Menu
2019-12-02T11:21:04-03:00
Estadão Conteúdo
Acelerando

PMI industrial sobe de 52,2 em outubro para 52,9 em novembro, diz IHS Markit

IHS Markit afirmou que o PMI industrial “engrenou uma marcha mais rápida em novembro, com um aumento robusto na demanda sustentando taxas mais fortes de expansão nos volumes de novos negócios, produção e compra de insumos”.

2 de dezembro de 2019
11:20 - atualizado às 11:21
brasil ranking
Imagem: Shutterstock

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial do Brasil subiu de 52,2 em outubro para 52,9 em novembro na série com ajuste sazonal, informou nesta segunda-feira, 2, a IHS Markit. É o segundo crescimento mais intenso na margem dos últimos nove meses, atrás apenas do observado em setembro. Um PMI acima de 50 pontos indica uma melhora no ambiente de negócios na comparação com o mês anterior.

Em nota à imprensa, a IHS Markit afirmou que o PMI industrial "engrenou uma marcha mais rápida em novembro, com um aumento robusto na demanda sustentando taxas mais fortes de expansão nos volumes de novos negócios, produção e compra de insumos".

A empresa ressaltou que o fortalecimento da demanda interna sustentou o crescimento da produção, que avançou pelo quarto mês consecutivo e no ritmo mais intenso desde março de 2018.

"Impulsionados pela recuperação na quantidade de novos pedidos provenientes do mercado interno, que foi melhor do que a observada no mês passado, os produtores de mercadorias aumentaram a produção da maneira mais significativa em quase um ano e meio", pontua a economista da Markit, Pollyanna de Lima, no comunicado.

Por outro lado, as exportações industriais caíram no ritmo mais rápido desde o final de 2016 e foram o principal destaque negativo da divulgação. Segundo a Markit, a retração foi puxada pela demanda contida dos outros países latino-americano, com a desvalorização do real sendo incapaz de impulsionar as exportações.

Os volumes de estoques também apresentaram queda marginal em novembro, com as reservas de mercadorias de pré-produção e produtos finais apresentando leve retração. A demanda mais forte por insumos, por outro lado, fez com que os preços dos produtos aumentassem em meio à taxa de câmbio desfavorável.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Proventos

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 416 milhões em Juros sobre Capital Próprio (JCP)

Terão direito ao provento os investidores com posição acionária na empresa no dia 11 de março

o melhor do seu dinheiro

Brandão balança mais não cai?

Chegamos ao fim de mais uma semana tensa nos mercados, que começou com a derrocada das ações da Petrobras, em razão da interferência do governo na presidência da estatal, e termina com pressões na bolsa e no dólar motivadas pelas preocupações dos investidores com a inflação nos Estados Unidos e alta nas taxas dos títulos […]

URGENTE

Hapvida e NotreDame chegam a um acordo sobre fusão, afirma site

A maior combinação entre duas empresas brasileiras criará uma gigante do setor de saúde, com um valor de R$ 110 bilhões.

fechamento da semana

Tensão em Brasília leva Ibovespa de volta aos 110 mil pontos e afunda estatais; dólar vai a R$ 5,60

Em semana marcada pela tensão entre governo e mercado, o Ibovespa recuou 7,09%, de volta aos 110 mil pontos. O dólar disparou acima dos R$ 5,60

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam quase 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal; BB nega que presidente tenha renunciado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies