Menu
2019-04-04T12:35:05-03:00
Estadão Conteúdo
Promessa de campanha

Governo quer entregar versão final da previdência na 2ª semana de fevereiro

Fontes do governo afirmaram que cálculos ainda estão sendo feitos e que os detalhes do texto ainda não foram apresentados ao presidente

4 de janeiro de 2019
11:01 - atualizado às 12:35
Fachada de posto de atendimento da Previdência Social
Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A equipe do presidente Jair Bolsonaro quer entregar o texto final da reforma da Previdência ao Congresso Nacional na segunda semana de fevereiro, logo após as eleições para presidência das casas legislativas.

Fontes do governo afirmaram que cálculos ainda estão sendo feitos e que os detalhes do texto ainda não foram apresentados ao presidente.

Nessa quinta-feira, 3, Bolsonaro afirmou em entrevista ao SBT defender idade mínima de 62 anos para homens e 57 anos para mulheres.

Após a fala do presidente, representantes do governo explicaram que a ideia é entregar uma reforma viável dentro da legislatura de Bolsonaro. "O que ele disse é que haverá uma tabela ascendente. E que não dá para atingir os 65 anos na legislatura dele", disse uma fonte. Segundo esse interlocutor, se o governo conseguir entregar uma idade mínima de 62 anos já em 2022, entregará um texto "até mais duro do que a transição de Michel Temer permitiria para esse mesmo tempo".

Após as reuniões dessa semana, a equipe bateu o martelo em relação ao uso do texto enviado pelo presidente Michel Temer e que já foi aprovado em comissão na Câmara. As alterações que a equipe de Paulo Guedes achar necessárias serão feitas por meio de emendas aglutinativas. Dessa forma, somente o que já foi sugerido como emenda na comissão especial pode ser alterado no texto que vai ir a plenário.

Sobre a intenção de respeitar a expectativa de vida das diferentes regiões do país na fixação da idade mínima, essa fonte afirma que o governo pretende levar esse dado em consideração mas lembra que, para a população que já atingiu os 60 anos, a expectativa de vida é de pelo menos mais 20 anos. "Para quem já atingiu os 60 anos, não faz diferença fazer essa diferenciação", disse.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

disciplina fiscal

Candidatos, Lira e Pacheco criam ruído no mercado com possibilidade de prorrogação do auxílio

Pacheco falou em sacrificar algumas premissas econômicas para “poder manter alguma forma de socorro a essas pessoas”; Lira disse que tinha a impressão de mercado poderia aceitar a medida, estando dentro do teto

eu vejo uma alta

Sem forward guidance, pergunta agora é: quando a Selic vai subir?

Aceleração da inflação e riscos do lado fiscal levam analistas a estimarem que primeira alta virá antes que o esperado

mudança de governança

CEO da Copel sinaliza que interferências políticas são coisas do passado

Daniel Slaviero apresentou ao mercado os pilares que nortearão a nova política de governança corporativa da elétrica

em são paulo

Luciano Hang tem alta hospitalar após ser internado com covid-19

Mais cedo, ele realizou uma live na rede social, em que contou que permaneceu assintomático

após reclamações

C6 Bank é multado em R$ 7 milhões pelo Procon-SP por crédito consignado

Procon ressalta que recebeu reclamações de consumidores de todo o Estado, que disseram que foram surpreendidos com empréstimos consignados não solicitados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies