IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2019-04-09T15:01:52-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Esperando pela nova Previdência

FMI reduz projeção do PIB do Brasil em 2019 e espera um crescimento maior em 2020, após Previdência

Fundo também avaliou impacto do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG) e apresentou projeções para a economia mundial

9 de abril de 2019
12:19 - atualizado às 15:01
O ministro da economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes
O ex-ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu a projeção do PIB do Brasil, em 2019: de 2,5% para 2,1%. Mas elevou de 2,2% para 2,5% no próximo ano.

A projeção é feita com base na crença de que a reforma da Previdência deve colaborar para uma expansão do PIB em 2020.

Segundo reportagem do Broadcast, serviço em tempo real do jornal O Estado de S. Paulo, que ouviu a diretora do departamento econômico e economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, a redução nas expectativas para 2019 se deve, entre outras coisas, ao atraso das reformas — sendo a da Previdência a principal.

"As reformas fiscais, como a da Previdência Social, são importantes para evitar a expansão da dívida pública”, destacou Gita. Os comentários foram feitos na apresentação dos principais temas do relatório Perspectiva Econômica Mundial.

Economia mundial em desaceleração

Gopinath, afirmou que 70% da economia mundial devem desacelerar neste ano. Ela disse que espera alguma retomada do crescimento no segundo semestre, sem pressões inflacionárias.

A economista avalia que o crescimento mundial deve retomar a marca de 3,6% em 2020 e que, após isso, a expansão da economia global deve se estabilizar ao redor de 3,5%.

Quanto ao mercados emergentes, Gita projeta que esse conjunto de países deve ter um "crescimento estável ao redor de 5% a partir de 2020".

Efeitos de Brumadinho

O FMI também avaliou os efeitos do colapso da barragem da Vale em Brumadinho (MG)  na indústria de minério de ferro. Em relatório, o fundo diz que a tragédia terá ramificações para a indústria, que pode experimentar uma parada prolongada das operações em algumas minas de minério de ferro e uma desaceleração de novos projetos.

O FMI observa que o rompimento da barragem, que ocorreu dia 25 de janeiro, já afetou o mercado internacional de metais, provocando "aumento acentuado" nos preços do minério de ferro. Entre fevereiro deste ano e agosto do ano passado, as cotações subiram 28,8% por problemas na oferta nas maiores mineradoras do mundo.

Além da barragem da Vale em Minas Gerais, o FMI menciona ainda um descarrilamento de um trem da mineradora BHP em novembro de 2018 e um incêndio em um terminal de exportações da Rio Tinto em janeiro.

O FMI estima que seu índice de metais de base deve ter alta de 2,4% em 2019, mas em 2020 deve cair 2,2%. Sobre as previsões para seu índice de metais, o Fundo alerta que uma desaceleração mais rápida da economia mundial e uma diminuição do crescimento da China podem levar a revisões para baixo no número. Já um aumento da demanda pela China pode provocar elevação da estimativa.

Ao final de 2018, o índice de metais de base havia caído ao menor nível em 16 meses por conta da desaceleração da economia mundial, sobretudo na China, e tensões no comércio internacional.

 

*Com informações do Estado de S. Paulo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

TÃO DEIXANDO A GENTE SONHAR

Efeito dobradinha Lula-Haddad? Por que o dólar voltou para baixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em quase nove meses?

2 de fevereiro de 2023 - 11:25

Diversos fatores influenciam na pressão sobre a divisa: incertezas políticas, cenário macroeconômico e juros nos Estados Unidos

MARKET MAKERS

O segredo do maior empregador do Brasil: Como atravessar à crise sem desistir do país?

2 de fevereiro de 2023 - 10:50

Num país em que as decisões políticas parecem sobrepujar as melhoras do cenário macroeconômico, a esperança se torna fundamental

AGENDA ESG

Itaú (ITUB4) capta R$ 2 bilhões em títulos sociais para investir em negócios liderados por mulheres

2 de fevereiro de 2023 - 10:33

O banco emitiu R$ 2 bilhões em letras financeiras sociais, também chamadas de social bonds, no mercado local

EXPLORANDO OPÇÕES?

Veja as primeiras explicações da Oi (OIBR3) para o pedido cautelar que pode anteceder seu retorno à recuperação judicial

2 de fevereiro de 2023 - 10:14

Oi (OIBR3) antecipa a possibilidade de um ingressar em um novo processo de recuperação judicial sem nem bem ter saído do primeiro

O MEDO NA ESQUINA

Bitcoin (BTC) se aproxima dos US$ 24 mil e sobrevive ao Fed e ao Facebook — mas as big techs ainda podem melar o rali das criptomoedas; entenda

2 de fevereiro de 2023 - 9:49

A semana dos balanços das empresas de tecnologia tem potencial de movimentar as cotações das maiores moedas digitais do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies