Menu
2019-04-05T10:23:15-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial

O que dirá Paulo Guedes em Davos?

Ideia é atualizar as perspectivas com relação ao futuro do Brasil, transmitindo a imagem de uma democracia vibrante e que funciona bem

17 de janeiro de 2019
16:51 - atualizado às 10:23
Paulo Guedes
Ideia principal é mostrar que o novo governo vai diminuir a importância e o peso relativo do Estado na economia brasileira - Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vai tratar de três temas nas suas reuniões no Fórum Econômico Mundial: reforma da Previdência, privatizações e reforma administrativa.

Segundo uma fonte do Ministério da Economia, que também viaja para o encontro em Davos (Suíça), entre os dias 22 a 25, a ideia principal é mostrar que o novo governo vai diminuir a importância e o peso relativo do Estado na economia brasileira. Ou, de forma mais coloquial, “tirar o Estado do cangote do empreendedor brasileiro”.

Essa agenda, centrada em três pontos, é vista como a “terraplenagem” do sistema macroeconômico, algo necessário para tornar o ambiente propício ao crescimento da economia.

Também será apresentada uma agenda de “construção do futuro” ou uma “conexão de alta velocidade entre o Brasil e seu futuro”.

Dentro dessa parte, está a meta de dobrar o investimento em pesquisa, desenvolvimento e tecnologia de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) ao longo dos próximos quatro anos. Para dar uma base de comparação, Coreia do Sul tem investimentos de 4,5% a 5% do PIB.

A avaliação é que esse aumento será possível pela diminuição do papel relativo do Estado, principalmente via a redução da carga tributária. Hoje, os impostos representam de 36% a 37% do PIB. A ideia do governo é reduzir em cerca de 10 pontos percentuais, liberando um “estoque de recursos para os empreendedores fazerem seus investimentos”. A possibilidade de redução de impostos advém, justamente, da agenda de "terraplenagem".

Outra “agenda de futuro” é ampliar a fatia do comércio internacional em proporção do PIB, com meta de elevar a corrente de comércio de 20% a 25% do PIB, atualmente, para 30% até o fim do governo. Os motes são: facilitação de comércio, convergência regulatória, modernização da estrutura tarifária e inserção competitiva coordenada.

Guedes também externará a intenção do governo de ampliar os acordos internacionais e ecoar a mensagem do presidente Jair Bolsonaro quanto à disposição de fazer negócios sem viés ideológico.

Antes de falar sobre todos esses temas, Guedes vai explicar as razões que levaram o país a cair na “armadilha do baixo crescimento” e o “filme tenebroso dos anos 1980”, com crise de endividamento e hiperinflação. Aqui entram as boas frases do ministro contra o capitalismo de compadrio, o dirigismo econômico, os piratas privados, burocratas corruptos e criaturas do pântano político. Seu discurso de posse servirá de base.

Além do evento aberto sobre o momento atual e futuro do Brasil, junto com Bolsonaro e Sergio Moro (Ministro da Justiça), Guedes terá uma série de encontros com organismos internacionais, como FMI, Banco Mundial e OMC. Também há agendas bilaterais com ministros de outros países, com o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, fundos soberanos, fundos de investimento e líderes empresarias dos setores de infraestrutura e tecnologia.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

APRENDENDO COM O PROFESSOR BESSEMBINDER

O clube dos 900%: o que você pode aprender com os maiores casos de geração de riqueza da Bolsa americana

Empresas quebrando são mais frequentes que empresas dominando o mundo em algumas décadas. Mas poucos acertos podem rechear a sua carteira e garantir sua aposentadoria precoce.

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies