois anos após ser eleito, fazendo críticas ao atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acusando-o de obstruir a votação dos projetos.

Na abertura de evento virtual promovido pelo banco Credit Suisse, Guedes criticou a “disfuncionalidade” do sistema político brasileiro, atribuindo a ele a demora na aprovação da pauta de reformas, marco regulatórias e de medidas para aumentar os investimentos privados. Essa disfuncionalidade, segundo ele, fez com que uma aliança de centro-esquerda liderada por Maia travasse essa agenda, em detrimento da vontade expressada pela população, com a eleição de diversos nomes da direita.

“O presidente Bolsonaro foi eleito comandando uma aliança entre conservadores em costumes e de liberais na economia, uma aliança de centro-direita”, disse. “Não é razoável, isso é uma disfuncionalidade do nosso sistema política, termos uma maioria de centro direita, mas ter a pauta controlada por uma aliança de centro-esquerda.”

O ministro da Economia espera que a eleição de aliados para o comando da Câmara e do Senado destrave as reformas, afirmando que eles são “fundamentais para recuperar a dinâmica de crescimento, dinâmica que foi perdida ao longo de décadas”.

“Sabemos que temos um Congresso reformista. Os partidos de centro-direita ganharam a eleição. Com a maioria assumindo o comando, é provável que desobstrua a pauta”, afirmou.

Preparados para a segunda onda

Paulo Guedes disse também que o governo saberá agir com os estímulos necessários caso uma segunda onda de contaminações pelo novo coronavírus.

De acordo com ele, o governo apresentou na PEC do pacto federativo um "protocolo de crise" a ser acionado em caso de necessidade, que consiste numa cláusula de calamidade pública na PEC do pacto federativo, travando todas as despesas e dedicando recursos a um auxílio emergencial.

"Se a pandemia faz a segunda onda, com mais de 1,5 mil, 1,6 mil, 1,3 mil mortes, saberemos agir com o mesmo tom decisivo, mas temos que observar se é o caso ou não", afirmou.

O ministro ressaltou seu otimismo em relação ao processo de vacinação, citando inclusive a autorização do governo federal para que o setor privado compre imunizante, desde que metade seja repassado ao SUS.

“Sabemos como vacinar em massa e rapidamente devemos estar entre os países que mais vacinam”, disse. “O Brasil vai subir verticalmente na escala da vacinação em massa.”

* Com informações da Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

no prelo

Biografia: autor de livro sobre Steve Jobs escreverá sobre Elon Musk

Segundo o bilionário, o autor Walter Isaacson o seguiu por vários dias para recolher material para o novo livro

ONDE INVESTIR EM AGOSTO

Onde investir em agosto de 2021: ações de tecnologia, o coração do bitcoin e um combo de ‘retorno absoluto’; veja recomendações

O CIO da Vitreo, Jojo Wachsmann, separou as três melhores pedidas para investidores no mês de agosto; Confira

fique por dentro

Selic hoje está em 5,25% ao ano; entenda em 5 pontos a alta dos juros

Banco Central está subindo a taxa básica de juros a quatro reuniões; a autoridade monetária já contratou mais um ajuste; entenda as razões e como ela afeta sua vida

Privatização dos correios

Câmara dá início à sessão que discute privatização dos Correios; acompanhe

A venda da estatal está prevista no Projeto de Lei 591/21, do Poder Executivo; a proposta permite a transformação dos Correios em empresa de economia mista

Alta (segura) dos papéis

Parceria com o Grupo Caoa faz ações da seguradora Wiz (WIZS3) subirem mais de 5%; confira detalhes do acordo

A empresa celebrou uma parceria comercial contratual com prazo de vigência de 12 meses com a Caoa Corretora de Seguros, por meio de sua controlada Wiz Conseg

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies