Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-09-10T12:16:01-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Economia

Ministério da Economia tem projeção de crescimento de 0,85% para 2019

Cenário externo, baixa produtividade e fragilidade fiscal são maiores riscos à economia brasileira. Para secretário, setembro marca começo de novo período na economia

10 de setembro de 2019
10:04 - atualizado às 12:16
Paulo Guedes
Imagem: Edu Andrade/ASCOM/Ministério da Economia

A Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia atualizou as projeções para o crescimento da economia. Agora em 2019, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deve ser 0,85%, contra 0,81% estimados anteriormente.

A principal mensagem transmita pelo secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, é que setembro marca o começo de um novo período.

“Agosto encerra um ciclo extremamente difícil da economia, mas a partir de setembro poderemos observar uma retomada com mais consistência, passo a passo, da economia brasileira”, disse.

Sachsida reforçou que mudanças não acontecem em saltos, mas sim de forma consistente. “Temos de colocar o Brasil em trajetória de crescimento sustentado de longo prazo. Indicadores devem mostrar recuperação de forma consistente”, afirmou.

Contudo, ponderou o secretário, três desafios nos esperam. Um importante, um urgente e outro de conjuntura.

O desafio importante, segundo ele, é a perda de produtividade da economia, sem recuperar a produtividade, não haverá crescimento sustentável.

Segundo Sachsida, políticas econômicas equivocadas derrubaram a produtividade. Ele disse que apesar das críticas de que essa é a recuperação mais lenta de uma crise, “não é bem assim”.

“Políticas equivocadas simplesmente acabaram com o crescimento da produtividade”, disse, apresentando dados que mostram queda de 0,7% da produtividade total dos fatores entre 1990 e 2009. Entre 2007  e 2017, a queda foi ainda mais acentuada, de 2,11%.

O problema, segundo Sachsida, é a má alocação de recursos promovida por políticas anteriores.

“É um país que precisa de hospital e constrói estádio. São medidas erradas que continuam custando dinheiro todo o ano para o governo.”

O desafio urgente é a questão fiscal. E o desafio de conjuntura é a revisão para baixo nas projeções de crescimento global.

Essa recuperação da atividade a partir de setembro seria resposta aos efeitos iniciais do corte de juros, elevação da confiança e início da liberação dos saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Para a SPE, o cenário externo apresenta-se sob estresse cada vez mais nítido, com redução de projeções de crescimento para este ano e o próximo. Tal fator, somado à baixa produtividade interna, que reduz o crescimento potencial, e à situação fiscal deteriorada, são os componentes de maior risco à econômica brasileira.

Questionado o que leva o governo a acreditar em uma nova fase agora em setembro, Sachsida disse que não é apenas a liberação do FGTS e do PIS/Pasep, mas sim a alocação desses recursos. "Tinha uma parcela de recursos excedente em um lugar e transferindo para os trabalhadores eles vão alocar esse dinheiro de forma mais eficiente."

Segundo Sachsida, temos outras medidas maturando. "Estamos às vésperas da aprovação da Previdência. Isso mostra que o país está tomado das medidas para corrigir o problema fiscal. O governo é firme no fiscal. O teto fica de pé, o primário fica de pé, regra de ouro fica de pé. Manter o ajuste pelo lado da despesa mantém credibilidade."

O secretário também falou de outras medidas microeconômicas e de melhoria de ambiente de negócios, como a lei da Liberdade Econômica e revisão de normas regulamentadoras do trabalho.

FGTS

O boletim da SPE também trouxe alguns dados sobre o saque do FGTS, que começa na sexta-feira.  O total de beneficiados neste mês é de 11,7 milhões. Receberão primeiro os correntistas da Caixa e 98,3% dos trabalhadores que fazem aniversário entre janeiro e abril e têm contas na Caixa receberão quase R$ 5 bilhões em 13 de setembro. Dos 33 milhões de trabalhadores que receberão diretamente por suas contas na Caixa, apenas 1,7% optou por não receber o dinheiro.

Segundo dados da Caixa, será liberado para saque o montante total de R$ 28 bilhões em 2019, e R$ 12 bilhões em  2020. No total, o valor disponibilizado equivale a 0,58% do PIB e 18,6% da renda habitual média das pessoas que estavam trabalhando no começo de 2019.

Para a SPE, a medida é particularmente importante para as pessoas que trabalham ou desejam trabalhar e que possuem rendimento habitual mensal de até R$ 500. A quantidade de brasileiros nessa condição totaliza aproximadamente 35 milhões de pessoas, equivalendo a um percentual de 31% das pessoas que trabalham ou desejam trabalhar.

Também é esperado que as famílias paguem dívidas. Segundo o SPC Brasil, 37% dos indivíduos com nome negativado possuem dívidas no valor de até R$ 500. Essa fração corresponde a 23 milhões de pessoas que poderão liquidar seus débitos e limpar seu nome caso tenham saldo suficiente na conta do FGTS.

 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

FECHAMENTO DO DIA

Investidores tentam equilibrar noticiário e Ibovespa emplaca mais um dia de alta; dólar tem queda firme com ômicron no radar

Com o avanço da PEC dos precatórios, a pandemia se torna um dos únicos gatilhos negativos a rondar o Ibovespa,

DOBRANDO A ESQUINA

Lucro das empresas com ações na bolsa deve cair 6,3% em 2022, diz BTG Pactual

Mesmo assim ainda é possível encontrar setores em que o cenário é positivo; saiba quem é quem

Bateu o martelo

IPO do Nubank sai no topo da faixa indicativa, a US$ 9; banco ultrapassa Itaú (ITUB4) e é a instituição financeira mais valiosa da América Latina

Com isso, os BDRs, que serão negociados por aqui a partir da próxima quinta-feira (09), saem valendo R$ 8,38

Juros nas alturas

Selic decola a 9,25%, maior patamar em quatro anos; BC assume tom duro e indica nova alta de 1,5 ponto em fevereiro

Com a nova alta de 1,5 ponto concretizada hoje, a Selic saiu do patamar de 2% em janeiro e fecha o ano em 9,25%

CRYPTO NEWS

Guia prático para ter sucesso investindo em bitcoin e outras criptomoedas

Veja dicas das quais sempre me lembro durante os momentos mais complexos. Sugestão: anote-os em um caderno e os releia antes de abrir o site da corretora e decidir fazer uma operação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies