Menu
2019-08-04T09:53:00-03:00
Estadão Conteúdo
Popularidade em baixa

Estudo vê queda na avaliação do governo Bolsonaro nas redes sociais

Um levantamento conduzido pela startup Arquimedes indica que a popularidade de Jair Bolsonaro diminuiu nas últimas semanas, ao menos nas redes sociais

4 de agosto de 2019
9:53
Jair Bolsonaro durante visita aos Estados Unidos
Jair Bolsonaro - Imagem: Marcos Corrêa/Presidência da República

As frases polêmicas proferidas pelo presidente Jair Bolsonaro contra jornalistas, políticos e instituições na última semana de julho coincidiram com queda na avaliação do Planalto nas redes sociais, indica monitoramento da startup Arquimedes.

O índice registrou baixa semelhante em maio, no mesmo período em que o governo foi cercado por críticas e questionamentos pelo decreto que flexibilizou o porte de armas.

O Índice de Sentimento Arquimedes (ISA) mede diariamente o humor das manifestações a partir de publicações de perfis e páginas públicas no Twitter e no Facebook sobre o governo, variando de 0 a 100, onde 0 é totalmente negativo e 100 é totalmente positivo.

O levantamento aponta um início de julho positivo com 46 pontos. No período, o Planalto era impulsionado pela manifestação pró-governo de 30 de junho e acompanhava a tramitação e aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara dos Deputados.

A partir da segunda quinzena, porém, a variação teve uma baixa e chegou aos 35 pontos - menor índice registrado desde a posse. Foi no dia 19, durante um café da manhã com jornalistas estrangeiros, que o presidente disse ser “uma grande mentira” a fome no Brasil.

Na mesma ocasião, emendou acusações falsas contra a jornalista Miriam Leitão, questionou os dados de desmatamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e chamou governadores nordestinos de “paraíba”, termo pejorativo usado no Rio.

A sequência de polêmicas e as repercussões nos dias seguintes fizeram o ISA oscilar entre 35 e 38 pontos. A queda também coincide com a declaração de Bolsonaro, no último dia 25, contra o jornalista Glenn Greenwald, acusado pelo presidente de ser um “malandro” que “talvez pegue uma cana” no Brasil.

Apesar da baixa na segunda quinzena de julho, o índice registrou uma leve recuperação positiva a partir do dia 29 de julho. A data bate com os ataques lançados por Bolsonaro contra o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz. Naquele dia, Bolsonaro afirmou falsamente que o pai de Santa Cruz havia sido morto por um grupo terrorista.

Queda semelhante só na primeira quinzena de maio. No dia 7 daquele mês, o Planalto editou decreto para flexibilizar o porte de armas - questionado por Congresso e Supremo Tribunal Federal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Inflação global

Há riscos de inflação global maior e mais persistente, diz diretor do FMI

Segundo ele, a visão do Fundo é que o “salto” recente nas pressões inflacionárias reflete desequilíbrios entre a oferta e a demanda que são temporários, influenciados também por altas nos preços de commodities, ante uma base de comparação “muito fraca” no ano passado

Via rápida

BBM Logística pega um atalho na estrada do IPO e pode captar até R$ 1,6 bilhão

Empresa parananse optou por fazer uma oferta restrita, uma via mais rápida porque dispensa o pedido de registro prévio na CVM

Reforma administrativa

Lira diz ser possível Câmara aprovar reforma administrativa até setembro

Para Lira, o tema deve gerar “discussões acaloradas” porque faz parte da bandeira de alguns partidos da Câmara

Mais empresas

Total de empresas no País subiu 6,1% no pré-pandemia, após 3 anos de fechamento

O total de empresas em atividade subiu a 5,239 milhões, um avanço de 6,1% em relação a 2018, o equivalente a 301.388 negócios a mais

Exile on Wall Street

Rodolfo Amstalden: habilidade emocional e investimentos

Os alunos de medicina da classe de 1992 não aguentavam mais estudar, desde o cursinho, desde que tiveram o azar de nascer em suas tradicionais famílias de doutores. Passaram os primeiros 18 meses da faculdade babando em cima de livros de capa dura. Madrugadas inteiras em modo zumbi, decorando nomes de partes que pareciam não […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies