Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-30T18:48:07-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
De olho nas privatizações

Olha como elas estão…Principais estatais federais registram lucro líquido 147% maior em 2018 em relação ao ano anterior

Dentre as principais estatais federais que apresentaram maior crescimento no lucro líquido está a Petrobras, que obteve lucro de R$ 26,7 bilhões em 2018, o que representa um aumento de 6.981,7%

30 de abril de 2019
16:42 - atualizado às 18:48
Privatização
Imagem: Andrei Morais/Montagem

No radar das discussões sobre privatização, o Ministério da Economia divulgou hoje (30) novo relatório sobre o tema. Segundo os dados apresentados, o lucro líquido das principais estatais federais fechou 2018 em R$ 70 bilhões, ante os R$ 28,3 bilhões do ano anterior. O resultado representa um aumento de 147,0%. Entre os conglomerados de estatais analisados estão Petrobras, Eletrobras, BNDES, Banco do Brasil e Caixa.

De acordo com os dados fornecidos no Boletim das Empresas Estatais, o grupo que apresentou maior crescimento durante o período de análise foi a Petrobras. Na ocasião, o lucro líquido do grupo passou de R$ 377 milhões em 2017 para R$ 26,7 bilhões em 2018, o que corresponde a um aumento de 6.981,7%.

Ainda segundo o relatório, os principais motivos da variação estão relacionados ao aumento de R$ 66 bilhões nas receitas de vendas, em decorrência da alta do preço médio dos derivados e da desvalorização do real frente ao dólar.

Além disso, houve crescimento de R$ 33,2 bilhões nos custos dos bens e serviços do grupo, por conta da elevação das cotações internacionais. Outro ponto que impactou foi o aumento de R$ 5,3 bilhões no resultado financeiro e que está relacionado, na maior parte, à regularização de créditos contra a Eletrobras.

Na sequência, a companhia que apresentou maior resultado líquido entre 2017 e 2018 foi a BR Distribuidora, com alta de 177,4% durante o período. As razões para a variação no lucro líquido estão relacionadas à receita de recuperação de créditos do setor elétrico no valor de R$ 2,6 bilhões e redução de R$ 813 milhões nas despesas com financiamentos e empréstimos, o que representou uma queda de 74,3% no total de despesas.

Menos funcionários

Além do aumento no resultado líquido, o boletim mostrou que houve redução de 13.434 no quadro de pessoas das estatais de 2017 para 2018. Os maiores cortes vieram de empresas como Caixa, com diminuição de 2.728 empregados, seguido pelos Correios com 2.648, e Banco do Brasil com 2.195 funcionários a menos do que no ano anterior.

Se compararmos em relação a dezembro de 2015, a redução de pessoal foi superior a 57 mil empregados, o que representa uma diminuição de 10,38% do quadro total. Grande parte está ligada a programas de desligamento voluntário de empregados (PDVs).

As reduções já impactaram despesas de pessoal. Entre 2015 e 2018, houve uma diminuição - em valores nominais - de R$ 2,46 bilhões, o que seria equivalente a 2,56% considerando apenas as empresas não dependentes. Em valores reais, ou seja, ajustados pelo IPCA, a redução foi de 14,67%.

Evolução dos dividendos

Outro ponto que aumentou desde 2016 foi o total de dividendos e do juros sobre capital próprio pagos (JCP) pagos pelas empresas de controle direto da União. No consolidado das empresas como Petrobras, Eletrobras, Banco do Brasil, Caixa e BNDES, os valores passaram de R$ 3,7 bilhões em 2016 para R$ 11,6 bilhões no fim do ano passado.

Menos dívidas

O boletim também destaca que houve redução no total de endividamento das empresas estatais. De dezembro de 2015 - quando o valor chegou a R$ 544 bilhões - até o fim do ano passado, o total de dívidas que as estatais federais detinham diminuiu 29% e a conta fechou o ano de 2018 em R$ 386 bilhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Balanço do mês

Bitcoin, ouro e dólar se recuperam em julho, enquanto bolsa é um dos piores investimentos do mês

Fundos imobiliários também se saíram bem, depois que tributação dos seus rendimentos foi retirada da reforma do imposto de renda

próximos anos

Eletrobras aprova em conselho plano de negócios com desinvestimentos de R$ 41 milhões

Entre as medidas previstas está a avaliação de oportunidades para efetuar a gestão dos passivos provenientes de dívidas do Sistema Eletrobras

temporada de resultados

Lucro da Alpargatas, dona da marca Havaianas, cresce 228,7%, R$ 111 milhões

Receita líquida da companhia saltou 71,4% sobre igual intervalo de 2020, para R$ 1,095 bilhão, ao mesmo tempo em que os volumes registraram crescimento de 57%

seu dinheiro na sua noite

As corridas da bolsa e do dólar — e a frustração dos investidores na linha de chegada de julho

Nove em cada dez operadores do mercado financeiro juram, de pés juntos, que o último pregão do mês costuma ser positivo. Ora essas, é a data limite para o fechamento das lâminas de desempenho mensal dos fundos e das carteiras de investimento — e é claro que todo mundo quer estampar o melhor resultado possível. […]

decisão temporária

CVM suspende oferta de recebíveis que financiaria cooperativas do MST

Decisão da autarquia vale por 30 dias; CVM diz que a oferta não apresenta informações consideradas essenciais para os investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies