Menu
2019-05-07T06:14:07-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado mantém expectativa com guerra comercial

EUA confirmam aumento da tarifa sobre produtos chineses a partir de sexta-feira, mas China deve enviar delegação a Washington para rodada final de negociação

7 de maio de 2019
5:43 - atualizado às 6:14
guerra comercial
No Brasil, comissão especial faz a primeira reunião de trabalho sobre a reforma da Previdência

O mercado financeiro está em suspense, após os Estados Unidos confirmarem o aumento da tarifa sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses para 25% a partir desta sexta-feira. Mas as esperanças de um acordo comercial permanecem, já que a China ainda deve enviar uma delegação a Washington nesta semana para uma rodada final de negociações.

A reunião com representantes do alto escalão deve começar na quinta-feira - portanto, um dia depois do planejado originalmente - e se estender até o dia seguinte. Com isso, os ativos de risco devem ficar mais voláteis, oscilando ao sabor do noticiário envolvendo o conflito entre as duas maiores economias do mundo.

O governo Trump acusa a China de “renegar” os compromissos assumidos durante as rodadas anteriores, o que resultou na decisão de sobretaxar os produtos importados do país. O problema é que Pequim pode resolver adotar uma postura mais defensiva, evitando ficar vulnerável às ameaças e pressões adicionais da Casa Branca.

Afinal, a decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, mostra como tende a ser a dinâmica de longo prazo caso um acordo seja, enfim, alcançado. De qualquer forma, as autoridades chinesas mostram interesse em encerrar a disputa, mas não querem se curvar às demandas de longo alcance de Washington, minando as chances de um grande desfecho.

Na visão da China, se tal postura de submissão for adotada, o modelo econômico liderado pelo partido comunista pode ser testado. Ainda assim, a expectativa é de que, com a retomada das negociações nesta semana, cresce a possibilidade de um acordo comercial sino-americano no curto prazo, o que traz um alívio entre os investidores.

Mercados mistos

As principais bolsas da Ásia encerraram a sessão de forma mista. Tóquio voltou do feriado nacional de 10 dias em baixa e caiu 1,5%, ao passo que Hong Kong (+0,55%) e Xangai (0,7%) subiram. Ainda na região, Cingapura e Indonésia tiveram alta, enquanto, na Oceania, Sydney também avançou.

Já no Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York estão no vermelho desde ontem, após o representante do comércio dos EUA, Robert Lighthizer, confirmar o aumento das tarifas chinesas a partir desta sexta-feira. As perdas sinalizadas para o dia ultrapassaram 1%, mas agora são mais moderadas.

Esse desempenho misto prejudica a abertura do pregão na Europa, que não exibe uma direção única. O velho continente também está receoso com a estratégia de negociação de Trump, que tem mantido um padrão de ameaçar os parceiros comerciais com o pior cenário possível para, então, alcançar um acordo e reivindicar vitória.

Nos demais mercados, o petróleo oscila em baixa, monitorando a escalada da tensão geopolítica com o Irã, ao passo que o dólar segue firme. Os destaques ficam com a queda da lira turca e a alta do dólar australiano, que se fortalece após o banco central local (RBA) se abster de cortar os juros no país.

US x Them

Como pano de fundo do embate entre EUA e China, está a desaceleração no crescimento mundial - exceto nos EUA. Aliás, Trump se sentiu encorajado em endurecer o tom contra a China em meio à valorização recorde em Wall Street e à robustez da economia norte-americana. Segundo ele, a sobretaxa já em vigor é “parcialmente responsável” por esses resultados “excelentes”.

Assim, Trump não vê muitos riscos em hostilizar seu parceiro comercial, uma vez que a economia dos EUA está indo bem. Contudo, o agravamento das tensões entre as duas potências deve afetar negativamente o ambiente econômico, aumentando as incertezas quanto à saúde da economia global.

Além disso, os componentes de força da expansão do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA nos três primeiros meses deste ano podem ser revertidos já no segundo trimestre - e depois. Afinal, o impulso vindo do setor externo ampliou os estoques das empresas, enquanto as vendas tiveram a menor alta em mais de três anos.

Também houve um salto nos gastos de governos estadual e local, em meio à paralisação da administração federal (shutdown), enquanto os investimentos e o consumo das famílias tiveram crescimentos mais fracos. Assim, tirando esses fatores atípicos, o crescimento dos EUA teria sido inferior a 2% no início de 2019 - longe dos 3,2% anunciados.

Portanto, a ansiedade de Trump em relação à China pode estar mais ligada à eleição presidencial nos EUA em 2020, com a abordagem protecionista do republicano satisfazendo parte do seu eleitorado. Ainda mais após um possível candidato democrata à Casa Branca, o ex-vice-presidente Joe Biden, minimizar a ideia de “ameaça chinesa”.

Dia de agenda fraca

A agenda econômica desta terça-feira está mais fraca, no Brasil e no exterior. O destaque local fica com os indicadores antecedentes de abril da indústria automotiva, a serem divulgados pela Anfavea, às 11h20. Além disso, o Comitê de Política Monetária (Copom) inicia a reunião de dois dias para decidir sobre a taxa básica de juros (Selic).

Na safra de balanços, saem os resultados trimestrais de Ambev, antes da abertura do pregão local, e da Petrobras, após o fechamento da sessão. Em Brasília, os trabalhos da comissão especial sobre a reforma da Previdência serão retomados hoje, com os deputados analisando a proposta de cronograma.

Em busca de apoio político, o governo deve aceitar alterações no texto, para garantir a aprovação da proposta. Ontem, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes renovaram o apelo pela aprovação das novas regras para aposentadoria, dizendo que não há um plano B para a economia, tirando o país da “armadilha do baixo crescimento”.

Já no exterior, o foco se concentra nos dados da balança comercial chinesa no mês passado, que só serão conhecidos no fim do dia. Pela manhã, merece atenção o relatório Jolts sobre o número de vagas de emprego disponíveis nos EUA em março (11h). Também serão conhecidos os dados sobre o crédito ao consumidor norte-americano (16h).

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Fenômeno da internet

O ataque dos memes: Conheça 5 ações de empresas “quebradas” que mexem com Wall Street

O caso mais famoso foi o da GameStop, mas outras empresas que não contam com fundamentos sólidos vêm passando por movimentos de valorização estimulados por fóruns de internet

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies