Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-02-18T11:58:56-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política

O caso Bebianno vai respingar na reforma da Previdência?

Custo desse desgaste político em termos de votos para aprovação de reformas ainda não está claro

18 de fevereiro de 2019
11:32 - atualizado às 11:58
Gustavo Bebianno
Gustavo Bebianno - Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

O noticiário do fim de semana e desta segunda-feira continua girando em torno de um único personagem, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Benianno. No mercado, o que se tentar medir é qual será o custo dessa “crise” em termos de votos para a aprovação das reformas, como a da Previdência.

No momento, ainda não há como “cravar” uma posição sobre o tema. Há uma fatura em aberto e o tamanho dessa conta passa por uma possível “troca de chumbo” entre o ministro que está para ser exonerado e o governo Jair Bolsonaro.

Segundo um consultor político com larga experiência aqui em Brasília, o vazamento de informações e a troca de acusações podem impactar a relação do governo com o Congresso, mas isso é difícil de antecipar, ainda que seja fato que o Bebianno, enquanto ex-presidente do PSL, tenha informações que podem ser duras.

Foi noticiado, que Bebianno cairia atirando, ou seja, poderia usar informações sensíveis que teria contra o governo. Em conversa com a “Folha de S.Paulo”, no entanto, Bebianno negou que atacará o presidente, mas disse que não vai sair “ com pecha de bandido, de patrocinador de laranjais ou de traidor”.

Para esse consultor, a situação é grave, principalmente pelo desconforto causado pela atuação do “núcleo familiar” no episódio.

Foi pelo “Twitter”, que Carlos Bolsonaro chamou o ministro de mentiroso, negando que ele tenha tido contato com o pai.

Também circulam informações que o núcleo militar do governo estaria amplamente insatisfeito com essa situação. Na sexta-feira, o vice, general Hamilton Mourão, falou que Bolsonaro vai “botar ordem” nos filhos.

Com 55 deputados, o PSL forma relevante bancada no Congresso, mas não se sabe quem lidera o partido e se Bebianno teria algum grau de influência relevante sobre os parlamentares.

Por ora, o grande articulador da reforma pelo governo na Câmara do Deputados é Rodrigo Maia (DEM-RJ), que já chamou para si o trabalho de formar a base necessária à votação. Maia já demostrou seu descontentamento com o episódio, ao falar, na semana passada, que Bolsonaro é presidente e não mais deputado ou presidente da associação dos militares.

Durante a campanha e mesmo depois de definida a eleição a grande preocupação sempre foi com a articulação política do novo governo, que vinha para inaugurar uma “nova política”, sem o famigerado “toma lá, dá cá”. O episódio envolvendo Bebianno soma mais dúvidas e fortalece apenas a oposição, que vai usar as ferramentas que tem da ir minando o governo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

O futuro está no céu

A acirrada corrida pelo ‘carro voador’

Além de chamar a atenção no mercado de capitais, as startups de “carros voadores” estão atraindo talentos e parceiros de setores mais tradicionais da economia

XP anuncia investimento na edtech Resilia

A Resilia é uma edtech que combina tecnologias que potencializam o aprendizado individualizado e em comunidade com um método de ensino que capacita potenciais talentos de uma forma mais rápida para o mercado digital

Análise

Investir em ações de banco ainda é uma boa? Veja 3 motivos que deixam a XP Investimentos cautelosa

Se no ano passado a postura era otimista, agora os analistas do setor financeiro da XP estão mais cautelosos, já que o cenário é de preços elevados dos ativos e uma concorrência e intervenções regulatórias preocupantes.

REFORMA TRIBUTÁRIA

PIB pode crescer 1,6% com redução de IR para empresas, indica estudo

O cálculo de 20% teve como base comportamento das empresas depois de um dos maiores aumentos na alíquota do imposto sobre dividendos no mundo – na França, em 2013, de 15,5% para 46%

ESG

‘Equidade racial se tornou prioridade dentro da Vivo’, diz presidente

Dentro da extensa agenda ESG, que concentra ações ambientais, sociais e de governança, a Vivo aposta na equidade racial

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies