Menu
2020-11-04T14:30:28-03:00
Estadão Conteúdo
Dentro do esperado

Produção industrial sobe 2,6% em setembro ante agosto, afirma IBGE

Resultados vieram dentro das projeções do mercado. Em relação a setembro de 2019, a produção subiu 3,4%, com avanço em 17 dos 26 ramos pesquisados

4 de novembro de 2020
14:30
Indústria em queda
Região Nordeste, Bahia (-2,9%), Mato Grosso (-2,6%), Pernambuco (-2,2%) e Pará (-1,3%) registraram o restante das quedas - Imagem: Shutterstock

A produção industrial cresceu 2,6% em setembro ante agosto, na série com ajuste sazonal, divulgou nesta quarta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a quinta alta mensal seguida, eliminando o tombo de 27,1% acumulado em apenas dois meses, março e abril. Em setembro, o nível da produção industrial ficou 0,2% acima do registrado em fevereiro, antes da pandemia de covid-19 provocar paradas de produção.

O resultado veio dentro das expectativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, do sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. que esperavam desde uma alta de 1,18% a um avanço de 4,34%, com mediana de +2,30%.

Com o resultado de fevereiro, a indústria acumula queda 7,2% no ano de 2020. Em 12 meses, a produção acumula queda 5,5%. O índice de Média Móvel Trimestral da indústria registrou alta de 4,8% em setembro.

Em relação a setembro de 2019, a produção subiu 3,4%, também dentro das projeções, que variavam de uma queda de 1,70% a uma alta de 5,90%, com mediana de +2,51%.

Produção subiu em 17 dos 26 ramos pesquisados

Nessa base de comparação, houve avanço em 17 dos 26 ramos pesquisados pelo IBGE, com altas na produção de 58,0% dos 805 produtos pesquisados.

Segundo o IBGE, na comparação de setembro com igual mês de 2019, as principais influências no total da indústria vieram de produtos alimentícios (11,1%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (7,8%).

Outros impactos positivos foram dos ramos de bebidas (13,8%); de máquinas e equipamentos (8,1%); de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (15,4%); de produtos de borracha e de material plástico (8,6%); de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (12,6%); de produtos de metal (9,2%); de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (11,2%); de outros produtos químicos (3,7%); de celulose, papel e produtos de papel (5,3%); de produtos do fumo (53,8%); de produtos de madeira (15,1%) e de produtos têxteis (9,3%).

Na contramão, ainda na comparação com setembro de 2019, entre as nove atividades que apontaram redução na produção, o IBGE destacou a fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias, que tombou 13,7% e exerceu a maior influência negativa na formação da média da indústria. Segundo a nota divulgada pelo IBGE, a atividade foi "pressionada, em grande medida, pelos itens automóveis, caminhão-trator para reboques e semirreboques, caminhões e autopeças".

Outras contribuições negativas vieram de indústrias extrativas (-4,1%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-11,6%), impressão e reprodução de gravações (-39,2%), manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-19,8%) e outros equipamentos de transporte (-19,3%).

Comparação trimestral

A produção industrial cresceu 22,3% no terceiro trimestre ante o segundo trimestre, na série com ajuste sazonal. A alta se seguiu a um tombo de 17,5% no segundo trimestre ante os três primeiros meses do ano.

Na comparação com o terceiro trimestre de 2019, houve queda de 0,6%. A retração desacelerou fortemente ante o segundo trimestre, quando houve tombo de 19,4% sobre igual período do ano passado. Segundo o IBGE, foi o oitavo trimestre seguido de queda na comparação com iguais períodos de anos anteriores.

Isoladamente em setembro, a alta de 3,4% ante setembro de 2019 quebrou uma sequência de dez quedas.

Produção industrial em setembro fica 15,9% abaixo do pico de maio de 2011

Os cinco meses de alta na produção industrial, com avanço acumulado de 37,5%, apagaram o tombo causado em 2020 pela pandemia de covid-19, mas ainda não eliminam quedas anteriores. Conforme a Pesquisa Mensal Industrial - Produção Física (PIM-PF), divulgada nesta quarta-feira, 4, pelo IBGE, a produção industrial de setembro ficou 15,9% abaixo do ponto máximo da série histórica, registrado em maio de 2011.

"Ainda falta todo um espaço importante para zerar perdas do passado. Todo esse crescimento (recente) serviu para zerar a queda do ano de 2020", afirmou André Macedo, gerente da PIM-PF do IBGE.

Segundo o pesquisador, pelo lado da demanda, a recuperação recente foi "totalmente" marcada pelas medidas de mitigação da crise adotadas pelo governo, como o auxílio emergencial, expansão de crédito e incentivos à manutenção do emprego. No cenário mais amplo, porém, o mercado de trabalho, com 14 milhões de desempregados, segue como principal "gargalo" para a demanda da indústria.

Além disso, a perspectiva de redução, de R$ 600 para R$ 300 ao mês, e posterior retiradas dos auxílios emergenciais do governo poderá atrapalhar a demanda doméstica. "Intuitivamente, se reduzimos a renda à metade, traz um reflexo negativo. Agora, para ver qual o impacto disso na produção, temos que esperar", afirmou Macedo.

No lado da demanda externa, o pesquisador do IBGE lembrou que a pandemia ainda está "muito presente no cenário internacional", o que prejudica as exportações, mas, por outro lado, a depreciação do real favorece as vendas externas de alguns segmentos industriais.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies