Menu
2020-11-04T14:30:28-03:00
Estadão Conteúdo
Dentro do esperado

Produção industrial sobe 2,6% em setembro ante agosto, afirma IBGE

Resultados vieram dentro das projeções do mercado. Em relação a setembro de 2019, a produção subiu 3,4%, com avanço em 17 dos 26 ramos pesquisados

4 de novembro de 2020
14:30
Indústria em queda
Região Nordeste, Bahia (-2,9%), Mato Grosso (-2,6%), Pernambuco (-2,2%) e Pará (-1,3%) registraram o restante das quedas - Imagem: Shutterstock

A produção industrial cresceu 2,6% em setembro ante agosto, na série com ajuste sazonal, divulgou nesta quarta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a quinta alta mensal seguida, eliminando o tombo de 27,1% acumulado em apenas dois meses, março e abril. Em setembro, o nível da produção industrial ficou 0,2% acima do registrado em fevereiro, antes da pandemia de covid-19 provocar paradas de produção.

O resultado veio dentro das expectativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, do sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. que esperavam desde uma alta de 1,18% a um avanço de 4,34%, com mediana de +2,30%.

Com o resultado de fevereiro, a indústria acumula queda 7,2% no ano de 2020. Em 12 meses, a produção acumula queda 5,5%. O índice de Média Móvel Trimestral da indústria registrou alta de 4,8% em setembro.

Em relação a setembro de 2019, a produção subiu 3,4%, também dentro das projeções, que variavam de uma queda de 1,70% a uma alta de 5,90%, com mediana de +2,51%.

Produção subiu em 17 dos 26 ramos pesquisados

Nessa base de comparação, houve avanço em 17 dos 26 ramos pesquisados pelo IBGE, com altas na produção de 58,0% dos 805 produtos pesquisados.

Segundo o IBGE, na comparação de setembro com igual mês de 2019, as principais influências no total da indústria vieram de produtos alimentícios (11,1%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (7,8%).

Outros impactos positivos foram dos ramos de bebidas (13,8%); de máquinas e equipamentos (8,1%); de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (15,4%); de produtos de borracha e de material plástico (8,6%); de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (12,6%); de produtos de metal (9,2%); de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (11,2%); de outros produtos químicos (3,7%); de celulose, papel e produtos de papel (5,3%); de produtos do fumo (53,8%); de produtos de madeira (15,1%) e de produtos têxteis (9,3%).

Na contramão, ainda na comparação com setembro de 2019, entre as nove atividades que apontaram redução na produção, o IBGE destacou a fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias, que tombou 13,7% e exerceu a maior influência negativa na formação da média da indústria. Segundo a nota divulgada pelo IBGE, a atividade foi "pressionada, em grande medida, pelos itens automóveis, caminhão-trator para reboques e semirreboques, caminhões e autopeças".

Outras contribuições negativas vieram de indústrias extrativas (-4,1%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-11,6%), impressão e reprodução de gravações (-39,2%), manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-19,8%) e outros equipamentos de transporte (-19,3%).

Comparação trimestral

A produção industrial cresceu 22,3% no terceiro trimestre ante o segundo trimestre, na série com ajuste sazonal. A alta se seguiu a um tombo de 17,5% no segundo trimestre ante os três primeiros meses do ano.

Na comparação com o terceiro trimestre de 2019, houve queda de 0,6%. A retração desacelerou fortemente ante o segundo trimestre, quando houve tombo de 19,4% sobre igual período do ano passado. Segundo o IBGE, foi o oitavo trimestre seguido de queda na comparação com iguais períodos de anos anteriores.

Isoladamente em setembro, a alta de 3,4% ante setembro de 2019 quebrou uma sequência de dez quedas.

Produção industrial em setembro fica 15,9% abaixo do pico de maio de 2011

Os cinco meses de alta na produção industrial, com avanço acumulado de 37,5%, apagaram o tombo causado em 2020 pela pandemia de covid-19, mas ainda não eliminam quedas anteriores. Conforme a Pesquisa Mensal Industrial - Produção Física (PIM-PF), divulgada nesta quarta-feira, 4, pelo IBGE, a produção industrial de setembro ficou 15,9% abaixo do ponto máximo da série histórica, registrado em maio de 2011.

"Ainda falta todo um espaço importante para zerar perdas do passado. Todo esse crescimento (recente) serviu para zerar a queda do ano de 2020", afirmou André Macedo, gerente da PIM-PF do IBGE.

Segundo o pesquisador, pelo lado da demanda, a recuperação recente foi "totalmente" marcada pelas medidas de mitigação da crise adotadas pelo governo, como o auxílio emergencial, expansão de crédito e incentivos à manutenção do emprego. No cenário mais amplo, porém, o mercado de trabalho, com 14 milhões de desempregados, segue como principal "gargalo" para a demanda da indústria.

Além disso, a perspectiva de redução, de R$ 600 para R$ 300 ao mês, e posterior retiradas dos auxílios emergenciais do governo poderá atrapalhar a demanda doméstica. "Intuitivamente, se reduzimos a renda à metade, traz um reflexo negativo. Agora, para ver qual o impacto disso na produção, temos que esperar", afirmou Macedo.

No lado da demanda externa, o pesquisador do IBGE lembrou que a pandemia ainda está "muito presente no cenário internacional", o que prejudica as exportações, mas, por outro lado, a depreciação do real favorece as vendas externas de alguns segmentos industriais.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Quem não arrisca...

Jive Investments aposta em agentes autônomos e educação para atingir varejo após aporte da XP

Sócio da gestora de investimentos alternativos, Guilherme Ferreira revela os motivos da preferência por operação privada ao invés de abrir capital

Aperto nas contas

Gastos extras vão reduzir ‘folga’ do teto de gastos em 2022, prevê governo

O avanço nas despesas obrigatórias, estimado em R$ 105,2 bilhões, é o que limita o “espaço livre” do governo para novos gastos no próximo ano

Inflação no horizonte

Choque de preços tem causa temporária, mas persistência maior, diz Campos Neto

Em coletiva do RTI, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que os efeitos dos choques de preços têm durado mais que o previsto

De São Roque para o mundo

Aeroporto da JHSF recebe autorização para operar voos internacionais

Com aval das autoridades, São Paulo Catarina se tornará o primeiro aeroporto internacional exclusivamente dedicado à aviação executiva no país

Planos decolando

Eve faz parceria com Blade para disponibilizar eVTOL nos EUA, diz Embraer

A Eve planeja disponibilizar, junto a seus parceiros locais, até 60 aeronaves para uso da Blade pelos EUA a partir de 2026

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies