Menu
2021-01-26T10:51:00-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
ministro pistola

Guedes renova esperança com avanço de reformas e critica Maia

Ministro critica “disfuncionalidade” do sistema político por permitir que centro-esquerda domine votações, apesar da vitória da centro-direita nas eleições

26 de janeiro de 2021
10:50 - atualizado às 10:51
Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O ministro da Economia, Paulo Guedes, acredita que a agenda de reformas pode avançar agora que o governo conseguiu achar seu “eixo político”, dois anos após ser eleito, fazendo críticas ao atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acusando-o de obstruir a votação dos projetos.

Na abertura de evento virtual promovido pelo banco Credit Suisse, Guedes criticou a “disfuncionalidade” do sistema político brasileiro, atribuindo a ele a demora na aprovação da pauta de reformas, marco regulatórias e de medidas para aumentar os investimentos privados. Essa disfuncionalidade, segundo ele, fez com que uma aliança de centro-esquerda liderada por Maia travasse essa agenda, em detrimento da vontade expressada pela população, com a eleição de diversos nomes da direita.

“O presidente Bolsonaro foi eleito comandando uma aliança entre conservadores em costumes e de liberais na economia, uma aliança de centro-direita”, disse. “Não é razoável, isso é uma disfuncionalidade do nosso sistema política, termos uma maioria de centro direita, mas ter a pauta controlada por uma aliança de centro-esquerda.”

O ministro da Economia espera que a eleição de aliados para o comando da Câmara e do Senado destrave as reformas, afirmando que eles são “fundamentais para recuperar a dinâmica de crescimento, dinâmica que foi perdida ao longo de décadas”.

“Sabemos que temos um Congresso reformista. Os partidos de centro-direita ganharam a eleição. Com a maioria assumindo o comando, é provável que desobstrua a pauta”, afirmou.

Preparados para a segunda onda

Paulo Guedes disse também que o governo saberá agir com os estímulos necessários caso uma segunda onda de contaminações pelo novo coronavírus.

De acordo com ele, o governo apresentou na PEC do pacto federativo um "protocolo de crise" a ser acionado em caso de necessidade, que consiste numa cláusula de calamidade pública na PEC do pacto federativo, travando todas as despesas e dedicando recursos a um auxílio emergencial.

"Se a pandemia faz a segunda onda, com mais de 1,5 mil, 1,6 mil, 1,3 mil mortes, saberemos agir com o mesmo tom decisivo, mas temos que observar se é o caso ou não", afirmou.

O ministro ressaltou seu otimismo em relação ao processo de vacinação, citando inclusive a autorização do governo federal para que o setor privado compre imunizante, desde que metade seja repassado ao SUS.

“Sabemos como vacinar em massa e rapidamente devemos estar entre os países que mais vacinam”, disse. “O Brasil vai subir verticalmente na escala da vacinação em massa.”

* Com informações da Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies