Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-22T20:54:13-03:00
Estadão Conteúdo
efeito pandemia

Falta de chips causa paralisação parcial em 12% das fábricas de eletroeletrônicos

Segundo sondagem feita no mês passado pela Abinee, 12% dos fabricantes do setor tiveram que parar parte da produção no mês passado por falta de componentes eletrônicos

22 de julho de 2021
20:54
Pessoa colocando um chip numa placa de computador
Pessoa colocando um chip numa placa de computador - Imagem: Shutterstock

A exemplo do que acontece nas montadoras de automóveis, a escassez mundial de chips causa atrasos ou interrupções de produção em quatro a cada dez fábricas de produtos eletrônicos, como tevês, notebooks e celulares, do Brasil.

Segundo sondagem feita no mês passado pela Abinee, associação que representa a indústria nacional de aparelhos eletroeletrônicos, 12% dos fabricantes do setor tiveram que parar parte da produção no mês passado por falta de componentes eletrônicos. É o maior registro desde que, em fevereiro, a pesquisa começou a acompanhar o impacto da falta desses insumos no mercado.

Situação mais comum, 32% das empresas relatam atrasos na produção e na entrega dos produtos ao cliente. Diferente das montadoras de carros, setor mais afetado pela falta de chips produzidos, principalmente, por fornecedores de Taiwan, nenhuma fábrica de aparelho eletrônico teve até agora que parar completamente a produção no Brasil.

Entre os fabricantes de produtos que contêm semicondutores, houve, no entanto, aumento de 55%, em maio, para 71%, em junho, nos relatos de dificuldade na aquisição do insumo no mercado.

Ainda que o setor tenha sido menos afetado do que a cadeia de produção automotiva pela escassez de chips no mundo, os componentes eletrônicos fornecidos pela Ásia tornaram-se o principal material em falta na indústria de eletroeletrônicos, onde também há grande dificuldade na aquisição de cobre e materiais plásticos, e 26% das empresas estão com estoques de componentes e matérias-primas em nível considerado abaixo do normal.

A maior parte das empresas do setor (42%) trabalha com a previsão de o abastecimento de chips voltar ao normal apenas em meados do ano que vem.

O retrato revelado pela sondagem da Abinee mostra ainda que, como resultado da combinação de escassez, aumento das tarifas de frete, tanto marítimo quanto aéreo, e desvalorização cambial, a pressão vinda do aumento de custo dos componentes é apontada como acima do normal por quase todos fabricantes do setor: 93% dos entrevistados.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

em busca de oportunidades

Viver (VIVR3) deixa recuperação judicial e ações disparam; veja como identificar empresas que também podem se recuperar

Pontos são de especialista em gestão estratégica e processos de reestruturação corporativa; Viver (VIVR3) subiu mais de 150% no último ano e ganha impulso com saída da RJ

Nova bolada

Corretora que quer levar brasileiros a investir nas bolsas dos EUA recebe aporte de R$ 150 milhões; saiba mais

Com US$ 1 bilhão em ativos sob gestão e 300 mil clientes, a Avenue Securities recebeu aporte do fundo japonês Softbank

O gigante quer mais

Buscando margem: Itaú Unibanco (ITUB4) aposta em retomada de crédito pessoal para lucro continuar em alta

Carteira de crédito tem sido impulsionada por linhas com juros mais baixos para os clientes, como financiamento de imóveis e de veículos

Na mira da lei

O que bitcoin e carro tem em comum? Para o novo diretor da CVM americana, ambos precisam de limites

O novo chefe da SEC, a CVM americana, é um entusiasta de criptomoedas e deve trazer um time de peso para sua equipe

Na agenda

Reforma administrativa deve ser votada na Câmara no fim de agosto, diz Lira

O parlamentar avaliou que ficará mais difícil avançar com reformas no ano que vem, quando os interesses políticos vão se sobrepor à agenda econômica

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies