IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2019-05-24T14:15:47-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Pesquisa

Pela primeira vez, Bolsonaro vê rejeição superar aprovação e população demanda pragmatismo

Grupo que considera atuação do presidente ruim ou péssima subiu para 36%, ultrapassando os 34% que consideram o governo bom ou ótimo. Para 57% manifestações do dia 15 tiveram importância

24 de maio de 2019
10:03 - atualizado às 14:15
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro - Imagem: Shutterstock

Os tsunamis das últimas semanas causaram estragos na avaliação do governo Jair Bolsonaro. Rodada extraordinária da pesquisa XP/Ipespe mostra que pela primeira vez no ano o grupo de entrevistados que avalia a atuação do governo como ruim ou péssima subiu para 36%, alta de 5 pontos percentuais, superando os 34% que avaliam o governo como ótimo ou bom (era 35%).

Segundo o relatório da pesquisa, com a redução observada entre os entrevistados que avaliam o governo como regular (de 31% para 26%), é provável que pessoas desse grupo tenham migrado para uma opinião negativa sobre o governo. Foram feitas mil entrevistas nos dias 20 e 21 de maio. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

bolsonaro

Também foi captada uma tendência descendente na expectativa da população para o restante do mandato. O grupo de entrevistados que espera que o restante do governo seja ótimo ou bom caiu de 51% na primeira semana do mês, para 47% nessa rodada. Na contramão, também oscilou em 4 pontos percentuais para cima o percentual dos que têm expectativa de que o restante do mandato seja ruim ou péssimo.

bolsonaro

De quem é a culpa?

Perguntados sobre de quem é a maior responsabilidade pela atual situação econômica do país, os entrevistamos seguem indicando os governos Lula (31%), Dilma (18%) e Temer (14%), mas o percentual de respostas em Bolsonaro dobrou desde o começo do mês de 5% para 10%.

Não só isso, mas boa parte dos resultados da pesquisa conversa com a percepção da população com relação às notícias sobre o governo.

Para 56%, as notícias envolvendo o governo e o presidente foram mais desfavoráveis na segunda semana do mês contra 45% na primeira. Enquanto as menções de mais favoráveis caíram de 22% para 14%.

Pragmatismo com o Congresso

Pela primeira vez os entrevistados foram convidados a avaliar o andamento da agenda do presidente Bolsonaro junto ao Congresso Nacional.

Apenas 4% dos entrevistados avaliam como satisfatória a execução dos objetivos do governo no parlamento. Enquanto, 35% afirmam que a agenda tem prosseguido lentamente por culpa do governo e do Congresso.

Outros 30% creditam o ritmo lento à atuação apenas do Congresso e 20% culpam só o governo Bolsonaro pela lentidão.

Parece bem acertada a frase de Bolsonaro de que o grande problema do Brasil é a nossa classe política. Ele também se incluiu como parte do problema.

No entanto, a pesquisa mostra uma demanda ou percepção de que Bolsonaro poderia ser mais pragmático na sua relação com o Congresso.

Para 48% dos entrevistados, o presidente deveria flexibilizar suas posições para aprovar sua agenda, ainda que isso signifique se afastar do discurso inicial. Em abril, eram 37% que defendiam tal postura.

Aqueles que falam que Bolsonaro deve endurecer suas posições e seus discurso, ainda que isso signifique dificuldades na relação com o Congresso, caiu, na margem, de 33% para 31%. Vale notar aqui a semelhança percentual entre o ótimo/bom e o grupo que demanda essa postura mais firme do presidente.

bolsonaro

Alguma mudança de postura pode ser notada nos últimos dias. Ontem, o presidente pediu para o Senado aprovar sem alteração a MP 870, que reestruturou ministérios e tirou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) de Sergio Moro.

A questão do Coaf vinha sendo um cavalo de batalha política e popular dentro do Congresso, mas o gesto do presidente foi importante, ao falar que além de autoridade, o Parlamento tem legitimidade para fazer alterações nos projetos que partem do Executivo.

A importância de Rodrigo Maia

Também foram feitas perguntas específicas sobre a relação de Bolsonaro com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Para 40% a relação é vista com ruim ou péssima, contra 36% em abril, e para outros 40% a relação entre os chefes do Executivo e do Legislativo é regular, ante 44% na pesquisa anterior.

Perguntado sobre qual a importância dessa relação entre os dois, 44% dizem sem muito importante, contra 43% em abril. Para 39% ela é importante (38% anteriormente).

Manifestações

Os pesquisadores também buscaram medir a opinião da população sobre os protestos ocorridos no último dia 15 de maio, contra o contingenciamento de verbas do Ministério da Educação.

Bolsonaro chamou os manifestantes de imbecis e idiotas uteis e depois falou que quem não entendia a lógica do contingenciamento era um abutre. Nesta semana, o governo optou por usar uma reserva de orçamentou e poupar o MEC e demais órgãos do Executivo de um novo contingenciamento, após revisar o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% para 1,6% em 2019.

Mais da metade dos entrevistados (57%) afirmam que as manifestações tiveram importância, enquanto outros 38% disseram que o movimento não teve relevância.

O que é quase um consenso entre os entrevistados é que novos protestos devem voltar a ocorrer, já que 86% optaram por essa resposta.

Parlamentarismo não

Com Rodrigo Maia afirmando que Câmara e Senado terão uma agenda muito racional de reestruturação do Estado, que não vai mais ficar olhando as redes sociais e guerrilhas virtuais e que o Congresso vai tocar uma agenda de reformas apesar do Executivo, surgiu a percepção de que poderíamos rumar para um parlamentarismo branco.

Dentro desse contexto, os entrevistados foram perguntados sobre uma eventual mudança no sistema de governo do país.

A manutenção do atual sistema de presidencialismo foi defendida por 70% dos entrevistados. Outros 18% concordam que com a mudança para o parlamentarismo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

MERCADOS AGORA

Esquenta dos mercados: Ibovesa patina na PEC da Transição e nome de Haddad para Fazenda; bolsas internacionais aguardam dados da semana em Nova York

29 de novembro de 2022 - 7:01

RESUMO DO DIA: As bolsas da Ásia e Pacífico fecharam o pregão desta terça-feira (29) majoritariamente em alta. Os investidores por lá acompanham uma possível suspensão das políticas de “covid zero” na China, em meio a protestos no país. Na Europa, o tom é levemente negativo antes dos dados de inflação da Alemanha. Por aqui, […]

AUTOMÓVEIS

Mais seguro e inteligente, o carro semiautônomo já é uma realidade; confira as opções disponíveis no mercado

29 de novembro de 2022 - 6:11

Alguns itens de segurança e de assistência ao motorista transformam carros — nem tão caros — em veículos semiautônomos

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Fora Xi Jinping? Alvo de protestos, covid zero deve afetar PIB da China, mas reação do mercado pode ter sido exagerada

29 de novembro de 2022 - 5:54

Protestos se espalharam por várias cidades chinesas pedindo o fim da política de covid zero, que tortura o país há mais de dois anos, prejudicando a atividade econômica e o bem-estar das famílias chinesas

LOTERIAS

Lotofácil e Quina acumulam e sorteiam prêmios milionários hoje; veja os detalhes

29 de novembro de 2022 - 5:47

Lotofácil oferece R$ 6 milhões hoje. Prêmio da Quina pode chegar a R$ 12 milhões. As duas loterias têm sorteios diários.

BOLSOS CHEIOS

Dividendos e JCP: Itaú (ITUB4) anuncia pagamento de proventos; confira valores e prazos

28 de novembro de 2022 - 20:34

A distribuição será realizada até 28 de abril de 2023; provento considera a incidência de 15% de imposto de renda retido na fonte

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies