Menu
2019-04-05T10:40:59-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Abrindo os trabalhos

Reforma da Previdência está nas mensagens de Bolsonaro, Maia e Davi ao Congresso Nacional

Na abertura do ano legislativo, Bolsonaro fala em Previdência moderna e fraterna, e presidentes da Câmara e Senado destacam urgência da medida

4 de fevereiro de 2019
16:59 - atualizado às 10:40
presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ); presidente do Senado Federal, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ); presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). - Imagem: Pedro França/Agência Senado

Em seus discursos ao Congresso, os presidentes Jair Bolsonaro, Rodrigo Maia (Câmara) e Davi Alcolumbre (Senado) abordaram a importância da reforma da Previdência como medida necessária ao equilíbrio das contas públicas.

A mensagem de Bolsonaro, que segue internado em São Paulo, foi entregue ao presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre, pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e foi lida pela primeira secretária da mesa da Câmara, deputada Soraya Santos.

Bolsonaro afirma que os primeiros passos estão sendo dados, que o Brasil volta a ser olhado como um local seguro para investimento e repleto de oportunidades, que temos melhora no emprego, renda, confiança abertura de postos de trabalho. Mas que o “grande impulso vira com o projeto da nova Previdência”, pauta vista como de “fundamental importância”.

“Estamos concebendo uma proposta moderna e, ao mesmo tempo, fraterna”, que preserve o equilíbrio atuarial com as necessidades de quem mais precisa, separando previdência de assistência e combatendo fraudes e privilégios.

Também foi reafirmada a intenção de criar contas individuais (sistema de capitalização) para que “os jovens possam sonhar com seu futuro”. Iniciativa que busca elevar a poupança nacional, ajudando a promover o investimento e o crescimento.

O "Broadcast/Estadão" teve acesso a um texto preliminar da reforma, que prevê que homens e mulheres tenham idade mínima de 65 anos para se aposentarem no Brasil. A proposta que tramita no Congresso prevê idade mínima de 62 anos para mulheres. A nova Previdência também prevê que o tempo mínimo de contribuição para o brasileiro se aposentar deve subir para 20 anos e, nesse caso, o trabalhador poderá receber apenas 60% do benefício. A cada ano a mais, acrescentará dois pontos porcentuais até chegar a 100% do benefício com 40 anos.

Bolsonaro também fala na criação de um ciclo virtuoso, com aumento da confiança, dos negócios e do emprego.

Rodrigo Maia

Em seu discurso, Maia falou que o desequilíbrio fiscal levanta interrogações sobre a capacidade de recuperação da economia e que a “realidade aponta para a necessidade inexorável da reforma” da Previdência.

Segundo Maia é “imperativo” enfrentar esse desafio da Previdência, tido por ele como o “maior dessa legislatura”.

Ainda de acordo com o deputado, o Congresso pode e deve discutir “fatores pontuais quanto a sua implementação”, que há consciência dessa “responsabilidade muito grande” e que reforma tem de ser feita com ‘sensibilidade” para que o sacrifício imposto à população não seja “demasiado e injustamente distribuído”.

Davi Alcolumbre

O presidente do Senado e também presidente do Congresso, Davi Alcolumbre, falou que as urgências são muitas, pediu bom senso e avaliação colegiada para termos pontos de convergência para superação de entraves, como o desemprego, e capacidade de gerar desenvolvimento econômico e social.

Para o senador, entre os ajustes “prementes e necessários” a primeira reforma é a da Previdência, que busca o equilíbrio das contas públicas para a União, Estados e Municípios.

Outra reformas explicitamente citadas foram a tributária, a administrativa e a revisão do pacto federativo.

Para que essa agenda de reformas seja bem-sucedida, o senador falou em “ampla discussão”, ouvindo os entes federados, partidos e também pediu “efetiva participação popular”.

Demais temas

Bolsonaro disse que o governo trazia ao parlamento uma mensagem de esperança e reconstrução de valores da civilização judaico-cristã, depois de um assalto ao Estado e de uma “dilapidação moral e ética”. Em clara referência ao PT criticou a corrupção como meio de custear um projeto de poder continental.

O presidente também declarou “guerra ao crime organizado”, sem pena ou medo dos criminosos e falou em leis mais duras. No campo ambiental, falou em sobreposição de fiscalização que inibe quem produz, mas não coíbe desastres como o de Brumadinho. Reforçou o apoio do governo às vítimas da tragédia e falou em melhorar o modelo de fiscalização de barragens. “Não é com Estado mais pesado que vamos resolver, mas com Estado mais eficiente”, disse.

Bolsonaro falou que o Executivo e o Legislativo têm grande responsabilidade e devem acreditar mais no Brasil que nas “soluções de Brasília” e que a administração pública voltará a servir à população.

O presidente também deixou claro o que rejeita, como ditaduras, opressão, desrespeito aos diretos humanos e modelos que subjugam os Poderes Legislativos. Nesse ponto pediu que a oposição respeite o país. “Rejeitamos, ainda, a perseguição à oposição, a quem pedimos apenas: respeito ao país e dignidade no exercício de seu legítimo papel”.

Ao falar sobre educação, voltou a condenar a “doutrinação ideológica”, e falou em recolocar o aluno no centro do projeto educacional. Foi aplaudido ao falar em profissionais da educação mais respeitados e valorizados.

Bolsonaro também falou em transformar o país com base em “estudos sólidos e fundamentados”, respeito à liberdade de imprensa, opinião e pensamento e que “juntamente com o Congresso vamos resgatar o Brasil”.

Desejo de Mudança

Maia e Davi falaram no “desejo de mudança” da população que se transfigurou em forte renovação na Câmara dos Deputados e no Senado. Segundo Maia, essa nova configuração com mais partidos vai exigir responsabilidade e esforço para construção de acordos.

Davi, eleito presidente do Senado no sábado, falou que a atual legislatura “representa a mudança, o novo e a esperança”. Destacou que a população quer honestidade e transparência e que a nova forma de fazer política acontece sob os olhares atentos e participativos da população.

Ele lembrou que Bolsonaro, em seu discurso de posse, pediu pacto entre os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário na busca de novos caminhos e que não há mais espaço para pautas distantes da realidade e antagonismo entre os Poderes.

Davi também fez menção ao seu processo de eleição, que foi marcado por embate sobre a abertura ou não dos votos. Ele se comprometeu em acabar com o “segredismo” e afirmou que o Senado não teve temer a crítica das ruas: "devemos ouvi-la com atenção e acolhê-la com humildade".

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Renovação do Conselho

Comitê interno da Petrobras desaprova dois nomes indicados ao Conselho

Indicados foram considerados inaptos pelo Comitê de Pessoas por terem atuado em empresas com relação direta com a estatal nos últimos três anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies