Menu
2019-07-09T15:15:26+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
A tal curva invertida

Recessão nos EUA? Indicador do Fed de NY tem maior leitura desde 2008

Um modelo de probabilidade utilizado pelo Federal Reserve (Fed) de Nova York passou da linha dos 30%, patamar que antecedeu recessões recentes

9 de julho de 2019
15:15
Donald-Trump-Jerome-Powell
Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente do Fed, Jerome Powell - Imagem: Official White House Photo by Andrea Hanks

A economia americana deve crescer cerca de 2% neste ano e acabou de gerar 224 mil postos de trabalho em junho. Ainda assim, boa parte do noticiário por lá se dedica a avaliar qual a chance de uma recessão acontecer no curto ou médio prazos.

Nesta terça-feira, o que chama atenção é um indicador construído pelo Federal Reserve (Fed) de Nova York, uma das unidades do banco central americano. Utilizando parâmetros do mercado de títulos do Tesouro, os treasuries, a probabilidade de uma recessão nos próximos 12 meses está em 32,87%, leitura não observada desde a crise de 2008/2009.

O modelo tem como base o spread (diferença) entre os títulos de 10 anos e os de três meses. Quando essa relação é negativa, ou seja, o juro de curto prazo está acima do de longo prazo, os sinais de alerta se acendem nos EUA, pois esse tipo de fenômeno precedeu todas os episódios de recessão desde o fim da Segunda Guerra mundial. ( link para o gráfico do NY Fed).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A tal curva invertida

Já tratamos dessa inversão da curva de juros em dezembro do ano passado, quando esse fenômeno aconteceu e trouxe uma onda de apreensão nos EUA. Naquele momento, a preocupação ainda era com o número de elevação de juros que o Fed poderia fazer agora em 2019.

Agora, as discussões no mercado são de quantas quedas serão anunciadas por Jerome Powell e companhia, que estarão reunidos no dia 31 de dezembro. Powell já disse que o Fed atuará para sustentar a expansão da economia americana, que está em crescimento há pouco mais de dez anos, maior período ininterrupto de crescimento já registrado.

A curva invertida não é causa da recessão, mas um sintoma do que estaria por vir. Uma das possíveis leituras para o fenômeno é que os investidores aumentam a demanda por ativos seguros, como os papéis de 10 anos, antevendo a desaceleração. Isso faz com a preço dos títulos aumentem e suas taxas caiam.

Outra avaliação possível é que curvas invertidas acabam impactando negativamente o mercado de crédito, estrangulando a economia. Dinheiro de curo prazo mais caro que o de longo prazo “mata” a lógica do crédito. Por isso, alguns especialistas ficam mais atentos à persistência da curva invertida por longos períodos de tempo.

O que nos parece certo é que esse será um assunto que vai tomar parte do debate nos EUA e por aqui, em função dos riscos de uma desaceleração forte por lá acabar minando os esforços de retomada da atividade local.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Sopa de letrinhas

Entenda como funciona o rating, a nota de crédito dos países e das empresas

A avaliação sobre a capacidade financeira de países e empresas de uma maneira padronizada serve para que os investidores conheçam o nível de risco a que estão se expondo na hora de comprar títulos de dívida. Eu conto para você o conceito que está por trás dessas notas

De olho na economia

Armínio Fraga vê ‘obscurantismo’ e ambiente ‘envenenado’ como entraves à economia

Fraga destacou que o Brasil nunca investiu tão pouco na sua história e que para destravar o investimento será preciso dar mais clareza em áreas que vão além da econômica, como “temas de natureza distributiva”

Novidades à vista?

Petrobras negocia potencial consórcio para leilão de pré-sal, diz presidente

Muitas das maiores petroleiras do mundo, entre elas ExxonMobil, Royal Dutch Shell e BP, além da própria Petrobras, estão registradas para participar da disputa, marcada para 6 de novembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

As duas faces do dólar

No filme “As duas faces de um crime”, o eterno canastrão Richard Gere faz o advogado oportunista que defende um jovem acusado de assassinato. A coisa complica quando ele descobre que o garoto interpretado por Edward Norton sofre de múltiplas personalidades. Eu me lembro do filme toda vez que tento encontrar alguma explicação para o […]

Na gringa

Campos Neto: O que foi prometido está sendo entregue

Em encontros no exterior, presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, passa a mensagem de que existe um plano de reinvenção do país com dinheiro privado

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: O cabo de guerra no PSL

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Situação delicada

Papéis da Boeing caem 7% em NY com notícia de que companhia pode ter “enganado” FAA

De acordo com o periódico, o piloto Mark Forkner teria reclamado que o sistema conhecido como MCAS, na sigla em inglês, o teria deixado em apuros dois anos antes dos acidentes que tiraram a vida de várias pessoas

Boas novas

Ações da Eletrobras sobem após MME dizer que pode encaminhar PL sobre privatização da empresa até início de novembro

De , a proposta do governo federal para a privatização da Eletrobras ainda é a capitalização, com a diluição da participação da União na holding elétrica

nos eua

Reservas são vistas como seguro e não se fala em mudar isso, diz presidente do BC

Campos Neto mencionou que o que se lê sobre os altos custos para se manter as reservas internacionais no Brasil “não é a realidade” e que nos últimos 15 anos, os custos se igualaram às receitas

no velho continente

Há ‘sinais leves’ de supervalorização dos mercados, diz presidente do Banco Central Europeu

Draghi destaca ainda que o setor financeiro não bancário da zona do euro continua tomando risco, mas pontua que a resiliência do setor bancário permanece “sólida”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements