Menu
2019-11-12T12:48:45-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Fila andou

Sem Bolsonaro, Alcolumbre e Maia assinam promulgação da reforma da Previdência

Na mesa da sessão, estavam apenas parlamentares, entre eles integrantes dos comandos da Câmara e do Senado e líderes do governo. Novas alíquota entram em vigor em março de 2020

12 de novembro de 2019
12:32 - atualizado às 12:48
Maia Alcolumbre
Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre promulgam reforma da Previdência - Imagem: Geraldo Magela/Agência Senado

Sem a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro, e de ministros do governo, o Congresso Nacional promulgou, nesta terça-feira, 12, a reforma da Previdência.

A promulgação foi assinada pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), em sessão solene do Congresso no plenário do Senado. As novas regras entram em vigor com a promulgação. Mas pontos específicos, com as novas alíquotas de contribuição, valerão a partir de 1º de março de 2020.

Em seus discursos, tanto Maia quanto Alcolumbre destacaram o papel da política como ferramenta para a busca do entendimento nacional. Segundo Maia, "a política é a solução dos nossos problemas", depois de citar um episódio envolvendo o presidente chileno, Sebastián Piñera, que queria reduzir o número de deputados e agora está enfrentando protestos e propondo uma nova constituinte.

Já Alcolumbre disse que só o dialogo, o entendimento e a conciliação serão capazes de construir as soluções que tanto precisamos. Segundo o presidente do Senado, a reforma não poupou o R$ 1 trilhão originalmente proposto pelo governo, "mas poupou sofrimento dos brasileiros mais vulneráveis.

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, e outros integrantes da pasta acompanharam a sessão. Nos bastidores, Marinho manifestou satisfação pela promulgação, deixando claro que há outros desafios na sequência.

Na mesa da sessão, estavam apenas parlamentares, entre eles integrantes dos comandos da Câmara e do Senado e líderes do governo.

Bolsonaro chegou a dizer pela manhã que decidiria se iria à cerimônia. Pouco antes do evento, parlamentares foram informados que o presidente não estaria presente.

Alcolumbre minimizou a ausência de Bolsonaro. "É um sinal de que o governo federal, através do Poder Executivo, e o parlamento brasileiro estão trabalhando em harmonia, mas em independência, respeitando cada um o papel do outro", afirmou o presidente do Senado.

Ele citou que, em diversas sessões anteriores de promulgação de emendas constitucionais, não houve a presença do chefe do Executivo.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

AGRONEGÓCIO

Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta

o Brasil deverá colher um recorde de 247,4 milhões de toneladas de grãos na safra que se encerra neste ano, 2,5% acima de 2019, conforme o IBGE.

CORONACRISE

Pandemia causou impacto em 57% das companhias exportadoras, revela CNI

Em 42% das empresas afetadas, vendas externas caíram a menos da metade

FII do mês

Os melhores fundos imobiliários para investir em julho segundo 7 corretoras

FII queridinho do mês recebeu quatro indicações, mas outros cinco fundos receberam duas indicações cada um

mp 925

Câmara conclui votação de MP da Aviação e texto segue para Senado

A proposta traz ações emergenciais ao setor de aviação civil para mitigar os efeitos da crise gerada pela pandemia

mundo aéreo

Azul vende participação de 6% na TAP para governo português, por R$ 65 milhões

A companhia aérea Azul informou nesta quarta-feira, 8, que vendeu a participação indireta de 6% que detinha na aérea portuguesa TAP, para o governo de Portugal. O valor fechado foi de R$ 65 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements