🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Estadão Conteúdo
Menos protecionismo

Com Biden, setores de alumínio e aço esperam corte de tarifas em exportações

Produtores esperam que as barreiras impostas por Trump sejam retiradas já no início do governo Biden

Imagem mostra trabalhador de indústria siderúrgica, como CSN (CSNA3), Usiminas (USIM5) ou Gerdau (GGBR4)
Indústria siderúrgica - Imagem: Shutterstock

A eleição de Joe Biden à Presidência dos Estados Unidos animou os produtores daqueles que são os dois itens brasileiros mais barrados pela administração Donald Trump: o aço e o alumínio. Eles esperam uma mudança de rumos nas relações bilaterais com a chegada do democrata ao poder. A expectativa das duas indústrias é que as barreiras impostas por Trump sejam retiradas já no início do governo Biden.

Essa previsão encontra eco junto a assessores e conselheiros do presidente eleito, que confirmam que Biden estuda rever o aumento de tarifas determinado por Trump, segundo informação publicada pelo The Wall Street Journal.

Atingidos colateralmente pela guerra travada entre o presidente americano e o governo da China, os dois setores viram suas exportações para os EUA serem sobretaxadas em até 130% desde 2018. Mesmo a propalada amizade do presidente brasileiro Jair Bolsonaro com Trump não foi suficiente para reverter a aplicação das tarifas, fazendo com que os embarques encolhessem 56% neste ano, no caso do alumínio, e 31%, em relação ao aço.

Apesar de os democratas serem historicamente considerados mais protecionistas, o governo Trump foi o mais duro da história em termos de barreiras comerciais no caso do aço e do alumínio. "A eleição de Biden é positiva para o alumínio brasileiro, até porque é difícil pensar em alguma coisa mais negativa do que a situação atual. Você tende a ter uma relação mais previsível, dentro das normas das organizações mundiais de comércio", afirmou o presidente da Associação Brasileira de Alumínio (Abal), Milton Rego.

Em 2018, Trump alegou que a indústria americana vinha sendo prejudicada pelos preços do aço e alumínio praticados por outros países, principalmente a China. Decidiu, então, aplicar sobretaxas para todos os países. Atrás nas pesquisas eleitorais desde agosto, Trump ainda tratou de endurecer as barreiras comerciais mais uma vez neste ano, em uma tentativa de acenar para a indústria nacional.

Após negociações com o governo dos EUA, o setor do aço conseguiu, ainda em 2018, uma cota livre da sobretarifa - o que ultrapassasse a cota estabelecida trimestralmente, seria taxado em 25%. Essa cota vinha sendo praticada até agosto deste ano, mas foi reduzida no último trimestre, em meio à campanha eleitoral, de 350 mil para 60 mil toneladas.

"Pensamos em, já na transição, montar uma nova missão para levar ao governo que está sendo montado a posição de que o Brasil é um parceiro comercial importante. A expectativa é que consigamos reverter isso e o Brasil fique fora das restrições do mercado americano", afirma o presidente do Instituto Aço Brasil, Marco Polo Lopes.

Alumínio

O caso do alumínio não é diferente. As vendas para os Estados Unidos foram sobretaxadas em 10% há dois anos - a tarifa adicional foi anunciada para vários países, incluindo China. Em setembro passado, Trump determinou ainda a aplicação de uma tarifa adicional de 50% a 130% sobre chapas de alumínio. "Hoje, não dá para exportar. Ninguém consegue vender com uma tarifa dessas", afirmou Rego, da Abal.

A sobretaxa de até 130% está prevista para ser aplicada até abril do ano que vem, quando se encerra uma investigação das autoridades americanas, que apura se há subsídios e irregularidades envolvendo a indústria de alumínio nos países exportadores, incluindo o Brasil.

Com a eleição de Biden, o setor também fala em retomar as negociações com autoridades dos EUA para discutir a tarifa de 10% que vinha sendo adotada até setembro.

Procurado, o Ministério da Economia afirmou que "o governo brasileiro segue trabalhando em colaboração com os exportadores brasileiros e com a associação setorial, por meio do sistema de apoio ao exportador do Ministério da Economia e do Ministério das Relações Exteriores, para buscar defender os interesses de exportação do Brasil e para acompanhar a adequação da investigação conduzida pelos EUA às regras multilaterais".

Para além da retirada das barreiras comerciais, Rego vê uma segunda oportunidade para o alumínio brasileiro com a eleição de Biden: as promessas de uma economia mais sustentável.

Ele afirma que a tentativa de reduzir a emissão de carbono do país deverá levar ao aumento no consumo de alumínio, que é utilizado em indústrias como energia fotovoltaica. Além disso, ao ser usado na fabricação de carros, por exemplo, torna o veículo mais leve e mais eficiente do ponto de vista do consumo energético.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Compartilhe

Rublo em disparada

Apesar de sanções, o rublo está no seu maior patamar em sete anos — mas isso não é uma boa notícia para Putin

23 de junho de 2022 - 11:55

Moeda russa se valorizou quase 250% desde março; entenda o que isso representa para a economia do país

Preço do petróleo despenca

Petróleo em queda: por que a recessão econômica e a tentativa de corte de impostos nos EUA derrubam o preço da commodity hoje?

22 de junho de 2022 - 15:04

O petróleo segue no centro das atenções dos mercados globais, com uma rodada de perdas intensas nesta quarta (22). E, desta vez, o risco de uma desaceleração econômica global — e a consequente queda na demanda pela commodity — pesam sobre o sentimento dos investidores. De acordo com a sinalização das gigantes do mercado, como […]

SISTEMA BITCOIN?

Pivô das sanções da guerra na Ucrânia, sistema de transferências Swift pode deixar de existir em cinco anos, diz CEO da Mastercard

26 de maio de 2022 - 15:32

Michael Miebach afirmou que o Swift deve evoluir ao passo das criptomoedas; vários países, inclusive Brasil, correm para regularizar bitcoin

Ivan Sant'Anna

China volta a assustar com o fantasma da intervenção estatal. Oportunidade ou risco para as ações brasileiras?

19 de agosto de 2021 - 6:21

Paciência e pragmatismo são duas das características marcantes quando se olha os principais movimentos chineses na história mais recente

Insights Assimétricos

Ecos chineses: como ataques regulatórios afetam o mercado global

27 de julho de 2021 - 6:47

Movimento não é surpresa para quem acompanha o gigante asiático há algum tempo, mas será que país ainda é um investimento de longo prazo interessante?

Tensão diplomática

China acusa EUA de violar leis de mercado ao proibir investimentos em empresas do país

4 de junho de 2021 - 14:58

Pequim informou que tomará as “medidas necessárias para salvaguardar os direitos e interesses legítimos das empresas chinesas”

Bandeira branca

China diz que autoridades locais discutiram com EUA comércio bilateral

27 de maio de 2021 - 7:47

Principal autoridade comercial chinês ligou para sua contraparte norte-americana para discutir as relações entre os países

mercados hoje

Wall Street pisa no acelerador, mas Ibovespa tem alta limitada pelo setor de commodities; dólar cai

14 de maio de 2021 - 10:20

Dados mistos da economia americana seguem atunuando um risco da disparada da inflação e deixa o mercado no caminho da recuperação

Destravando o comércio global

Tráfego marítimo volta ao normal no Canal de Suez

4 de abril de 2021 - 8:02

O acidente provocou a paralisação da hidrovia e trouxe dificuldades para as linhas de abastecimento global nos últimos 12 dias. A liberação do Ever Given aconteceu apenas em 29 de março, quando uma maré alta de primavera ajudou a soltar o navio.

desentalou

Porta-contêineres Ever Given é desencalhado do Canal de Suez

29 de março de 2021 - 11:09

Incidente interrompeu o fluxo em uma das principais rotas comerciais do mundo, provocando aumento no preço do petróleo

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar