Menu
2019-07-18T11:53:11-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Entrevista

Fuja da bolsa americana e compre ouro, diz analista da Crescat

Otavio Costa é um brasileiro que trabalha no mercado americano e se soma à corrente que acredita em recessão nos EUA e problemas de crédito na China. Cenário que faz do ouro a melhor opção no momento

18 de julho de 2019
5:27 - atualizado às 11:53
Wall Street – Ouro v2 (2)
Imagem: Montagem Andrei Morais /Seu Dinheiro

Nas últimas semanas uma piada nos grupos de mensagem e redes sociais trata das tentativas de suicídio dos ursos, o animal que representa os mercados em queda (bear market). As bolsas americanas simplesmente não param de bater máximas históricas, mesmo com indicadores econômicos conflitantes e uma preocupante inversão na curva de juros.

Tenho acompanhado esse tema da curva de juros invertida há algum tempo e deparei-me com os comentários de um brasileiro radicado em Denver, Colorado, sobre isso no “Twitter”. Otavio Costa é gestor macro da Crescat Capital, uma gestora alocada fora dos famosos endereços de Wall Street.

Crescat Otavio Costa
Gestor macro da Crescat, Otavio Costa, avalia que o ouro apresenta a melhor oportunidade de ganho nos próximos anos - Imagem: Print Real Vision

Indo direto ao ponto, a tese de Costa tem três premissas principais:

  1. Mesmo com o Federal Reserve (Fed), banco central americano, provendo estímulos, a economia dos EUA vai entrar em recessão.
  2. A China passa pela maior bolha de crédito da história e sua moeda vai se desvalorizar.
  3. Dentro desse quadro são os metais preciosos que vão ganhar valor.

Por isso, a recomendação e a posição da Crescat é basicamente uma só: vendido em S&P 500 e comprado em ouro. O Brasil não é o foco de atuação da casa, mas Costa avalia que é difícil manter uma visão muito positiva com o país dada a expectativa de problemas graves na China.

Quer saber como investir em ouro na prática? Baixe nosso eBook gratuito agora e descubra a melhor forma de ganhar dinheiro com essa aplicação.

Detalhando a tese

Costa foi para os EUA com uma bolsa para jogar tênis profissionalmente. Encurtando sua história, passou a estudar e se dedicar aos temas e modelagem macroeconômica indo trabalhar com Kevin Smith na Crescat.

O modelo criado por Costa faz uma avaliação de diversos indicadores econômicos que atingem seus picos justamente quando os ciclos econômicos estão para virar. Entre eles estão a confiança do consumidor, taxa de desemprego, spreads de crédito e valor de mercado das empresas.

Junto disso há um estudo mais dedicado ao fenômeno da inversão da curva de juros, que acontece quando os juros de curto prazo estão acima dos de longo prazo. Mostramos aqui um indicador do Fed de NY que leva essa relação em conta e que mostra chance de mais de 30% de recessão nos EUA nos próximos 12 meses.

Costa vai além na sua análise e considera diversas relações de juros longos e curtos e afirma que 60% das curvas estão invertidas nos EUA. Tal evento antecedeu o estouro da bolha de tecnologia no começo dos anos 2000 e foi visto pouco antes da crise de 2008.

O especialista também cita um trabalho acadêmico que considerou apenas a relação histórica entre as taxas de cinco anos e de três meses do Tesouro americano. Toda a vez que essa curva ficou invertida por mais de 90 dias aconteceu uma recessão. Já estamos a mais de 120 dias com essa curva invertida.

“Historicamente, o mercado de crédito consegue prever de forma correta o que vai acontecer no mercado de ações”, diz Costa.

Citando outro comportamento histórico da taxa de dois anos do Tesouro, Costa explica que uma relação que vem sendo respeitada desde 1970 está sendo testada.

“Esse tipo de comportamento do mercado, quando comparado com outras épocas e ciclos, sugere que estamos próximos de algum problema. É bem óbvio que tem uma distorção enorme no preço dos ativos. Do crédito corporativo com a parte fundamental da economia e o quanto de retorno as empresas estão dando a seus acionistas”, explica.

Urso contumaz?

Costa afirma que não é um “permabear”, termo que designa os “ursos permanentes” no mercado americano, ou aquele grupo de analistas que sempre acha que o mercado vai virar para negativo.

“Não tem nada a ver com isso. O ponto é que todos os indicadores que acompanhamos e criamos mostram que devemos agir com precaução”, explica.

Assim, o ouro aparece como melhor investimento no mercado. Para Costa, a relação entre o preço do ouro e o S&P 500 pode dobrar nos próximos dois a três anos. Seja pela queda no preço das ações ou pela própria atuação do Fed, que tende a favorecer o preço do ouro em momentos de corte de juros.

“Apostar que essa proporção vai subir é minha melhor opinião para os próximos anos, pois em períodos de inversão de curva de juros essa proporção tende a subir”, afirma.

Considerando os contratos em Nova York a cotação do ouro acumula uma alta de cerca de 10% no ano, enquanto o S&P 500 já ganha pouco mais de 20%.

Segundo Costa, embora o S&P como um todo tenha esse forte desempenho, cada vez menos setores que compõem o indicador apresentam comportamento positivo. A alta está cada mais apoiada em poucos papéis, o que representa mais um sinal de alerta aos investidores.

Como investir neste 'trade'

O investidor pessoa física que se convenceu com a tese de Costa pode montar seu próprio trade, mas sempre considerando seu perfil de risco e tolerância a perdas.

A compra de ouro pode ser feita na B3 ou via fundos que têm exposição ao metal. Outra forma de exposição não só ao ouro, mas aos demais metais preciosos é a compra de ações de mineradores americanas, que estão em “bear market” desde 2011, mas essa opção é menos acessível. Você encontra mais detalhes sobre como investir em ouro na reportagem da Bruna Furlani.

É possível ficar vendido em S&P 500 aqui no Brasil por meio do fundo de índice (ETF) IVVB11. Mas operar com posições vendidas é um trade um pouco mais sofisticado. Posições vendidas exigem uma margem de garantia na corretora e, no caso, o preço do dólar influencia o ouro e o S&P. Também é bom lembrar de uma máxima que diz que o mercado pode ficar mais tempo irracional do que você líquido.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

presidente da república

Bolsonaro apresenta sintomas de coronavírus e faz novo exame

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que irá realizar um novo exame da covid-19

novos dados

Brasil tem 65,4 mil mortes causadas pela covid-19

Do total de infectados, 927.292 já se recuperaram

seu dinheiro na sua noite

A joia escondida da Cogna

Caro leitor, Olhar para onde ninguém está olhando e conseguir identificar o “valor oculto” das coisas são alguns dos hábitos do bom investidor. A capacidade de enxergar que algo tem valor antes de todo mundo, que existe uma demanda que não está sendo atendida ou que o preço de um ativo está muito abaixo de […]

vai demorar um pouco

Anfavea prevê que mercado de veículos voltará ao ritmo pré-pandemia em 2025

Previsão foi feita nesta segunda-feira. Projeção da Anfavea para 2020 é de retração de 40% nas vendas

tributação progressiva

Proposta de reforma tributária retira benefícios para IRPJ e IRPF, diz secretário da Receita

Secretário da Receita Federal, José Tostes disse que a proposta de reforma tributária do governo federal passará por retirar benefícios e incentivos no Imposto de Renda

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements