Menu
2019-04-04T14:10:14-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Estrangeiro reduz “aposta” na queda do Ibovespa

Posição vendida do não residente caiu para pouco mais de 100 mil contratos, menor desde meados de outubro. No câmbio, posição comprada é de US$ 36,5 bilhões

11 de fevereiro de 2019
10:49 - atualizado às 14:10
Tela mostra cotações de bolsa de valores e gráficos de mercado
Imagem: Shutterstock

A primeira semana de fevereiro mostrou uma firme movimentação de estrangeiros e fundos locais no mercado de Ibovespa futuro na B3. Os não residentes compraram mais de 47 mil contratos futuros, reduzindo sua posição vendida para 106.355 contratos, menor desde meados de outubro. Já os fundos venderam montante semelhante, reduzindo a posição comprada a 95.221 contratos.

Uma forma de ler as posições no Ibovespa futuro é como uma proteção (hedge) às oscilações no mercado à vista. O investidor está comprado em bolsa no mercado à vista e vai proteger essa exposição no mercado futuro vendendo contratos de Ibovespa.

No entanto, o mercado também opera o Ibovespa futuro com um ativo em si, podendo montar apostas de alta (comprado) ou de queda (vendido) no Ibovespa.

Essa acentuada troca de posições aconteceu em uma conturbada semana para o Ibovespa e para os mercados mundiais. O principal índice de ações da B3 chegou a perder os 95 mil pontos e amargou uma queda semanal de 2,6%, pior semana desde o começo de novembro do ano passado.

No mercado à vista, os fundos também venderam bolsa, enquanto os estrangeiros zeraram seu fluxo positivo.

No começo de janeiro o estrangeiro chegou a apresentar uma posição vendida de 165 mil contratos, a maior em mais de uma década, e discutimos aqui se o gringo estava pessimista com a bolsa brasileira.

Vimos que o assunto é um pouco mais complexo, pois além de considerar as movimentações de fluxo à vista e futuro temos de considerar, também, mudanças no “valuation” das posições, ou seja, como a valorização ou desvalorização de ações, títulos e da taxa de câmbio afetam essas posições.

O que é fato é que pelos dados do Instituto Internacional de Finanças (IIF), o Brasil segue como o emergente com menor volume de posição de investidores estrangeiros, mesmo depois que a mudança de orientação do Federal Reserve (Fed), banco central americano, estimulou uma nova rodada de fluxos para emergentes.

Variação de fluxo, valuation e total - Brasil - BRL - Imagem: IIF

Mercado de câmbio

No futuro de dólar, a posição comprada do estrangeiro em contratos de câmbio e cupom cambial (juro em dólar) subiu em pouco mais de US$ 3 bilhões ao longo da semana, para US$ 36,5 bilhões, maior desde 21 de janeiro. Na ponta oposta, estão os fundos, com posição vendida total de US$ 26,3 bilhões e os bancos, com US$ 12,2 bilhões.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Fim de uma história de amor?

Elon Musk anuncia que Tesla suspendeu compras com bitcoins e volta a falar de dogecoin

O bilionário levantou a questão ambiental para deixar as transações com a criptomoeda de lado

IR 2021

Imposto de Renda: Quem pode deduzir honorários advocatícios?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro.

Ivan Sant'Anna

O novo superciclo das commodities já é uma realidade. Como você pode ganhar dinheiro com ele

Nas últimas décadas, tivemos três grandes bull markets de commodities. Agora, os astros estão se alinhando para um novo superciclo

Contas brasileiras em jogo

STF retoma julgamento sobre ICMS e PIS/Cofins; decisão pode ter impacto de R$ 258,3 bilhões para União

Os ministros já haviam declarado inconstitucional a cobrança de ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, mas o governo pede que a decisão não tenha efeito retroativo

São Jorge e o dragão inflacionário

A grande e ameaçadora besta da inflação começa a sair do seu sono profundo. Aos poucos, movimenta as asas e mexe sua cauda incendiária. Um vagaroso e temerário despertar. Nem de longe está cuspindo fogo — e quem viveu no Brasil nos anos 80 e 90 lembra bem do seu poder destrutivo. Mas mesmo o […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies